Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Uma “conta” transmontana

Uma “conta” transmontana

10/02/2021 Humberto Pinho da Silva

Ouvi esta “conta” narrada pelo “tio” Jacinto, na terra natal de minha mãe.

Certo serão, do mês de Agosto, noite quente e de lua cheia, estava sentado nas escaleiras do “tio” Jacinto, juntamente com outros jovens, quando este, depois de ter olhado fixamente para a lua redonda e luminosa, disse:

- Sabem, o que significa aquelas manchas escuras, que aparecem na lua?

Ninguém respondeu. Então, começou a contar velha história, que, segundo nos declarou, escutara da boca de sua querida avozinha:

Era uma vez um homem, que nunca ia à missa, esse desleixo era motivo de escândalo, na aldeia, pois ele ia para o campo trabalhar.

Ora, certa ocasião em que tapava com silvas secas, fenda num cercado, fenda por onde poderiam entrar animais: cabras, porcos, ovelhas, apareceu-lhe Nosso Senhor, e disse-lhe:

- Não sabes que não se trabalha ao domingo?

- Sei, Senhor, mas… - respondeu o homem, desculpando-se da falta.

- Não há mas, nem meio mas: domingo é domingo. Terás teu castigo pelo mau exemplo que dás. E, para que o castigo te sirva de escarmento aos outros, como tu, serás bem visível para todos: aparecerás na lua, nas noites claras, sobraçando esse molho de silvas.

Dai em diante, quem afirmar a vista para a lua cheia, lá verá a sombra do desgraçado, com seu molho de silvas às costas. Concluiu o “tio” Jacinto, muito empertigado.

Todos tentamos, vislumbrar, na lua, o homem curvado, com seu molho de silvas. Então, meu priminho João, apontou para o céu com o indicador, esticando muito o braço:

- Eu vejo! …Eu vejo! …Eu vejo! …

- Não apontes, rapaz, para as estrelas, que te nascem cravos, nas mãos – Recomendou o “tio” Jacinto.

Todos se riram, troçando do cachopo. Mas meu priminho, muito compenetrado, ficou a mirar, receoso, as mãos.

E todas as manhãs, logo que levantava o sol, vinha ligeiro, ainda em pijama, ao meu quarto, para eu lobrigar se já haviam cravos…

* Humberto Pinho da Silva



A tragédia já foi. E agora?

Impossível não se sensibilizar e chocar com a situação do Rio Grande do Sul, atingido por chuvas sem precedentes que causaram inundações em grande parte do estado, da capital ao interior.

Autor: Janguiê Diniz


O preconceito que condena

O programa Fantástico da Rede Globo trouxe mais uma história de injustiça cometida pelo Poder Judiciário brasileiro contra um jovem preto e periférico.

Autor: Marcelo Aith


O risco de politização da tragédia no RS

O Brasil todo tem assistido, consternado, ao desastre ambiental que se abateu sobre o Rio Grande do Sul nos últimos dias.

Autor: Wilson Pedroso


Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O final de Abril e o começo de Maio foram marcados pelo pior desastre ecológico da história do Rio Grande do Sul, com inundações, mortes e milhares de desabrigados e de pessoas ilhadas.

Autor: Marco Antonio Spinelli

Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O fim da reeleição de governantes

Está tramitando pelo Congresso Nacional mais um projeto que revoga a reeleição de Presidente da República, Governador de Estado e Prefeito Municipal.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


PEC das drogas

O que esperar com a sua aprovação?

Autor: Marcelo Aith


PEC do Quinquênio simboliza a metástase dos privilégios no Brasil

Aprovar a PEC significará premiar, sem justificativa plausível, uma determinada categoria.

Autor: Samuel Hanan


O jovem e o voto

Encerrou-se no dia 8 de maio o prazo para que jovens de 16 e 17 anos pudessem se habilitar como eleitores para as eleições municipais deste ano.

Autor: Daniel Medeiros


Um mundo fragmentado

Em fevereiro deste ano completaram-se dois anos desde a invasão russa à Ucrânia.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Leitores em extinção

Ontem, finalmente, tive um dia inteiro de atendimento on-line, na minha casa.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Solidariedade: a Luz de uma tragédia

Todos nós, ou melhor dizendo, a grande maioria de nós, está muito sensibilizado com o que está sendo vivido pela população do Rio Grande do Sul.

Autor: Renata Nascimento


Os fios da liberdade e o resistir da vida

A inferioridade do racismo é observada até nos comentários sobre os cabelos.

Autor: Livia Marques