Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Uma forma e um caso de sucesso sobre como melhorar o “S” na prática de ESG

Uma forma e um caso de sucesso sobre como melhorar o “S” na prática de ESG

07/07/2023 Elisangela Puhl

A satisfação e a qualidade no ambiente de trabalho são cada vez mais ponderadas nas discussões sobre as boas práticas de ESG, especificamente no “S”, de social.

Neste ponto é onde entram, por exemplo, questões como o engajamento e o bem-estar dos funcionários. 

Contudo, alcançar níveis altos de satisfação no ambiente de trabalho tem se tornado um grande desafio para as empresas.

Não adianta mais apenas ter um escritório descolado com uma série de atrativos como sala de descompressão com videogame, jogos de tabuleiro etc. 

Claro que isso também é importante para ajudar a diminuir o stress no dia a dia, estimular a criatividade e aumentar a integração entre os colegas de trabalho, mas é preciso ir além. 

Um recente estudo divulgado pela Gallup sobre o nível de estresse e motivação dos colaboradores em todo o mundo acendeu um sinal de alerta na sociedade: 60% das pessoas trabalham de forma desconectada, sem motivação, apenas para ganhar o salário.

Por outro lado, cada vez mais os benefícios corporativos ganham maior relevância para as organizações atrair e reter talentos.

E, do lado dos funcionários, eles mostram-se fundamentais para os colaboradores se sentirem realmente valorizados e empoderados para poderem escolher o que realmente faz sentido em seus momentos de vida.

Funcionários satisfeitos, geralmente, produzem com mais qualidade, permanecem mais tempo com seus empregadores e tendem a produzir melhores resultados. As ações de ESG e o sentimento dos profissionais são pontos cada vez mais conectados.

Estudos globais feitos pela consultoria MSCI indicam que as organizações com pautas sustentáveis mais maduras têm notas de satisfação dos colaboradores, em média, 14% maiores do que os competidores sem ações práticas nesse quesito. Além disso, essas empresas são 25% mais atraentes para novos talentos. 

Até aqui falei mais de teoria, mas tenho um exemplo prático de como uma gestão eficiente de pessoas pautada pela empatia e respeito aos reais desejos e necessidades dos colaboradores pode, sim, ajudar a melhorar o grau de satisfação da equipe.

A epharma, empresa de gestão de benefícios em medicamentos, que tem cerca de 400 colaboradores, oferece uma ampla gama de benefícios flexíveis e um marketplace virtual para melhorar a experiência tanto de toda a equipe quanto da área de RH.

Segundo pesquisas anuais de clima organizacional, o índice de satisfação dos colaboradores da epharma saltou de 59% em 2020 para 72% em 2021, após a implantação do marketplace de benefícios.

No ano passado, esse número subiu mais ainda, para 75%. Ainda segundo o levantamento da Robert Half, o índice médio nas empresas que oferecem benefícios flexíveis é de 55%.

Já em relação ao nível de aprovação da plataforma digital (em uma escala de 0 a 5), a nota de satisfação dos colaboradores foi de 4,3, em 2021, e 4,6, em 2022. 

Outro fato interessante que as pesquisas apontaram foi que, para novos funcionários, a política de benefícios da epharma, juntamente com a plataforma digital para visualização e escolha de benefícios, foram fatores determinantes para a decisão de começar a trabalhar na epharma. De 0 a 5, em 2021, a nota foi de 4,4 e, no ano passado, a pontuação saltou para 4,8. 

Essa iniciativa da epharma é um exemplo prático de como as empresas podem e devem reforçar sua estratégia de colocar as pessoas no centro da gestão.

Ao fazer isso, as companhias, independentemente do tamanho, estarão fomentando a parte social e cumprindo a prática ESG, de fato. Além disso, estarão melhor preparadas para atrair e reter talentos.

* Elisangela Puhl é cofundadora da startup de RH Tutto.

Para mais informações sobre ESG clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Pólvora Comunicação



Proliferação de municípios, caminho tortuoso

Este é um ano de eleições municipais no Brasil. Serão eleitos 5.570 prefeitos, igual número de vice-prefeitos e milhares de vereadores.

Autor: Samuel Hanan


“Vaquinha virtual” nas eleições de 2024

A campanha para as eleições municipais de 2024 ainda não foi iniciada de fato, mas o financiamento coletivo já está autorizado.

Autor: Wilson Pedroso


Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan


Coração de Stalker

Stalking vem do Inglês e significa Perseguição. Uma perseguição obsessiva, implacável, com envolvimento amoroso e uma tentativa perversa de controle.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Na crise, informação

“Na gestão da crise, é muito importante a informação.” Com esta sentença afirmativa, o governador do Rio Grande do Sul abriu sua participação no Roda Viva, da TV Cultura.

Autor: Glenda Cury


Hiperconectividade: desafio ou poder da geração Alpha?

Qual adulto diante de um enigma tecnológico não recorreu ao jovem mais próximo? Afinal, “eles já nasceram com o celular!”.

Autor: Jacqueline Vargas


Governar não é negar direitos para distribuir favores

Ao se referir a governos, o economista e escritor norte-americano Harry Browne (1917/1986) disse que o governo é bom em uma coisa.

Autor: Samuel Hanan