Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Vale a pena apostar na filantropia!

Vale a pena apostar na filantropia!

23/11/2023 Tomáz de Aquino Rezende

Se você deparasse com a chance de entrar em um fundo de investimentos com retorno financeiro de 979%, encararia a oportunidade?

Refletindo de outra forma, pra ficar mais fácil: se surgisse bem diante dos seus olhos uma oferta de negócio que lhe permitisse ganhar quase dez vezes mais em relação ao valor investido, acreditaria nessa possibilidade a ponto de fazer um aporte financeiro?

Antes que você responda, estou certo de que sua resposta é “sim”! Diante de um retorno desse tamanho, beira a irresponsabilidade ou a loucura não alocar nenhum recurso.

Pois saiba que esse é o tamanho do retorno que as entidades filantrópicas devolvem à sociedade brasileira.

É o que prova o documento ‘A contrapartida do setor filantrópico no Brasil’, elaborado pelo Fórum Nacional das Instituições Filantrópicas (Fonif) a partir de dados oficiais.

Embora as instituições filantrópicas estejam distribuídas somente em 58% dos municípios brasileiros, sua atuação alcança 89% de toda a nossa população.

Mas não se trata apenas de considerar o tamanho da cobertura social. O mais importante é reconhecer a capacidade de multiplicação entre as entidades do 3º setor.

O levantamento do Fonif indica que, para cada um real de imunidade tributária, as instituições devolvem R$ 9,79 – alcançando aquela margem trazida inicialmente.

Portanto, ainda que tenham semelhanças, as palavras utopia e filantropia remetem a universos bastante distantes. As entidades desprezam os próprios limites para transformar a vida de muitas pessoas.

Não há utopia nem tampouco demagogia no trabalho desenvolvido pelo 3º setor. O que se vê, nitidamente, é o resultado de um trabalho de dedicação, promovido por 10.201 instituições filantrópicas, de um total de mais de 27 mil que possuem a Certificação de Entidades Beneficentes de Assistência Social (Cebas) no Brasil.

Todas essas instituições estão distribuídas entre setores-chave para o poder público, como serviços hospitalares, educacionais (tanto creches quanto ensino fundamental), de assistência social e de defesa dos direitos sociais.

Não são os únicos. O levantamento indica outros 102 setores, além das atividades promovidas por organizações religiosas ou filosóficas.

Se por um lado a imunidade conferida ao 3º setor significou uma pequena parcela de 4,3% dos gastos tributários, por outro isso resultou em 230 milhões de procedimentos hospitalares, 778 mil bolsas de estudo concedidas a alunos de baixa renda e à inclusão de 625 mil pessoas em situação de alta vulnerabilidade social, que simplesmente não tinham acesso aos serviços essenciais de responsabilidade do Estado.

Portanto, a filantropia, que tenta superar diuturnamente o crime moral de ser associada a uma caridade excessiva por parte do poder público, é quem retribui o máximo possível os parcos investimentos que recebe das três esferas do poder executivo.

Não é mágica, mas desprendimento e vocação para de fato levar mudanças profundas à sociedade.

Talvez pelo fato de viver em busca de resultados que se apresentam à margem dos interesses político-partidários, seus efeitos não apareçam tanto quanto deveriam.

Mas eles estão por toda a parte, graças a pessoas e a empresas que ainda depositam confiança no 3º setor.

Então reitero a pergunta inicial, mas numa outra perspectiva: quanto deveria ser investido nas transformações sociais encabeçadas pelas filantrópicas? Deixo a reflexão para você.

* Tomáz de Aquino Rezende é especializado em assistência jurídica voltada para entidades sem fins lucrativos.

Para mais informações sobre instituições filantrópicas clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Neoindustrialização e a nova política industrial

Com uma indústria mais produtiva e competitiva, com equilíbrio fiscal, ganha o Brasil e a sociedade.

Autor: Gino Paulucci Jr.


O fim da ‘saidinha’, um avanço

O Senado Federal, finalmente, aprovou o projeto que acaba com a ‘saidinha’ (ou ‘saidão’) que vem colocando nas ruas milhares de detentos, em todo o país, durante os cinco principais feriados do ano.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra