Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Vamos tocar os negócios

Vamos tocar os negócios

13/08/2017 Reinaldo A. Moura

Já é agosto de um ano em que a depressão se consolidou após um longo período de crises e recessões.

Os tempos ainda estão difíceis, sendo assim é melhor deixar de lado a conhecida frase da música “Deixa a vida me levar”, famosa na voz de Zeca Pagodinho e que embalou um país onde deixaram tudo se levar e agora temos que correr atrás do prejuízo.

Estamos nesse momento precisando de atitudes e principalmente de um descolamento da política e da economia. Já é agosto de um ano em que a depressão se consolidou após um longo período de crises e recessões.

Se nada fizermos, já estaremos em 2018 e continuar buscando a causa raiz dessa crise (tal qual em 1929, trouxeram efeitos arrasadores à economia) será chover no molhado. A crise política atrapalhou toda e qualquer possibilidade de crescimento e a situação econômica do País só não foi pior graças ao bom desempenho, com índices positivos e sazonais do agronegócio.

Até o comércio sentiu os efeitos da pior crise dos últimos 100 anos, uma vez que o cliente sumiu! Está endividado, comprando, principalmente, pelo e-commerce, mas a demanda não chega na produção. Busquem por notícias sobre expansões, investimentos ou qualquer tipo de índice de crescimento em qualquer segmento da atividade econômica.

Será bastante difícil de achar, são raras e honrosas exceções, uma vez que o mercado ainda está retraído, esperando, todos os dias, pelo que vai acontecer na política e, consequentemente, na economia.

Um raro exemplo de um desses negócios que vão bem são os Galpões Logísticos, que não estão em crise, ou seja, são bem feitos em local de fácil acesso e mais cedo do que se imagina vem o “flight to quality”, que é uma mudança no tipo de investimentos perseguidos pelos agentes do mercado em períodos de crise ou instabilidade econômica.

Sendo assim, nesses períodos, investidores preferem “mover” seu capital para ativos considerados mais seguros e vender ativos mais “arriscados”. Podem ser exemplos de “flight to quality” a troca de investimentos em ações de empresas por títulos do governo ou ainda a venda de ativos em países mais instáveis para economias mais sólidas e menos voláteis.

O restante do mercado espera pela recuperação, o Banco Central, na pessoa de seu presidente, Ilan Goldfajn, afirma que a economia brasileira, embora fraca, está em recuperação e tem previsão de crescimento de 2% para 2018. Mas será que podemos esperar até lá?

A resposta é não! Precisamos, mesmo que devagar, procurar nosso crescimento e, consequentemente, o crescimento da economia nacional. De acordo com nossa filosofia: “Algo tem que ser feito, parado é que não se pode ficar”.

* Reinaldo A. Moura é engenheiro e mestre em Ciências e Engenharia de Produção pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo e fundador do Grupo IMAM entidade dedicada ao treinamento de curta duração.



Liderança desengajada é obstáculo para uma gestão de mudanças eficaz

O mundo tem experimentado transformações como nunca antes, impulsionadas por inovações tecnológicas, crises econômicas e transições geracionais, dentre outros acontecimentos.

Autor: Francisco Loureiro


Neoindustrialização e a nova política industrial

Com uma indústria mais produtiva e competitiva, com equilíbrio fiscal, ganha o Brasil e a sociedade.

Autor: Gino Paulucci Jr.


O fim da ‘saidinha’, um avanço

O Senado Federal, finalmente, aprovou o projeto que acaba com a ‘saidinha’ (ou ‘saidão’) que vem colocando nas ruas milhares de detentos, em todo o país, durante os cinco principais feriados do ano.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli