Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Vamos trabalhar por mais saúde

Vamos trabalhar por mais saúde

29/01/2014 Antônio Carlos Lopes

Desde o início do programa Mais Médicos, do Governo Federal, criticamos a proposta de se colocar profissionais sem comprovação de competência para atendimento à população.

Nosso entendimento é de que o povo brasileiro merece toda a segurança na assistência à saúde. Portanto, é imperioso que todo e qualquer médico, seja ele do Brasil ou do exterior, precise demonstrar aptidão para exercer a medicina antes de começar a trabalhar.

No caso dos formados fora do país, essa comprovação se dá pela prova de revalidação de diplomas. Se o profissional não se submeter ao exame, nunca teremos certeza de que é de fato qualificado para atender à comunidade. Também não aceitamos a forma como esses estrangeiros, em particular os cubanos, vêm sendo tratados. Ganham muito pouco, ficam confinados em um lugar, sendo que suas famílias recebem R$ 1.200,00 e o restante fica com o governo de Cuba.

Reafirmamos, então, todas as nossas críticas, pois são conteúdo para reflexão. Certamente podem ajudar a corrigir distorções ou a aperfeiçoar ações futuras. Como cidadãos, jamais viraremos as costas para a forma como os pacientes estão sendo tratados hoje no Brasil. Os médicos encontram dificuldades para o adequado exercício da profissão, por falta de infraestrutura, o que se reflete no atendimento. A não atenção aos pacientes caracteriza falta de cidadania, de humanismo, além de elitismo.

Então, já que temos o programa Mais Médicos como fato consumado, entendemos que precisamos atuar para que ele dê certo, ao mesmo tempo em que tentamos convencer os responsáveis a corrigir os inúmeros equívocos. Não podemos passar a vida inteira somente criticando. Se não há infraestrutura, trabalhemos para construí-la, para melhorá-la. Se ainda não possuímos preceptores para acompanhar as atividades dos recém-graduados nos rincões do país, que busquemos fazê-lo, por exemplo, por meio eletrônico.

O momento é de pensar, de repensar, e de agir com responsabilidade e humildade. A cidadania deve prevalecer, assim como os saudáveis fundamentos da medicina. É necessário abdicar das vaidades. Ou caminhamos nesse sentido ou não estamos realmente preocupados com a comunidade. O que devemos garantir, fundamentalmente, é que a população seja atendida em suas demandas de saúde. Afinal, é um direito da população e um dever do Estado, como sufragado na Constituição Federal, apesar do desrespeito à classe médica brasileira.

*Antonio Carlos Lopes, presidente da Sociedade Brasileira de Clínica Médica.



Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso