Portal O Debate
Grupo WhatsApp

VAR e os lances polêmicos: acabaram os problemas?

VAR e os lances polêmicos: acabaram os problemas?

27/08/2019 João Antonio Rufato

As polêmicas em arbitragem no futebol se confundem com a sua história.

É praticamente impossível em uma roda de discussão sobre o tema não aparecer o assunto arbitragem e seus resultados e, ao final da conversa, possivelmente não haver consenso sobre o tema, principalmente entre os torcedores mais apaixonados.

Mas agora, vejam só, temos uma novidade! Um sistema inovador: a solução para reafirmar e corrigir as dúvidas e questionamentos que permeiam o meio futebolístico.

Pautado pela lógica de diminuição de conflitos e para que se estabeleça o critério mais justo possível nos resultados, o campeonato brasileiro de futebol tem se utilizado de uma nova tecnologia, que visa elucidar as possíveis dúvidas e correções de erros: o árbitro assistente de vídeo, o já popular VAR.

Sistemas de alto custo que são os olhos que os árbitros não têm e que já eram utilizados em vários lugares ao redor do mundo agora operam em terras brasileiras.

A Confederação Brasileira de Futebol, em parceria com os clubes participantes do campeonato brasileiro, implementou este ano a nova medida.

Vale dizer que toda uma estrutura logística, de capacitação e muito treinamento acompanham o pacote.

A partir de agora, as discussões acaloradas serão mais amenas? Muitos chegaram a acreditar que os problemas acabariam como num passe de mágica.

Grande ilusão! Pelo que parece, os problemas continuaram e até mesmo se intensificaram. Depois de algumas rodadas com o sistema em operação, o que era só empolgação passa a ser para alguns um tanto de frustração, incluindo aí torcedores, jogadores e técnicos.

Já é tempo suficiente para uma avaliação, mesmo que inicial, de como o público do futebol tem recebido a novidade, assim como as avaliações feitas por técnicos e jogadores.

Pelo que se percebe, a melhoria das respostas de arbitragem, mesmo com toda essa tecnologia, ainda tem sido pequena e deixado a desejar, pelo menos do ponto de vista do torcedor.

O esporte, com suas caraterísticas próprias, carrega em sua essência a motivação nas pessoas em defender, criticar, opinar e até propor mudanças no sistema de jogo, nas escalações e inclusive na escolha de técnicos, com a capacidade de ver falta, pênalti, impedimentos e gols onde existiu e também onde não existiu.

Em se falando de futebol, isso se dá de forma muito mais intensa, pois além de envolver a prática esportiva em si, as discussões vêm permeadas das paixões compostas pelas cores de seus times.

O momento agora é de acompanhar os próximos passos para então avaliarmos se a tecnologia vai mesmo acalmar os ânimos e efetivamente cumprir o que se propôs.

Ou se os árbitros, utilizando dessa ferramenta, vão continuar os mesmos, decidindo por sua conta e risco e com seus próprios olhos, aqueles mesmos que não veem.

Assim como os torcedores que, vendo o que a imagem não mostrou, seguirão na defesa de seus times, mantendo assim a grande mágica do futebol: a paixão e a defesa incontestável das cores de seu pavilhão.

* João Antonio Rufato é professor especialista nos cursos de Licenciatura e Bacharelado em Educação Física do Centro Universitário Internacional Uninter.

Fonte: Pg1 Comunicação



Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso


Um novo e desafiador ano

Janeiro passou. Agora, conseguimos ter uma ideia melhor do que 2024 reserva para o setor de telecomunicações, um dos pilares mais dinâmicos e relevante da economia.

Autor: Rafael Siqueira


Desafios da proteção de dados e a fraude na saúde

Segundo o Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) R$ 34 bilhões dos gastos das operadoras médico-hospitalares com contas e exames, em 2022, foram consumidos indevidamente por fraudes, como, por exemplo, reembolso sem desembolso, além de desperdícios com procedimentos desnecessários no país.

Autor: Claudia Machado


Os avanços tecnológicos e as perspectivas para profissionais da área tributária

Não é de hoje que a transformação digital vem impactando diversas profissões.

Autor: Fernando Silvestre


Inteligência Artificial Generativa e o investimento em pesquisa no Brasil

Nos últimos meses, temos testemunhado avanços significativos na área da inteligência artificial (IA), especialmente com o surgimento da inteligência artificial generativa.

Autor: Celso Hartmann


Oppenheimer e Prometeu

Quando eu saí do cinema após ter visto “Oppenheimer” a primeira vez, falei para meu filho: “É Oscar de Melhor Filme, Melhor Ator, Melhor Ator Coadjuvante”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Interferência política e a desvalorização da Petrobras

Recentemente, o presidente Lula chamou o mercado de voraz por causa das quedas no valor das ações da Petrobras equivalentes a aproximadamente 60 bilhões de reais.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins