Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Vencendo o preconceito para ouvir melhor

Vencendo o preconceito para ouvir melhor

14/03/2016 Isabela Papera

É fato: apenas 40% das pessoas com perda de audição reconhecem que ouvem mal.

Vencendo o preconceito para ouvir melhor

O preconceito, junto com a falta de informação, faz com que a maioria que sofre do problema demore vários anos para tomar uma providência.

O que é lamentável, porque a perda auditiva é cumulativa e, se nada for feito a tempo, a dificuldade para ouvir será cada vez maior.

A realidade é que nas ruas não faltam homens e mulheres de todas as idades usando óculos, mas no caso da deficiência auditiva, persiste uma grande resistência em usar aparelhos nos ouvidos.

E por que isso acontece? Porque a maioria desconhece os avanços tecnológicos que permitiram a criação de aparelhos auditivos minúsculos ou até mesmo invisíveis, os intra-auriculares.

Indivíduos com problemas de audição tendem a se isolar do convívio social, podendo até mesmo chegar à depressão. Têm dificuldades de relacionamento na família, no trabalho e entre amigos.

O que ocorre é um constrangimento, de ambas as partes, devido à embaraços na comunicação. Falar sobre deficiência auditiva nunca é fácil, porque poucos têm coragem de admitir a surdez.

Familiares e amigos podem oferecer um apoio importante. À medida em que você envelhece, as células ciliadas do ouvido interno começam a se degenerar. Algumas pessoas perdem a audição mais cedo do que outras.

Muitos já começam a sentir o problema quando estão na "faixa" dos 40 anos. Pesquisas revelam que um em cada cinco adultos com mais de 40 anos e mais da metade de todas as pessoas com idade acima de 80 anos sofrem de perda auditiva.

Segundo a Sociedade Brasileira de Otologia, 25 milhões de brasileiros têm dificuldades para ouvir. Além de uma exposição contínua a ruídos – seja no trabalho, nas ruas ou em casa –, outros fatores podem levar à perda de audição: doenças congênitas ou adquiridas, traumas, uso de medicamentos ototóxicos e idade avançada.

No caso dos idosos, o déficit auditivo pode ocorrer por causa de mudanças degenerativas naturais do envelhecimento, chamadas de presbiacusia. A maioria das pessoas começa a perder a audição quando há um declínio na sua capacidade de ouvir sons de alta frequência (uma conversação contém sons de alta frequência).

Portanto, o primeiro sinal de presbiacusia pode ser a dificuldade de ouvir o que as pessoas dizem para você. Infelizmente, muitas vezes, quando o indivíduo procura tratamento, o caso já está mais grave.

A perda se dá de maneira lenta e progressiva e, com o decorrer dos anos, a deficiência atinge estágios mais avançados. Ao sentir alguma dificuldade para ouvir, é importante consultar logo um médico otorrinolaringologista que irá avaliar a causa, o tipo e o grau da perda auditiva.

A partir do resultado de testes como o de audiometria, será indicado o tratamento mais adequado e, muitas vezes, o uso de prótese auditiva resolve o problema.

Cabe aos fonoaudiólogos indicar qual tipo e modelo de aparelho atenderá as necessidades do deficiente auditivo.

O aparelho será então regulado para tornar os sons audíveis para o paciente. Não há demérito algum em usar uma prótese auditiva, já que atualmente existem aparelhos com design moderno, como os da Telex, com tecnologia digital, que não causam constrangimento para quem os usa.

Então, por que não fazer uso dessa tecnologia e voltar a ouvir com clareza, sentindo-se mais confiante para conversar com os familiares e colegas de trabalho?

O aparelho auditivo devolve a autoestima, proporcionando bem-estar, liberdade, alegria e qualidade de vida!

* Isabela Papera é fonoaudióloga da Telex Soluções Auditivas.



A tragédia já foi. E agora?

Impossível não se sensibilizar e chocar com a situação do Rio Grande do Sul, atingido por chuvas sem precedentes que causaram inundações em grande parte do estado, da capital ao interior.

Autor: Janguiê Diniz


O preconceito que condena

O programa Fantástico da Rede Globo trouxe mais uma história de injustiça cometida pelo Poder Judiciário brasileiro contra um jovem preto e periférico.

Autor: Marcelo Aith


O risco de politização da tragédia no RS

O Brasil todo tem assistido, consternado, ao desastre ambiental que se abateu sobre o Rio Grande do Sul nos últimos dias.

Autor: Wilson Pedroso


Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O final de Abril e o começo de Maio foram marcados pelo pior desastre ecológico da história do Rio Grande do Sul, com inundações, mortes e milhares de desabrigados e de pessoas ilhadas.

Autor: Marco Antonio Spinelli

Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O fim da reeleição de governantes

Está tramitando pelo Congresso Nacional mais um projeto que revoga a reeleição de Presidente da República, Governador de Estado e Prefeito Municipal.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


PEC das drogas

O que esperar com a sua aprovação?

Autor: Marcelo Aith


PEC do Quinquênio simboliza a metástase dos privilégios no Brasil

Aprovar a PEC significará premiar, sem justificativa plausível, uma determinada categoria.

Autor: Samuel Hanan


O jovem e o voto

Encerrou-se no dia 8 de maio o prazo para que jovens de 16 e 17 anos pudessem se habilitar como eleitores para as eleições municipais deste ano.

Autor: Daniel Medeiros


Um mundo fragmentado

Em fevereiro deste ano completaram-se dois anos desde a invasão russa à Ucrânia.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Leitores em extinção

Ontem, finalmente, tive um dia inteiro de atendimento on-line, na minha casa.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Solidariedade: a Luz de uma tragédia

Todos nós, ou melhor dizendo, a grande maioria de nós, está muito sensibilizado com o que está sendo vivido pela população do Rio Grande do Sul.

Autor: Renata Nascimento


Os fios da liberdade e o resistir da vida

A inferioridade do racismo é observada até nos comentários sobre os cabelos.

Autor: Livia Marques