Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Vencida a crise econômica. E a social?

Vencida a crise econômica. E a social?

07/09/2009 Dirceu Cardoso Gonçalves

Duas notícias se contrapõem. O Brasil é visto como exemplo por especialistas que o consideram vitorioso na crise econômica internacional, deflagrada há um ano, saindo da tormenta maior do que entrou.

De outro lado, o Japão, tido como modelo de recuperação econômica no pós-guerra, vê ruir o sua estabilidade, e o Partido Liberal Democrata (PLD), no poder há 54 anos, sofre fragorosa derrota eleitoral, também decorrente da crise internacional. Nós, brasileiros, principalmente em razão do dinamismo empresariado nacional, podemos nos orgulhar ao ver nosso país sair-se bem no cenário econômico mundial, receber elogios dos maiores especialistas da área e alentar a previsão de crescimento ao redor dos 5% nos próximos anos. Isso demonstra que o governo e a sociedade “fizeram a lição de casa” e tiveram boas condições para enfrentar a tormenta que se abateu sobre todos os países, especialmente nas grandes potências. Mas, ao olharmos para nosso próprio umbigo, vemos muitos motivos de preocupação. Mesmo aparecendo bem no retrato da economia internacional, o Brasil possui uma elevadíssima dívida social com a população.

O mesmo governo, que demonstra ser capaz de domar o monstro das finanças externas, não consegue administrar a segurança pública, a saúde, a educação, o desemprego e outros ítens essenciais, que influem diretamente na qualidade de vida do povo. Viver está cada dia mais difícil. Vastas áreas das cidades – setores sucateados do centro, bairros periféricos e favelas – são dominadas pelo crime organizado que assumiu o controle no lugar do Estado ausente. O setor prisional é insuficiente para abrigar todos os apenados pela Justiça e, ainda, é dominado por facções criminosas, que desafiam e fazem curvar a autoridade. A saúde pública é uma farsa que, apesar de altos investimentos, serve apenas para sustentar a publicidade oficial e constitui franco incentivo à proliferação de planos privados de saúde que, na maioria das vezes, também não cumprem suas finalidades.

A educação vive a maior crise já conhecida, com a falta de definição pedagógica e, principalmente, o divórcio completo entre o aluno – cada dia mais rebelde e desinteressado – e o professor despreparado e amedrontado diante dos novos desafios. O emprego falta para imensas legiões de cidadãos. Esse Brasil exemplo aos demais países – no enfrentamento da crise econômica – precisa fazer algo para evitar continuar sendo aquela boa figura externa e, ao mesmo tempo, algoz de seu próprio povo. Além de segurança, saúde e educação, pode-se acrescer, como problemas carentes de solução urgente, a crise dos salários dos aposentados, o financiamento das campanhas eleitorais e a exibilidade de decência e honestidade dos homens públicos cuja imagem nunca esteve tão conspurcada quanto nos últimos tempos. Talvez seja o caso do Brasil ensinar aos outros países (especialmente o Japão) como se dribla a crise econômica e procurar, com eles aprender, noções básicas de como se trata bem e com respeito o povo e, principalmente, como se mantém a dignidade e a lisura do poder. Pode-se chegar a um excelente escambo...

*Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves – dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)



Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Como a integração entre indústria e universidade pode trazer benefícios

A parceria entre instituições de ensino e a indústria na área de pesquisa científica é uma prática consolidada no mercado que já rendeu diversas inovações em áreas como TI e farmacêutica.

Autor: Thiago Turcato


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso


Um novo e desafiador ano

Janeiro passou. Agora, conseguimos ter uma ideia melhor do que 2024 reserva para o setor de telecomunicações, um dos pilares mais dinâmicos e relevante da economia.

Autor: Rafael Siqueira