Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Venezuela: dos petrodólares ao desastre humanitário

Venezuela: dos petrodólares ao desastre humanitário

18/08/2018 João Alfredo Lopes Nyegray

Milhares de venezuelanos têm fugido para os países fronteiriços, como Colômbia e Brasil.

Uma das economias mais desenvolvidas da América Latina, nosso vizinho ao norte, enfrenta grandes problemas há pelo menos 9 anos. Para entendermos a situação atual da Venezuela, devemos retroceder a 1999, quando Hugo Rafael Chávez Frias elege-se presidente e convoca – com apoio popular – uma Assembleia Constituinte.

Não que, àquela época, o país fosse um modelo de governo e gestão econômica: às sombras com inflação elevada e grande parte da população abaixo da linha da pobreza, a riqueza da exportação de petróleo certamente não era bem distribuída. Foi aproximadamente em 2005 que Chávez batizou sua estratégia de governo de “socialismo do século XXI”.

Reeleito em 2006, seu terceiro mandato iniciou-se em 2007, e a falta de itens diários começou a dar sinais logo depois. Em 2009, o presidente venezuelano estatizou bancos e dezenas de empresas privadas. Por azar, o preço do barril de petróleo – responsável por 90% das exportações daquele país – iniciou sua queda logo na sequência. Ainda que, dois anos depois, o preço do barril tenha novamente passado dos cem dólares, nada se compara aos mais de 130 de 2008.

Essa oscilação, somada às políticas “socialistas do século XXI”, são algumas das grandes responsáveis pela crise econômica da Venezuela, que produz muito pouco dos alimentos e itens de que necessita, tendo sempre confiado nos lucros da exportação petrolífera para adquirir produtos e arrecadar tributos.

Chávez faleceu em 2013 e, desde então, o país é governado por Nicolás Maduro, seu vice. A presidência de Maduro tem sido marcada por miséria, fome, criminalidade, hiperinflação e escassez generalizada. O estado de emergência declarado em 2014 não melhorou as coisas. Protestos tornaram-se cotidianos, vindos até mesmo de membros do próprio partido de Maduro.

Nos últimos quatro anos, conforme demonstra um impactante relatório da Comissão Interamericana de Direitos Humanos, foram mais de 12 mil prisões arbitrárias, nas quais tratamento desumano e degradante não foi exceção. Com tudo isso, Maduro se reelegeu em maio de 2018, num pleito bastante contestado, seja por sua veracidade, seja por sua legitimidade.

Como apontou Helio Gurovitz, o direito a voto tem sido manipulado segundo a conveniência do governo. Nesse caldeirão de desastres humanos, econômicos e políticos, milhares de venezuelanos têm fugido para os países fronteiriços, como Colômbia e Brasil.

Por fim, soube-se recentemente que Donald Trump teria cogitado uma intervenção militar na Venezuela. Seria uma intervenção estrangeira a saída? Certamente não, e por diversos motivos. O primeiro deles é a igualdade jurídica entre as nações, que nos leva a concluir que qualquer intervenção unilateral, à luz do capítulo VII da Carta da ONU – e também da Carta da OEA –, trata-se de ameaça contra a integridade territorial e independência política de um país.

O segundo motivo é justamente a não-intervenção. Muitos venezuelanos inocentes já padeceram, e não se pode piorar justamente o que tentamos evitar. Por pior que esteja a situação do nosso vizinho, não podemos nos intrometer em assuntos internos, sendo a liberdade soberana um princípio norteador do Direito Internacional. Unilateralmente, o que se pode fazer é enviar ajuda humanitária e apoiar os refugiados, o que já temos feito.

* João Alfredo Lopes Nyegray é doutorando em Estratégia, advogado e bacharel em Relações Internacionais. É professor da Universidade Positivo (UP).

Fonte: Central Press



A angústia da inovação

Inovação é a bola da vez.


A importância da Cultura Organizacional para a Transformação Digital

A Transformação Digital é uma realidade. Mais do que isso, a tecnologia já é um fator imprescindível para os negócios, acelerando e alterando completamente as atividades de empresas de todos os segmentos.


Os limites da ciência e o renascer da filosofia

A palavra “filosofia” vem da junção de duas palavras gregas: philo (amizade, amor) e sofhia (saber, sabedoria). Logo, filosofia é o amor ao saber.


Inovação alinhada à computação em nuvem e segurança da informação na economia de Minas Gerais

O Estado de Minas Gerais possui a terceira maior participação na economia brasileira, atrás apenas de Rio de Janeiro e São Paulo.


Por que a Lei de proteção de dados é bem-vinda nos dias atuais?

Nestes últimos dias você provavelmente ouviu falar sobre a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), a legislação brasileira que regula o tratamento de dados pessoais no Brasil.


Pandemia deve intensificar transações de M&A no ensino superior privado no Brasil

O uso recorrente da tecnologia das comunicações on-line deve acelerar o processo de seleção natural corporativa na educação.


Que saudades de gritar “gol” no estádio

A maior lacuna que a ausência de público deixa no espetáculo futebolístico é a sonora.

Que saudades de gritar “gol” no estádio

Soluções sustentáveis para impulsionar a economia

Em grego, oikos (eco) significa casa e nomos (nomia) significa lei/ordem.


Aos mestres, com carinho, nossa gratidão!

“Vivemos um tempo atípico” e “Precisamos nos reinventar” são algumas das frases mais pronunciadas nesses últimos meses.


Como a crise ajudou na popularização do Bitcoin?

Com a notícia da pandemia do coronavírus todo o mercado de investimentos tradicional e digital foi impactado com a notícia.


O receio de opinar

Antes de me aposentar, prestei serviço em empresa, que possuía e possui, milhares de trabalhadores.


Uso consciente do crédito pode ajudar a girar o motor da economia

Muita gente torce o nariz quando o assunto é tomar empréstimo, pois quem precisa de crédito pode acabar não conseguindo honrar essa dívida, tornando esse saldo devedor uma bola de neve.