Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Vigilância para preservar a história

Vigilância para preservar a história

15/10/2013 Paulo Vaz

É possível determinar tendências e agir de forma rápida contra as ações suspeitas, criminosas ou de vandalismo.

Recentemente, manifestantes que protestavam contra a demarcação de terras indígenas no país picharam e jogaram tinta no Monumento às Bandeiras, um dos cartões-postais da cidade de São Paulo, localizado na zona sul, em frente ao Parque do Ibirapuera.

Agora, a obra do escultor Victor Brecheret, inaugurada em 1953, terá que passar por um cuidadoso processo de limpeza e restauro para que seja completamente recuperada. Independente das causas que impulsionam tais protestos, se legítimas ou não, chama a atenção o fato da vulnerabilidade de trabalhos artísticos e monumentos históricos localizados em vias públicas e centros urbanos, palco de manifestações.

São esculturas e construções, muitas vezes com séculos de vida, que enriquecem e ajudam a contar a história do lugar de que fazem parte. Danificar um patrimônio destes é crime, mas como identificar os autores de tamanho vandalismo? Impossibilitados de manter seguranças durante período integral e em todos os lugares, os municípios estão aderindo cada vez mais ao uso de tecnologias, como câmeras de vigilância, que possam inibir e até conter atos de destruição.

Em Minas Gerais, por exemplo, já se pensa na instalação de câmeras de alta definição nas ruas de cidades históricas e próximas às principais obras e atrações turísticas. Entre as soluções disponíveis no mercado, existem tecnologias extremamente eficientes. São câmeras de altíssima definição, que, entre outras aplicações, permitem a identificação em tempo real de atitudes suspeitas, invasões, identificação de pessoas e veículos. Elas integram as informações captadas com os centros de controle e departamentos policiais, e assim sinalizam as ocorrências, não apenas fazem imagens.

São ferramentas como essas que podem contribuir para tornar as cidades mais inteligentes e seguras. Outros sistemas de monitoramento inteligente, que vão além dos conhecidos CFTVs (Circuito Fechado de Câmeras), representam o que há de mais novo no segmento. Eles são capazes de gerar alertas de situações ocorridas em locais cobertos por câmeras ou outros tipos de sensores, mesmo sem um operador estar visualizando a imagem no momento do fato, classificando os eventos em criticidade, zona e frequência, permitindo o despacho imediato de ações e unidades de atendimento, e posteriormente, uma investigação do evento correlacionado.

Desta forma é possível determinar tendências e agir de forma rápida contra as ações suspeitas, criminosas ou de vandalismo. Amplamente utilizadas na América do Norte, Europa e Oriente Médio, onde qualquer ameaça precisa ser rapidamente identificada e combatida, as câmeras e sistemas inteligentes de monitoramento se mostram cada vez mais necessárias e úteis, por serem uma forma não ostensiva de vigilância e proteção, ajudando a manter a ordem e segurança do patrimônio público e da população em geral.

* Paulo Vaz – Diretor de Desenvolvimento de Novos Negócios do Ergos Group.



As histórias que o padre conta

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Autor: Dimas Künsch


Vulnerabilidades masculinas: o tema proibido

É desafiador para mim escrever sobre este tema, já que sou um gênero feminino ainda que com certa energia masculina dentro de mim, aliás como todos os seres, que tem ambas as energias dentro de si, feminina e masculina.

Autor: Viviane Gago


Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes