Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Violência

Violência

10/08/2017 Bady Curi Neto

A violência que assola o país virou fato cotidiano.

A maioria da população brasileira não se assusta mais. Passou a ser corriqueiro nas páginas de jornais e na televisão, podendo ser tratada até como um fato trivial, como se fossemos acostumados e obrigados a conviver diuturnamente com assaltos, homicídios, latrocínios e outros tipos penais.

O Brasil está entre os vinte países mais violentos do mundo, sendo que das 50 cidades mais violentas nosso país possui 19 delas, segundo o Global Peace Index 2017. No Rio de Janeiro, em suas favelas, hoje chamadas de comunidades, é habitual a troca de tiros entre policiais e traficantes, que acaba, vez por outra, com a morte, por bala perdida, de inocentes, pessoas obreiras que lá residem pela pouca condição financeira, e tornam-se reféns desta violência descomedida.

A bandidagem não utiliza mais revólveres e pistolas, está fortemente armada com fuzis de alto calibre e alcance, fazendo com que as trocas de tiros com policiais se tornem cada vez mais distantes, em um verdadeiro campo de guerra. A média de policiais mortos no Brasil é de um a cada 32 horas, importante destacar que vários deles não estão nem a serviço, são mortos pelo simples fato de serem policiais.

Em várias capitais do país os policiais não voltam para casa fardados com medo de serem identificados e alvejados por criminosos. Entre 2011 e 2015, a violência no Brasil matou mais pessoas que a Guerra na Síria, segundo dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP). Evidente que por traz da violência está a falta de oportunidades (escola, educação, saúde, etc.) aos menos favorecidos, que veem no crime uma maneira mais fácil de sobrevivência.

Deve-se, por óbvio, atacar a causa, mas também conter as consequências. Pergunta-se: O problema não tem solução a curto prazo? Continuaremos a viver em uma guerra civil que os governantes insistem em negar, apesar dos números de óbitos e da violência? Tem-se de dar fim a este cinismo em prol da segurança pública. Não é possível ver e conviver com policiais e pessoas inocentes sendo mortas em razão da alta criminalidade que assola o país.

Não podemos assistir pela televisão bandidos fortemente armados impondo suas próprias leis em comunidades carentes, o Estado deve estar presente em todos os locais e comunidades. Tem-se que assumir que vivemos em uma guerra civil entre a criminalidade e pessoas obreiras. Deve-se dar um basta nos falsos direitos humanos, que jamais preocupam-se com a vítima ou com os policiais, apenas com os malfeitores.

O que fazer? Além do óbvio, que é o aumento do policiamento em estradas, ruas e fronteiras, e a permissão de uma atuação policial mais efetiva. Se uma emissora de televisão consegue filmar bandidos fortemente armados, desfilando com fuzis, porque esperar o enfrentamento policial a distância, colocando em risco a vida da população e dos próprios policiais, com trocas de tiros a quilômetros de distância e não permitir que sejam alvejados por atiradores de elite?

Quando a bandidagem atenta contra a vida de um policial, ela atenta contra a vida de qualquer cidadão desprotegido de defesa. Ou reconhecemos que estamos em uma guerra civil e permitimos que o Estado aja nesta circunstância ou estaremos fadados a reconhecer o crime como algo natural.

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG).



Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho


O suposto golpe. É preciso provas…

Somos contrários a toda e qualquer solução de força, especialmente ao rompimento da ordem constitucional e dos parâmetros da democracia.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Oportunidade de marketing ou marketing oportunista?

No carnaval de 2024, foi postada a notícia sobre o "Brahma Phone" onde serão distribuídas 800 unidades de celulares antigos para os participantes das festas de carnaval.

Autor: Patricia Punder