Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Violência não letal: um mal silencioso

Violência não letal: um mal silencioso

26/04/2024 Melissa Paula

A violência não letal, aquela que não culmina em morte, não para de crescer no Brasil.

Entre 2018 e 2022 houve um aumento de 19% nas ocorrências de todos os tipos de violência não letal, entre elas a violência patrimonial, sexual, física, psicológica e moral.

E a estatística fica ainda pior. Se contabilizarmos a última década, chegamos ao impressionante crescimento de 92% no número de ocorrências. Seria a violência não letal um mal silencioso do Brasil?

Fato é que as violências que possuem um fim mais trágico chegam ao noticiário de forma mais incisiva, mas também precisamos falar sobre os traumas comportamentais que as mulheres que sofrem algum tipo de violência carregam consigo.

As cicatrizes, sejam elas visíveis ou não, também moldam o comportamento de uma sociedade que convive diariamente com vítimas da violência patrimonial mesmo sem saber. 

De acordo com o estudo do Instituto Igarapé, a violência patrimonial é a que mais tem crescido. A cada 100 mulheres, 6 sofreram com violações relacionadas a bens e finanças em 2022.

São milhares de mulheres que tiveram seus bens destruídos, recursos econômicos furtados, controlados e restringidos. E eu já fui vítima disso.

Curiosamente, quando se trata de violência, essa é uma das últimas formas de violação que lembramos, mas que é capaz de aniquilar perspectivas de uma reconstrução de vida segura e de seguir adiante de forma digna.

Se as pessoas soubessem que esse tipo de violação que elas sofrem também é enquadrado enquanto violência contra a mulher, os números seriam ainda mais alarmantes. E isso também é nosso papel.

Eis o meu veredicto: a violência patrimonial é uma entrada para a violência física. Pelo ‘patrimônio’ tira-se a segurança.

O mexer com o psicológico a partir do controle das conquistas e recursos que podem tornar uma mulher independente é uma das primeiras violações que os agressores cometem contra nós.

E daí a mulher se vê sem apoio, sem teto, sem o acesso a direitos básicos. Sem moradia, higiene, saúde. Sem confiança e recursos - ficam vulneráveis -, o que por si só já é alarmante.

Em seguida, novos tipos de violência passam a fazer parte da relação. Com a mente e recursos aniquilados, fugir desse tipo de situação parece como a saída de um labirinto.

O caminho para facilitar esse percurso, então, passa pela publicidade dos fatos. Pela ampla divulgação desses casos, que até então não são conhecidos pela maioria dos brasileiros.

É por fazer conhecer que a violência contra a mulher é combatida. E que exista encorajamento, combate, luta e vitória. 

Que existam comissões parlamentares efetivas, que existam pessoas dispostas a falar sobre o assunto e verbas direcionadas à reconstrução dessas mulheres em cada canto do país.

Que o público, o privado e a sociedade civil estejam alinhados em como combater esse mal sistêmico que é a violência contra a mulher no Brasil.

* Melissa Paula é empreendedora, palestrante e âncora do Programa Saber Viver.

Para mais informações sobre violência clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Naves Coelho Comunicação



A tragédia já foi. E agora?

Impossível não se sensibilizar e chocar com a situação do Rio Grande do Sul, atingido por chuvas sem precedentes que causaram inundações em grande parte do estado, da capital ao interior.

Autor: Janguiê Diniz


O preconceito que condena

O programa Fantástico da Rede Globo trouxe mais uma história de injustiça cometida pelo Poder Judiciário brasileiro contra um jovem preto e periférico.

Autor: Marcelo Aith


O risco de politização da tragédia no RS

O Brasil todo tem assistido, consternado, ao desastre ambiental que se abateu sobre o Rio Grande do Sul nos últimos dias.

Autor: Wilson Pedroso


Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O final de Abril e o começo de Maio foram marcados pelo pior desastre ecológico da história do Rio Grande do Sul, com inundações, mortes e milhares de desabrigados e de pessoas ilhadas.

Autor: Marco Antonio Spinelli

Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O fim da reeleição de governantes

Está tramitando pelo Congresso Nacional mais um projeto que revoga a reeleição de Presidente da República, Governador de Estado e Prefeito Municipal.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


PEC das drogas

O que esperar com a sua aprovação?

Autor: Marcelo Aith


PEC do Quinquênio simboliza a metástase dos privilégios no Brasil

Aprovar a PEC significará premiar, sem justificativa plausível, uma determinada categoria.

Autor: Samuel Hanan


O jovem e o voto

Encerrou-se no dia 8 de maio o prazo para que jovens de 16 e 17 anos pudessem se habilitar como eleitores para as eleições municipais deste ano.

Autor: Daniel Medeiros


Um mundo fragmentado

Em fevereiro deste ano completaram-se dois anos desde a invasão russa à Ucrânia.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Leitores em extinção

Ontem, finalmente, tive um dia inteiro de atendimento on-line, na minha casa.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Solidariedade: a Luz de uma tragédia

Todos nós, ou melhor dizendo, a grande maioria de nós, está muito sensibilizado com o que está sendo vivido pela população do Rio Grande do Sul.

Autor: Renata Nascimento


Os fios da liberdade e o resistir da vida

A inferioridade do racismo é observada até nos comentários sobre os cabelos.

Autor: Livia Marques