Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Virando a mesa na vida profissional

Virando a mesa na vida profissional

11/03/2011 Ana Maria Ferraz de Campos

Então ela entrou eufórica em minha sala de atendimento, me mostrando umas folhas que, segundo ela, traduziam exatamente o que sentia naquele momento. O titulo da matéria encontrada num blog era: “Why I hate my job” (Porque odeio meu trabalho).

“Não é possível prosseguir por mais 10 anos de minha vida acordando, me arrumando toda bonita, cheirosa e estacionando na porta daquele manicômio!”, disse. “Eu quero uma mudança radical. Quero reprogramar; ter um objetivo válido para meu momento atual. Será que não posso ser feliz?”.

Claro que é possível ser feliz e exercer uma atividade mais compatível com seu estilo e necessidades pessoais. Mas a maioria das pessoas não sabe como.

Criar metas profissionais para um início de ano ou em qualquer época da vida permite que realmente surjam raios de esperança quando tudo parece perdido. Não basta só reclamar ou se identificar com insatisfações semelhantes às suas. É importante saber o que se quer, levando em conta seus valores e o que é muito importante pra você. Não o que é “bom” pra todo mundo.

Você deve se perguntar o que gosta e acredita ser viável para sua vida profissional ou as coisas que valoriza em sua vida pessoal. Isso valida necessidades e critérios pessoais.

Explore intensamente. Imagine-se no futuro, possuindo, fazendo e sendo aquilo que em algum momento já sonhou. Cuide para não deixar de lado dados de realidade: abandonar o mundo corporativo para se tornar um artista plástico sem nunca ter experimentado essa atividade pode ser um ato impensado. Afinal, se você faz parte da maioria que precisa do salário para se manter, talvez valha a pena investir por um tempo em adquirir conhecimentos e habilidades antes de deixar a atual atividade.

Faça uma avaliação dos prós e contras da seguinte forma: o que poderia ser melhor e o que poderia ser pior se eu não fizer a mudança? O que poderia ser melhor ou pior se eu fizer a mudança que pretendo?

A personagem que citei no inicio se dispôs a iniciar um processo de desenvolvimento de competências para trabalhar no mercado financeiro, que era sua experiência maior e campo de atuação. Porém, queria trabalhar em uma empresa com outra cultura e em outra área que lhe permitisse mais relacionamento com as pessoas, uma vez que identificou a necessidade de interações e ligações amistosas como uma característica de personalidade. Conhecer seus valores e critérios permite criar objetivos consistentes.

Ensaios mentais enriquecem o sonho e liberam amarras internas que possam te impedir de atingi-los. Muitas vezes ficamos fixados nos “impossíveis” que criamos e nos tornamos um crítico impiedoso e limitador. O caminho para mudança pode ser menos árduo quando embasado e compatível com sua formação acadêmica, atividade atual e conhecimentos. O que não significa que virar a mesa e ir em direção a algo idealizado e completamente novo seja inviável. Daí pode vir uma energia nunca antes experimentada e portanto realizadora.

É necessário buscar o que se quer, encontrar pessoas e frequentar ambientes ligados aquelas atividades que você imagina serem ideais. Dar o primeiro passo muitas vezes é pedir indicações para encontrar alguém que possa esclarecer dúvidas.

A ação e a proatividade são elementos que inibem o medo, o receio de se mover e de dizer basta. As pessoas se acomodam na sua zona de conforto e vivem um desconforto contínuo. É incongruente mas o sistema faz aprendizados. Reaprender dá um pouco de trabalho, e daí evitamos mudanças. Tomar atitudes que sabemos serem mais proveitosas a longo prazo - e não só observando o imediato - leva à realização.

Conhecer a si mesmo também ajuda: valide suas capacidades inatas, as habilidades aprendidas e lembre-se das características pessoais que o diferenciam dos outros nos ambientes por onde transita. Esta pode ser a mola propulsora para ganhar mais confiança e energia.

Sonhar é o primeiro passo para toda e qualquer ação na vida. É viável lembrar que se é ou foi possível para alguém, também é possível para você.

* Ana Maria Ferraz de Campos é instrutora da SBPNL – Sociedade Brasileira de Programação Neurolinguística



As histórias que o padre conta

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Autor: Dimas Künsch


Vulnerabilidades masculinas: o tema proibido

É desafiador para mim escrever sobre este tema, já que sou um gênero feminino ainda que com certa energia masculina dentro de mim, aliás como todos os seres, que tem ambas as energias dentro de si, feminina e masculina.

Autor: Viviane Gago


Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes