Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Você é o senhor do seu próprio destino?

Você é o senhor do seu próprio destino?

05/12/2012 Eliane Quintella

Gosto de observar o olhar de quem se olha no espelho. Ele diz muito.

O olhar mais comum é aquele que chamo “senhor do próprio destino”, que é feito normalmente de peito estufado e com um sorriso suave de lado que mostra confiança. Sempre que vejo esse olhar eu me pergunto: Será que encontrei?

A maior parte das pessoas é capaz de lançar esse olhar, mas a verdade é que poucas o fazem com legitimidade. Sei que para conduzir o próprio destino é preciso usar luvas de aço, saber suportar tempestades com brilho de esperança nos olhos e não se esquecer de onde quer chegar.  No caminho da vida, é muito fácil nos esquecermos das luvas e a mão calejar demais a ponto de perdermos qualquer firmeza.


Também acontece de desistirmos frente a uma tempestade e de entre tantas curvas da estrada perdermos nossa própria direção. Tudo isso acontece muito. O resultado qualquer que seja o caso é que você deixou de ser senhor do seu destino. Não é mais você quem conduz seu barco? Quem é?

Não sei, dependerá de quantas vezes você acreditou que era fraco demais para comandar sua própria vida, que não tinha chances de dar as cartas, e, no fundo mesmo, que era vítima. Se é o seu caso, sinto informá-lo que não existe uma vítima, pois só é vítima quem se coloca nessa posição.

A realidade, ainda que as vítimas insistam em dizer que somente elas são vítimas, é que todos enfrentam dificuldades e justamente quem você é diante das agruras da vida que o definirão. É fácil manter as próprias convicções na calmaria, mas é no terror das piores tempestades que elas precisam ser mantidas.

Faça um favor a você mesmo e na próxima vez que se olhar no espelho procure apenas ser honesto, caso tenha esquecido de vestir as luvas, resolvido parar diante de uma tempestade ou se perdido no caminho, reconheça e acerte o curso. Se fizer isso sempre, o seu caminho será seu, como imortalizou Elvis com sua voz inesquecível na canção My way.

*Eliane Quintella é escritora.



Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.


O legado da possibilidade

Quando podemos dizer que uma coisa deu certo? O que é, afinal, um sucesso?


O que diabos está acontecendo?

A crise está a todo vapor e acelerando tendências que levariam décadas para se desenrolar.


STF e o inquérito do fim do mundo

Assim que o presidente da Suprema Corte determinou a abertura do inquérito criminal para apurar ameaças, fake news contra aquele sodalício, nomeando um dos ministros da alta corte para instaurá-lo, de ofício, com base no artigo 43 do Regimento Interno, não vi nenhuma ilegalidade.


As décadas de 20

A mais agitada década de vinte de todas foi a do século XX.


Nós acreditamos!

A história ensina lições. Muitas lições.


A saúde do profissional de educação em tempos de pandemia

Muitos profissionais tiveram que se adaptar por causa da pandemia.



“Quem viva?! …”

Contava meu pai, com elevada graça, que tivemos antepassado, muito desenrascado, que sempre encontrava resposta pronta, na ponta da língua.


Super-mãe. Eu?

Lembro-me de um episódio que aconteceu há alguns anos atrás e que fez com que eu refletisse seriamente sobre meu comportamento de mãe.


Inaugurada a era das assembleias virtuais

A pandemia acelera a digitalização nos condomínios.