Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Você lida bem com riscos financeiros?

Você lida bem com riscos financeiros?

08/06/2015 Lélio Braga Calhau

Como você lida com os riscos financeiros na sua vida? Você os antecipa?

Toma as medidas corretas para minimizá-los em caso de surgirem eventos negativos como a perda de emprego, um acidente de carro, uma doença na família, etc?

Qual é a sua abordagem quando se trata de administrar os riscos financeiros de sua vida e de seus familiares?

Recentemente, li uma matéria que dizia que o brasileiro quase não utiliza o seguro como um mecanismo social para diluir os riscos financeiros de eventos negativos em sua vida.

Além disso, muita gente tende a deixar para lidar com acasos financeiros, desfavoráveis, somente depois que eles ocorrem, o que é pior e muito mais caro. Vamos deixar de lado o seguro de automóvel que já foi bem assimilado pela sociedade.

Você que tem filhos, já se preocupou alguma vez com o que pode acontecer com eles, caso você sofra um acidente fatal precoce? Ninguém quer morrer cedo. Eu não quero, você não quer, ninguém quer.

Mas já parou para pensar se isto ocorrer hoje? Sua família tem como se levantar de um baque financeiro tão violento como esse? Alguém pode pensar que restam os benefícios sociais. Uma vez eu os utilizei. Depois de dez anos no Banco do Brasil, utilizei o seguro-desemprego até conseguir uma recolocação no mercado de trabalho.

Foi bom, mas era pouco. Embora algumas pessoas não concordem, ficar sempre recorrendo a esses benefícios, pode demonstrar que o profissional não está se preparando de forma adequada para o mercado.

Caso você, nos últimos anos, tenha utilizado, por exemplo, o seguro-desemprego várias vezes, talvez não seja o sinal que o país esteja indo mal economicamente ou que as empresas não te deram valor, mas que você não está se esforçando efetivamente para se adequar às “regras do jogo”.

Tome cuidado, porque fazer qualquer curso profissional e sair sem saber nada, mas tendo o diploma, não te protege de nada. O que importa para as empresas é se o trabalhador está apto para resolver problemas ou não. É só a gente olhar ao nosso redor para encontrarmos um monte de conhecidos que vivem fazendo cursos e, nos últimos dez anos, não saíram do lugar na vida, ou até andaram para trás.

Podemos ser demitidos a qualquer momento, e a “reserva de emergência” existe exatamente para essas situações negativas. Possibilita que você se recoloque, com o tempo, de forma adequada no mercado. Ter seguros, em alguns casos, diminui muito o risco de sua família ficar na “rua da amargura”, ou que você não tenha condição de se levantar novamente, em caso de doença.

Ele até protege o seu filho, para que ele tenha condição futuramente de conseguir uma formação profissional. Por fim, administrar riscos, construir uma “reserva financeira sólida”, talvez sejam os caminhos que lhe faltam para proteger e garantir uma melhor vida no futuro para você e seus familiares. Queira ir mais longe!

* Lélio Braga Calhau é Promotor de Justiça de defesa do consumidor do Ministério Público de Minas Gerais.



O fim da ‘saidinha’, um avanço

O Senado Federal, finalmente, aprovou o projeto que acaba com a ‘saidinha’ (ou ‘saidão’) que vem colocando nas ruas milhares de detentos, em todo o país, durante os cinco principais feriados do ano.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho