Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Voto consciente e o Papel da Política em nossas vidas

Voto consciente e o Papel da Política em nossas vidas

07/09/2014 Fábio Ostermann

Muito se fala, em especial em período eleitoral como o que hoje vivemos, a respeito da necessidade de se votar de forma consciente.

O tal “voto consciente” seria o elemento chave de uma democracia, e, no caso do Brasil, o instrumento redentor de nosso combalido e desacreditado sistema político. Se o eleitor votar de forma consciente, todos os males da nossa política serão extirpados e nos tornaremos um país desenvolvido. Mas o que seria, afinal, o “voto consciente”? Para algumas pessoas, votar consciente significa estar bem informado sobre os candidatos e sobre seus projetos, promessas, trajetórias, formações, realizações, etc. Partindo daí, seria apenas uma questão de comparar projetos e perfis políticos para se ter um voto “consciente”.

Mas será isso o suficiente para um voto verdadeiramente consciente? Creio que não. O voto consciente passa também pela compreensão das funções e limitações dos cargos em disputa (o que faz um vereador, um senador, um prefeito, etc). Mas, antes de tudo, passa pela compreensão do papel da própria política na nossa sociedade, qual é e qual deveria ser. A interferência do Estado nos rumos das vidas de seus cidadãos deve ser tão restrita quanto possível ao minimamente necessário.

As demandas por maior atuação governamental em nossas vidas são o alimento do político corrupto e ineficiente (afinal, isso significa mais e mais poderes em suas mãos). Isso se reflete também na proliferação de partidos socialistas e intervencionistas dos mais variados matizes, sempre dispostos a aumentarem sua parcela de poder e recursos extraídos da sociedade por meio de impostos para buscar suas próprias finalidades. Trata-se, no entanto, de uma ficção com tons tragicômicos acreditar que realmente nos tornaremos uma sociedade mais desenvolvida, próspera e justa simplesmente delegando a eles atribuições e responsabilidades que cabem a nós como indivíduos e como comunidade/sociedade civil.

Como ensinou o pensador francês Frédéric Bastiat, enquanto a maior parte da população continuar vendo o Estado como um meio de viver à custa dos demais (ignorando que é ele quem vive à custa de todo mundo), seguiremos nos frustrando com a política. Vivemos em um sistema onde quem promete mais “direitos” e benesses com chapéu alheio é quem leva o voto do eleitor. Ignoramos que tudo aquilo que o Estado dá a Paulo nada mais é do que uma porção daquilo que ele antes retira do bolso de Pedro, Maria, José e do próprio Paulo.

Seguindo a lição do próprio Bastiat – um pensador monumental, solenemente ignorado no Brasil: “Não devemos esperar senão duas coisas do Estado – liberdade e segurança, tendo bem claro que não se poderia perder uma terceira coisa, sob o risco de perder as outras duas”. Compreender isso é um passo fundamental para o voto consciente.

* Fábio Ostermann é Cientista Político e Diretor do Instituto Liberal.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.