Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Voto consciente e o Papel da Política em nossas vidas

Voto consciente e o Papel da Política em nossas vidas

07/09/2014 Fábio Ostermann

Muito se fala, em especial em período eleitoral como o que hoje vivemos, a respeito da necessidade de se votar de forma consciente.

O tal “voto consciente” seria o elemento chave de uma democracia, e, no caso do Brasil, o instrumento redentor de nosso combalido e desacreditado sistema político. Se o eleitor votar de forma consciente, todos os males da nossa política serão extirpados e nos tornaremos um país desenvolvido. Mas o que seria, afinal, o “voto consciente”? Para algumas pessoas, votar consciente significa estar bem informado sobre os candidatos e sobre seus projetos, promessas, trajetórias, formações, realizações, etc. Partindo daí, seria apenas uma questão de comparar projetos e perfis políticos para se ter um voto “consciente”.

Mas será isso o suficiente para um voto verdadeiramente consciente? Creio que não. O voto consciente passa também pela compreensão das funções e limitações dos cargos em disputa (o que faz um vereador, um senador, um prefeito, etc). Mas, antes de tudo, passa pela compreensão do papel da própria política na nossa sociedade, qual é e qual deveria ser. A interferência do Estado nos rumos das vidas de seus cidadãos deve ser tão restrita quanto possível ao minimamente necessário.

As demandas por maior atuação governamental em nossas vidas são o alimento do político corrupto e ineficiente (afinal, isso significa mais e mais poderes em suas mãos). Isso se reflete também na proliferação de partidos socialistas e intervencionistas dos mais variados matizes, sempre dispostos a aumentarem sua parcela de poder e recursos extraídos da sociedade por meio de impostos para buscar suas próprias finalidades. Trata-se, no entanto, de uma ficção com tons tragicômicos acreditar que realmente nos tornaremos uma sociedade mais desenvolvida, próspera e justa simplesmente delegando a eles atribuições e responsabilidades que cabem a nós como indivíduos e como comunidade/sociedade civil.

Como ensinou o pensador francês Frédéric Bastiat, enquanto a maior parte da população continuar vendo o Estado como um meio de viver à custa dos demais (ignorando que é ele quem vive à custa de todo mundo), seguiremos nos frustrando com a política. Vivemos em um sistema onde quem promete mais “direitos” e benesses com chapéu alheio é quem leva o voto do eleitor. Ignoramos que tudo aquilo que o Estado dá a Paulo nada mais é do que uma porção daquilo que ele antes retira do bolso de Pedro, Maria, José e do próprio Paulo.

Seguindo a lição do próprio Bastiat – um pensador monumental, solenemente ignorado no Brasil: “Não devemos esperar senão duas coisas do Estado – liberdade e segurança, tendo bem claro que não se poderia perder uma terceira coisa, sob o risco de perder as outras duas”. Compreender isso é um passo fundamental para o voto consciente.

* Fábio Ostermann é Cientista Político e Diretor do Instituto Liberal.



Trabalhadores de aplicativos: necessidades e vulnerabilidades diferentes

A tecnologia é uma realidade cotidiana irreversível. As plataformas, potencializadas pelos reflexos da pandemia da Covid-19, estão inseridas nas principais atividades da vida humana.

Autor: Ricardo Pereira de Freitas Guimarães


O que é direita? O que é esquerda?

O Brasil sofreu uma enorme polarização política nos últimos anos; mas afinal, o que é esquerda ou direita na política?

Autor: Leonardo de Moraes


Reparação mecânica e as tendências para 2024

No agitado mundo automotivo, as tendências e expectativas para 2024 prometem transformar o mercado de reparação de veículos.

Autor: Paulo Miranda


Política não evoluiu no período pós-redemocratização

O que preocupa é a impressão de que no Brasil não mais existem pessoas dedicadas, honestas e com boas intenções dispostas a entrar na política.

Autor: Luiz Carlos Borges da Silveira


Manifestação da paulista: exemplo de civilidade e democracia

Vivenciamos no último domingo, 25/02/2024, um dos maiores espetáculos da democracia.

Autor: Bady Curi Neto


Rio 459 anos: batalhas deram origem à capital carioca

Diversas lutas e conquistas deram origem à capital carioca. Começo pelo dia em que Estácio de Sá venceu uma grande batalha contra os nativos que viviam no território da atual cidade do Rio de Janeiro.

Autor: Víktor Waewell


Números da economia no governo Lula

Déficit de 231 bilhões de reais: um furo extraordinário.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


Lá vai Maria

Lata d’água na cabeça Lá vai Maria Lá vai Maria

Autor: Osvaldo Luiz Silva


O combate ao etarismo em favor da dignidade da pessoa idosa

É fundamental compreender que o envelhecimento é um processo natural e que todos nós, se tivermos a sorte de viver tempo suficiente, nos tornaremos idosos.

Autor: André Naves


Qual é o futuro do ser humano?

No planeta Terra a vida tem sido, em grande parte, moldada por materialistas que examinam a situação, planejam, estabelecem os objetivos e os põem em execução.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Liderança desengajada é obstáculo para uma gestão de mudanças eficaz

O mundo tem experimentado transformações como nunca antes, impulsionadas por inovações tecnológicas, crises econômicas e transições geracionais, dentre outros acontecimentos.

Autor: Francisco Loureiro


Neoindustrialização e a nova política industrial

Com uma indústria mais produtiva e competitiva, com equilíbrio fiscal, ganha o Brasil e a sociedade.

Autor: Gino Paulucci Jr.