Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Voto secreto, o pária do Legislativo

Voto secreto, o pária do Legislativo

01/02/2021 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

As atenções do país estão voltadas para Brasília onde, nesta segunda-feira (01/02), serão eleitos os novos presidentes da Câmara e do Senado.

São duas figuras detentoras do maior poder da República. Terceiro e quarto indivíduos na linha de sucessão presidencial e, mais que isso, quem, ditatorialmente, decide quais projetos são colocados nas pautas de discussões e votações dos deputados e senadores.

Só prosperam as matérias que eles escolhem e as demais ficam engavetadas, no imperfeito processo legislativo brasileiro.

Por definição, deputados federais são os representantes do povo e senadores os delegados dos estados.

Tanto o deputado quanto o senador é eleito pelo voto popular e, por isso, quando votam, o fazem em nome do povo que os elegeu.

Mas, estranhamente, em muitas situações, o voto é secreto. O povo, nesse momento crucial para o país, é privado de saber como votaram os seus representates.

Isso abre uma imensa distância entre os parlamentares e o eleitor que, sem saber como as coisas são feitas, é tentado a fazer mau juízo dos seus representantes.

Indaga-se o que de tão sigiloso existe para que o povo não possa saber como cada um votou. E, a partir daí é inevitável a especulação de que os eleitos de alguma maneira se corromperam ou teriam interesses ou acordos paralelos propositalmente escondidos da população.

“O que, sendo de interesse da sociedade, tem de ser feito às escondidas” - questiona-se. As respostas são muitas e todas em desfavor do Poder Legislativo que, pela sua natureza, é a matriz da sociedade, mas no Brasil é combalido por práticas anti-republicanas e vícios que se acumularam por décadas.

As eleições dos presidentes serão por votação secreta. Isso é muito ruim porque, independente do resultado, todos os votantes restarão sob suspeita de terem votado por interesse próprios e não do povo a quem representam.

Isso enfraquece o Legislativo e diminui o respeito da comunidade a seus integrantes. O ideal é votação aberta nas eleições das mesas diretoras das casas legislativas e principalmente nos projetos que, quando aprovados, transformam-se em leis e interferem diretamente na vida da população.

Não há razão para quem é representante do povo votar escondido desse mesmo povo. Sua excelência tem de dar seu voto em aberto e – mais que isso – dar explicações quando volta à base e pode ser abordado pelos eleitores. Isso desfaz dúvidas e acaba sendo bom para todos, menos para os corruptos que, para o bem da Nação, têm de ser excluídos da vida pública.

Essa reflexão me leva a uma cena do tempo de menino. Um tio, muito espirituoso, defendia que todo profissional que trabalha escondido, está querendo nos furtar, e exemplificava: “Porque você acha que o relojoeiro não abre o relógio na nossa frente?”.

Com as desculpas dos relojoeiros, cuja média não deve ser tão esperta assim, uso esse exemplo para dizer que precisamos de parlamentares transparentes e cristalinos em suas atividades.

Jamais iguais aos relojoeiros da estória do meu tio. Ninguém vota em deputado ou senador para que eles sejam covardes ou de baixo clero. Por isso, não há razão continuar existindo o voto secreto…

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).



PEC das drogas

O que esperar com a sua aprovação?

Autor: Marcelo Aith


PEC do Quinquênio simboliza a metástase dos privilégios no Brasil

Aprovar a PEC significará premiar, sem justificativa plausível, uma determinada categoria.

Autor: Samuel Hanan


O jovem e o voto

Encerrou-se no dia 8 de maio o prazo para que jovens de 16 e 17 anos pudessem se habilitar como eleitores para as eleições municipais deste ano.

Autor: Daniel Medeiros


Um mundo fragmentado

Em fevereiro deste ano completaram-se dois anos desde a invasão russa à Ucrânia.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Leitores em extinção

Ontem, finalmente, tive um dia inteiro de atendimento on-line, na minha casa.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Solidariedade: a Luz de uma tragédia

Todos nós, ou melhor dizendo, a grande maioria de nós, está muito sensibilizado com o que está sendo vivido pela população do Rio Grande do Sul.

Autor: Renata Nascimento


Os fios da liberdade e o resistir da vida

A inferioridade do racismo é observada até nos comentários sobre os cabelos.

Autor: Livia Marques


Violência urbana no Brasil, uma guerra desprezada

Reportagem recente do jornal O Estado de S. Paulo, publicada no dia 3 de março, revela que existem pelo menos 72 facções criminosas nas prisões brasileiras.

Autor: Samuel Hanan


Mundo de mentiras

O ser humano se afastou daquilo que devia ser e criou um mundo de mentiras. Em geral o viver passou a ser artificial.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Um País em busca de equilíbrio e paz

O ambiente político-institucional brasileiro não poderia passar por um tempo mais complicado do que o atual.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nem Nem: retratos do Brasil

Um recente relatório da OCDE coloca o Brasil em segundo lugar entre os países com maior número de jovens que não trabalham e nem estudam.

Autor: Daniel Medeiros


Michael Shellenberger expôs que o rei está nu

Existe um ditado que diz: “não é possível comer o bolo e tê-lo.”

Autor: Roberto Rachewsky