Portal O Debate
Grupo WhatsApp

What a wonderful world

What a wonderful world

12/06/2019 Julio Gavinho

Louis Daniel Armstrong foi um cantor e instrumentista nascido na aurora do século 20, e foi considerado “a personificação do jazz”.

Louis Armstrong é famoso tanto como cantor quanto como solista com seu trompete e há quem diga que ele inventou toda uma moderna forma de somar notas a uma melodia. Mr. Armstrong acreditou na possibilidade de mudar o status quo vigente, construindo algo novo.

Ao colocá-la aqui no meu toca-discos (sim, sim… sou meio velho…), lembrei-me de vários filmes, comerciais e clips que buscam achar esperança em cenários de guerra ou dor, por meio de sua bela melodia e palavras. É, que mundo maravilhoso!

Óquei, eu também quero meu mundinho maravilhoso. Acabei refletindo sobre qual o setor de turismo e hotelaria que eu desejo para o nosso quintal, onde somos nós, os empresários e executivos da linha de frente, quem definimos as políticas e investimentos do orçamento anual.

Estava refletindo sobre como seria meu “… wonderful world”, de maneira produtiva e construtiva. Neste meu devaneio temos um único ministério (ou autarquia, jamais as duas!) que toma suas decisões através de pesquisa de mercado, avaliações de câmaras setoriais e claro, da experiência de operadores de receptivo e dos hoteleiros.

Um ministério que cobra ações de seus pares sobre segurança pública que protejam nossos turistas, e claro nossos compatriotas. Um gerador de orçamento e verbas do erário em prol de novos e suados empregos em restaurantes, hotéis, bares, agências de viagens e companhias aéreas.

Por entre as belas notas desta canção, consigo antever reuniões periódicas de um grupo de uns 25 representantes, um de cada estado, unindo (adoro esta palavra!) agências e hotéis, transporte e atrações.

Este valioso certame seria bimensal e produziria propostas de políticas públicas, propostas ao legislativo e outras ideias particularmente para brigar muito por um quinhão maior de orçamento de marketing.

Sim! Este grupo terá as pesquisas em mão, bolará as estratégias comparativas e definirá algum poderoso benchmarking para monitorar sempre. Quem sabe o seria o México? Ou a Tailândia? A Austrália? Será alguém decerto, lindo e cheio de turistas, mas que “more” longe e tenha características únicas. Quem sabe a Índia?

Enquanto me afogo nos riffs e temas de tão poderosa canção, oro por um setor abraçado  ao redor de um único projeto para todos e que construa oportunidades sólidas para empresários e empreendedores individuais; que ofereça vagas de emprego para profissionais com baixa escolaridade e alta necessidade; e que, quem sabe um dia, consiga reunir os valiosos profissionais que temos no Brasil, ao redor de um projeto forte e que se sustente e, principalmente, que não precise de governo. Governo?

Nem tanto para fundos nem tanto para mundos. Neste meu livre pensar positivo, teríamos secretarias de turismo com 2, 3 servidores no máximo. Afinal, se trabalhamos por nós, porque precisamos pagar salários e benefícios de 10, 20, 50, 100 servidores obrando por turismo e hotelaria?

Na minha viagem, sem droga, seríamos estudo de caso em universidades como Cornell, sobre como reverter a pobreza em bolsões carentes através da criação de produtos turísticos, fluxo de viajantes e segurança para todos.

A faixa termina, meu copo seca e meu charuto acaba. De tão motivado pelo assunto e por meu lampejo de boa vontade, tomo uma decisão drástica: vou tocar “What a wonderful world” de novo.

* Julio Gavinho é executivo da área de hotelaria com 30 anos de experiência, fundador da doispontozero Hotéis, criador da marca ZiiHotel, sócio e Diretor da MTD Hospitality.

Fonte: Vervi Assessoria



As histórias que o padre conta

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Autor: Dimas Künsch


Vulnerabilidades masculinas: o tema proibido

É desafiador para mim escrever sobre este tema, já que sou um gênero feminino ainda que com certa energia masculina dentro de mim, aliás como todos os seres, que tem ambas as energias dentro de si, feminina e masculina.

Autor: Viviane Gago


Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes