Portal O Debate
Grupo WhatsApp

WhatsApp: suspensão fragiliza o consumidor e a Justiça

WhatsApp: suspensão fragiliza o consumidor e a Justiça

26/02/2015 Dane Avanzi

De todos os aplicativos de conversações, o WhatsApp é um dos que ganharam a preferência do usuário em tempo recorde.

O principal motivo é o fato de ser gratuito e, além disso, funcionar bem transmitindo voz e dados em tempo real, dependendo de uma conexão de internet fixa ou móvel. Não é exagero afirmar que a história das mensagens de textos se dividem em antes e depois do WhatsApp. Explico. Antes de estar disponível em smartphones, os usuários de serviços de telefonia móvel, pagavam pelo mesmo serviço prestados pelas operadoras quando enviavam mensagens de texto - serviço que com a popularização dos smartphones caiu drasticamente.

Não obstante a todos os benefícios que o aplicativo presta à população em geral, reitere-se de abrangência mundial posto que você pode mandar mensagens via WhatsApp de qualquer parte do mundo, qual não foi a surpresa de todos os usuários ao tomarem conhecimento da decisão emanada pela Justiça Estadual do Piauí, pelo juiz Luis Moura Correia, proibindo a utilização do aplicativo em âmbito nacional.

Conforme veiculado pela mídia, a polêmica decisão baseia-se na negativa por parte da empresa controladora do aplicativo em fornecer informações sobre mensagens trocadas por pessoa que é parte em processo que corre em segredo de Justiça. Ocorre que a sede da empresa controladora do WhatsApp fica em território estrangeiro, não estando sujeita à decisão judicial. Não podendo obrigar a empresa diretamente, o magistrado em questão quis obrigar ao cumprimento da sentença às operadoras de telefonia móvel, que são um mero meio de acesso ao aplicativo. Por conta disso, são incapazes de fornecer as informações necessárias.

Tecnicamente o grau de complexidade para tornar a sentença exequível é extremamente elevado e oneroso. Que o magistrado não é obrigado a conhecer detalhes da tecnologia, isso é verdade. Mas num caso como esse, certamente deveria ter se aconselhado melhor tecnicamente sobre as contingências envolvidas no cumprimento da decisão. Outro ponto desconsiderado na decisão é a incrível soma que os consumidores em todo o Brasil teriam que pagar caso voltassem a utilizar os serviços de SMS ou em eventuais ligações.

Que a Justiça deve ser cumprida e respeitada, isso não há dúvida. O que se questiona aqui é o modo como a Justiça se manifesta no que tange a eficácia no cumprimento da decisão. A meu ver, proferir uma decisão obrigando um terceiro (operadoras, que são meio) a praticar um ato extremamente complexo e oneroso, não é o melhor caminho.

Resultado: dificilmente a decisão será cumprida, restando para o cidadão o sentimento que não há justiça no país. O Estado Democrático de Direito, base da democracia, só funciona de fato se as instituições forem sólidas e agirem em conformidade com a lei, sendo a prestação jurisdicional algo muito sério no que tange a efetividade da lei. Dessa forma, toda a decisão judicial descumprida é um indício de crise do Estado, que ao perder seu poder de coercitividade nos apequena enquanto nação e sociedade.

* Dane Avanzi é empresário, advogado e vice-presidente da Aerbras - Associação das Empresas de Radiocomunicação do Brasil.

 



O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho


O suposto golpe. É preciso provas…

Somos contrários a toda e qualquer solução de força, especialmente ao rompimento da ordem constitucional e dos parâmetros da democracia.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves