Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Xô tristeza: dicas para não começar o ano deprimido

Xô tristeza: dicas para não começar o ano deprimido

08/01/2018 Dr. Luís Augusto Dias Malta

Esta é a época mais alegre do ano; mas não para todo mundo...

Enquanto mensagens de amor e felicidade inundam vitrines, telas de TV e páginas de revistas, para muitas pessoas, a realidade das festas de final de ano não é tão alegre. Prazos estressantes, discussões familiares, práticas exageradas de alimentação, maior consumo de bebidas alcoólicas e dias cada vez mais corridos podem tornar essa época do ano não tão alegre como as propagandas prometem.

Para evitar que esse período de final de ano se torne um tormento, existem alguns cuidados que podem ser tomados por todos nós. Um dos principais conselhos é evitar criar expectativas pouco realistas. Não se pressione a realizar mais do que você realmente dá conta de fazer.

Algumas pessoas criam uma expectativa muito grande baseada em um padrão de Natal fantasioso, mostrado nos filmes e propagandas de TV. Como, na verdade, as coisas nunca acontecem exatamente como antecipamos, isso pode se tornar extremamente decepcionante para alguns. Uma maior pressão por entregas e prazos, aliada ao medo de não conseguir fazer isso tudo, também são alguns gatilhos comuns para o desconforto nessa época.

Ser uma vítima do próprio perfeccionismo e achar que as outras pessoas, inclusive membros da sua família, irão ficar desapontados com você por não alcançar essa perfeição pode contribuir bastante para esse mal-estar. Especialmente quando se trata dos encontros e viagens em família, é importante avaliar bem as expectativas durante as férias e não esperar que as coisas sejam perfeitas.

Se essa época de festas tende a representar um momento de conflito em sua família, ou se você experimentou a perda de um ente querido, recentemente, talvez pressionar a si mesmo ou sua família para que todos se divirtam ou se comportem com alegria pode levar a momentos de decepção e ansiedade adicionais. E evite comparações: lembre-se que, ao contrário do que você vê no Facebook, outras pessoas e famílias também enfrentam as mesmas correrias e dificuldades.

Potencializado pela tendência exibicionista nas redes sociais, as constantes demonstrações de momentos felizes publicadas pelas outras pessoas também podem servir com um doloroso lembrete da falta de felicidade e amor que, eventualmente, existe em nossas próprias vidas.

Por esse motivo, o mês de dezembro acaba se tornando uma época particularmente difícil para aqueles que lidam com problemas pessoas, conflitos familiares, perdas ou rupturas, divórcio, solidão e saúde mental, por exemplo. Sentimentos como melancolia e mau humor afetam muitas pessoas no final do ano.

Para não sofrer por antecipação ou por quaisquer atitudes que considere inadequadas em outras pessoas, tenha em mente que essa época de festas e o final de ano irão passar em breve. Procure se comprometer a fazer um balanço sobre tudo aquilo que você tem a agradecer. Ter gratidão é provavelmente o melhor antídoto contra a depressão.

* Dr. Luís Augusto Dias Malta é médico psiquiatra e colaborador do blog Padecendo no Paraíso.



Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho


O suposto golpe. É preciso provas…

Somos contrários a toda e qualquer solução de força, especialmente ao rompimento da ordem constitucional e dos parâmetros da democracia.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Oportunidade de marketing ou marketing oportunista?

No carnaval de 2024, foi postada a notícia sobre o "Brahma Phone" onde serão distribuídas 800 unidades de celulares antigos para os participantes das festas de carnaval.

Autor: Patricia Punder