Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Acordo Mercosul e União Europeia

Acordo Mercosul e União Europeia

28/08/2019 Robinson Cannaval Junior

Possíveis reflexos no Agronegócio e como o setor pode se preparar.

O mercado mundial recebeu uma grande notícia no final de junho. Depois de 20 anos de negociações, foi firmado durante a 14ª Cúpula do G20, em Bruxelas, o acordo entre o Mercosul e a União Europeia.

Ele passa a ser o segundo maior acordo do mundo em relação ao PIB somado de seus participantes, ficando atrás apenas do acordo entre a União Europeia e o Japão.

Juntas, as duas regiões respondem por um PIB de cerca de US$ 20 trilhões, aproximadamente 25% da economia mundial.

Hoje, das dez maiores economias do mundo, o Brasil é o que tem menor participação no comércio internacional, com menos da metade do volume transacionado por países com PIBs comparáveis, como Itália e Canadá.

O acordo entre Mercosul e União Europeia poderá representar o acesso mais competitivo para os produtos brasileiros a um mercado consumidor de 500 milhões de pessoas, que responde por mais de 21% da economia mundial. E os produtos da cadeia do agronegócio têm posição de destaque nessa negociação.

Pelo acordo, está prevista a redução ou eliminação de tarifas sobre mais de 90% dos produtos comercializados entre os blocos, com entrada em vigor, de modo escalonado, ao longo dos próximos 15 anos. Antes dele, apenas 24% das exportações brasileiras entravam livres de tarifa na União Europeia.

Para entrar em vigor, o pacto deve ser ratificado pelos parlamentos de cada um dos estados-membros dos blocos, o que pode ser um desafio a ser vencido.

Entre as condicionantes do acordo, estão a permanência no tratado de Paris e a redução do desmatamento na região do Mercosul. Outras questões ambientais podem ser incluídas, como o uso de determinados defensivos agrícolas.

Mas no que esse acordo impactaria no agronegócio brasileiro?

Caso os desafios sejam vencidos e o acordo seja ratificado pelo parlamento brasileiro, os produtos da cadeia do agronegócio, que hoje já representam mais de um terço das exportações para a União Europeia, serão beneficiados. As importações de máquinas e químicos também podem trazer impactos positivos para o setor.

A União Europeia é o maior importador agrícola mundial. Para se ter uma ideia, em 2018, o bloco europeu importou no setor US$ 182 bilhões e o Brasil está entre os seus maiores fornecedores de produtos de origem agrícola.

Com a retirada ou redução de tarifas, o país se tornará ainda mais competitivo na exportação desses produtos para o bloco.

Segundo dados da Innovatech, em 2018, entre os cinco campeões de exportação do Brasil para a União Europeia estão a soja e derivados (12,80%- campeão de exportação) e o café cru em grão (5,50%). Pelo acordo, ocorrerão grandes mudanças no setor do agronegócio com a retirada ou diminuição de tarifas.

Por exemplo, óleos vegetais passariam a ter tarifa zero de imediato; o café torrado e solúvel em quatro anos; o açúcar até a cota de até 180 mil toneladas teria tarifa zero de imediato, entre outros.

Outro ponto importante do acordo é que a União Europeia liberalizará 82% do volume de comércio e 77% das linhas tarifárias no setor agrícola e dará acesso preferencial ao Mercosul. O Mercosul, por sua vez, no comércio agrícola, liberalizará 96% do volume de comércio e 94% das linhas tarifárias.

O novo tratamento tarifário poderá tornar o Brasil mais competitivo no fornecimento de proteínas. Porém, o tema pode ser um entrave para a ratificação do acordo pelos parlamentos de Estados-membro que têm participação relevante nesse mercado.

O acordo reduz as barreiras tarifárias em contrapartida os entraves podem surgir, tais como: questões sanitárias, rastreabilidade de produção, sustentabilidade da produção e demanda por certificação de produto.

No caso das carnes por exemplo, a tarifa seria reduzida imediatamente nos seguintes casos:  a carne Bovina teria tarifa de 7,5% até a cota de 99 mil toneladas peso carcaça, 55% resfriada e 45% congelada e tarifa zero na cota Hilton1 (10 mil toneladas); no caso da carne suína, a tarifa passaria para €83/tonelada até a cota de 25 mil toneladas; e na carne das aves 180 mil toneladas peso carcaça, intraquota zero, 50% com osso e 50% desossada. Já no caso dos peixes a tarifa seria zero imediatamente e o camarões a extinção seria em quatro anos.

O pacto entre os blocos econômicos deve trazer muitas oportunidades e também algumas ameaças para quem atua na cadeia do agronegócio brasileiro.

Embora nem todos os efeitos sejam imediatos, é preciso estar pronto para não perder o timing. E para que isso não ocorra, algumas perguntas básicas precisam ser feitas.

É essencial para os empresários do agronegócio entender como fica a posição competitiva e a atratividade da exportação dos seus produtos no mercado europeu; o timing e como se preparar para aproveitar as oportunidades que surgirão para a exportação de produtos; qual a melhor estratégia para acessar o mercado e quais são as oportunidades para ganhar competitividade importando máquinas, equipamentos e insumos europeus, como menor custo e mais tecnologia.

Já para os produtores locais e subsidiárias locais de empresas estrangeiras de insumos, máquinas e equipamentos, as preocupações devem ser outras: se o negócio está ameaçado pela redução de tarifas dos produtos importados; como a liberalização afeta os seus mercados; e as estratégias para se defender da competição com os produtos europeus.

Então, muito mais do que entender no que o acordo Mercosul União Europeia pode ajudar ou prejudicar o agronegócio no Brasil, é preciso se preparar para os novos tempos que poderão vir.

Para isso, é necessário planejar: estudar o mercado, analisar a viabilidade dos negócios; implementar e gerir. Só assim, o Brasil estará preparado para colher os frutos desse acordo, caso ele seja validado.

* Robinson Cannaval Junior é sócio fundador e diretor do Grupo Innovatech, Diretor executivo da Innovatech Consultoria, Formado em Engenharia Florestal pela ESAlQ/USP, com especialização em Gestão estratégica de Negócios pela Unicamp e MBAs em Finanças e Valuation pela FGV.

Fonte: Fonte Comunicação



Intenção de consumo das famílias sobe em fevereiro

Intenção de consumo das famílias alcança maior nível desde abril de 2015, diz CNC.

Intenção de consumo das famílias sobe em fevereiro

Não perca tempo com problemas que não existem

É muito comum num grupo, numa reunião ou na empresa inteira, pessoas discutirem possíveis problemas em meio a um trabalho.

Não perca tempo com problemas que não existem

10 dicas para melhorar a gestão do conhecimento no contact center

O grande desafio enfrentado pelos contact centers é atender o cliente de forma rápida, objetiva e solucionar todas as demandas.


Inadimplência tem a segunda menor variação em janeiro em uma década

Brasil tem 61,3 milhões de consumidores com restrição ao crédito, mostram CNDL/SPC Brasil.

Inadimplência tem a segunda menor variação em janeiro em uma década

Bancos leiloam 300 imóveis com descontos de até 73%

Há unidades em diferentes estados disponíveis no site da Sold Leilões e no Superbid Marketplace.

Bancos leiloam 300 imóveis com descontos de até 73%

O que está em jogo com o jogo no Brasil?

Escrevi um artigo há uns três anos sobre o jogo no Brasil intitulado “O jogo no Brasil e o sofá do corno”.


Inovação no mercado de comunicação

Dois nomes deste mercado se uniram em um empreendimento comum.


CNC reduz para 5,3% estimativa de crescimento do varejo em 2020

Setor fechou 2019 com terceira alta anual consecutiva, impulsionada por inflação e juros baixos.

CNC reduz para 5,3% estimativa de crescimento do varejo em 2020

Fundos imobiliários e as expectativas para 2020

2019 foi um ano de muitas oportunidades na indústria de fundos imobiliários no Brasil.


A indústria puxará o crescimento

A política industrial que nos convém se reduz a umas poucas regras de bom senso.

A indústria puxará o crescimento

Inflação do aluguel é de 6,86% em 12 meses

Índice não teve variação no início de fevereiro, diz FGV.

Inflação do aluguel é de 6,86% em 12 meses

Meu funcionário voltou da China. E agora?

Além de problemas no atraso ligados à entrega de mercadorias e possível redução de vendas, há outros impactos do coronavírus trazidos às empresas que mantêm relações comerciais diretas com a China.

Meu funcionário voltou da China. E agora?