Portal O Debate
Grupo WhatsApp

As novas diretrizes para o consumo consciente e o planejamento financeiro

As novas diretrizes para o consumo consciente e o planejamento financeiro

14/05/2020 Sheila David Oliveira

As incertezas econômicas impostas pela grave situação sanitária mundial devido a pandemia do coronavírus (Covid-19) vão gerar uma grande revolução na maneira em que o consumidor irá enxergar as empresas que sobreviverem.

Não dá para prever quais serão os reais caminhos da economia no mundo, mas certamente teremos curvas crescentes de desigualdade social, fome e até de mudanças climáticas no período pós pandemia. Praticamente todas as famílias e empresas sofrerão algum impacto em 2020.

O comportamento do consumidor já começou a mudar ao ser afetado pela crise sanitária. Muitos deixaram de ser guiar pelo luxo e o superfulo e passaram a consumir o necessário para a sobrevivência.

E também uma boa parte da sociedade passou a comprar das lojas e empresas locais, para impulsionar o comerciante e o empresário regional.

E tem um filtro que também aumentou: os consumidores passaram a "cancelarem" as empresas que não têm um propósito social claro de integração com a comunidade. Ou seja, aquelas companhias que pensam só nos cifrões estão com os dias contados.

O consumidor está mais exigente, sem dúvidas. O produto ou serviço deve ter qualidade, mas também tem que ser ecologicamente correto e socialmente engajado.

E essa transição da economia mundial gerada pela pandemia será capitaneada pelo novo consumidor que será mais conectado não só com a tecnologia e suas ferramentas, mas também com uma maior sensibilidade com os movimentos que sejam meramente oportunistas e extrativistas.

Em suma, para as atuais e futuras gerações de consumidores, as empresas e marcas deverão ter um papel não apenas como fornecedores de produtos e serviços, mas também como disseminadores das boas práticas no universo ambiental, social e virtual.

E neste cenário de futuro breve, os novos negócios focados em bem-estar e felicidade terão um grande impacto e serão vetores da nova economia.

Serão também importantes na regeneração da economia mundial, com inovações e tecnologias utilizadas para melhorar o bem-estar e a saúde das pessoas e do planeta.

Nesse contexto ganha corpo a FIB - Felicidade Interna Bruta. Um indicador sistêmico baseado na premissa de que o objetivo principal de uma sociedade não deveria ser somente o crescimento econômico, mas a integração do desenvolvimento material com o psicológico, o cultural e o espiritual.

O conceito foi desenvolvido no Butão, um pequeno país do Himalaia, em 1972, elaborado pelo rei Jigme Singya Wangchuck.

Desde então, o reino de Butão, com o apoio do PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento), começou a colocar esse conceito em prática, e atraiu a atenção do resto do mundo com sua nova fórmula para medir o progresso de uma comunidade ou nação.

Assim, o cálculo da “riqueza” deve considerar outros aspectos além do desenvolvimento econômico, como a conservação do meio ambiente e a qualidade da vida das pessoas.

As principais dimensões para a mensuração do FIB são o bem-estar psicológico e saúde, ou seja, são avaliados com grande peso o grau de satisfação e otimismo de cada pessoa em relação a sua vida, com a prevalência de taxas de emoções tanto positivas quanto negativas, e analisam a auto-estima, sensação de competência, estresse, e atividades espirituais.

Outras importantes mensurações são a governança e o padrão de vida. Na governança a população avalia o governo, a mídia, o judiciário, o sistema eleitoral, e a segurança pública, em termos de responsabilidade, honestidade e transparência.

Também mede a cidadania e o envolvimento dos cidadãos com as decisões e processos políticos. Já o chamado padrão de vida leva em conta a renda individual e familiar, a segurança financeira, o nível de dívidas, a qualidade das habitações, etc.

O FIB leva em consideração outros fatores como o uso do tempo, a vitalidade da comunidade, a educação, a cultura e os cuidados com o meio ambiente.

Ou seja, é um medidor muito mais completo e complexo que o conhecido PIB- Produto Interno Bruto - que move as centenas de nações espalhadas pelo mundo, inclusive o Brasil.

O PIB, um indicador meramente econômico tem um peso gigantesco em todos os passos da sociedade e que aumenta a cada ano a desigualdade e gera um desequilíbrio não só econômico, mais no bem-estar social e psicológico das pessoas.

E a educação financeira será uma peça fundamental para conscientizar os indivíduos sobre o planejamento como ferramenta de equilíbrio financeiro para melhora na tomada de decisões de investimentos e consumos de boa qualidade.

Logo a melhora no desempenho para o indivíduo na sua vida financeira, contribui para um bem-estar coletivo, ou seja, as pessoas terão melhores condições teóricas para lidar com imprevisto e oscilações econômicas na vida.

O impacto jé é visível, uma vez que as empresas estão sendo forcadas a tomar decisões que vão da redução de salário a demissões.

E as famílias também estão tendo que exercitar sua cultura financeira para minimiza o impacto das reduções salariais e de recursos para a manutenção do padrão e da qualidade de vida neste momento de crise.

A grande maioria da população está tendo que "apertar" o orçamento e a esposa e até filhos estão tendo que assumir uma maior responsabilidade com os gastos mensais.

E para auxiliar as famílias e empregados atravessarem esse oceano de novas e duras medida financeiras, é interessante que as empresas adotam um programa interno de conscientização à educação financeira para seus colaboradores.

Uma vez que, como cada um de nós, dependendo de suas características humana de pensar, sentir e se comportar, irá refletir e agir neste momento de maneiras diversas.

E não há dúvidas de que precisa ter cautela, qualquer que seja o perfil humano. É imprescindível ter uma força pessoal para enfrentar a crise, com bravura, criatividade, curiosidade, esperança, amor de aprender, persistência, prudência, auto-regulação, entre outros.

A soma destes fatores poderá ajudar a passar por esta crise repentina com as perdas e os riscos reduzidos, sejam eles financeiros ou emocionais.

* Sheila David Oliveira é planejadora financeira, membro TOP OF The TABLE da maior Associação de Planejadores Financeiro do Mundo - MDRT (Million Dollar Round Table), sócia e diretora da GFAI Empresa de Planejamento Financeiro.

Fonte: Ex-Libris Comunicação Integrada



Confiança dos pequenos negócios segue em crescimento pelo quarto mês consecutivo

Indústria lidera o ranking entre os setores e microempreendedores influenciam positivamente o resultado geral do Iscon em agosto.

Confiança dos pequenos negócios segue em crescimento pelo quarto mês consecutivo

Mesmo na crise econômica e sanitária, bancos aumentam as tarifas

Estudo do Idec aponta que, em meio à pandemia de covid-19, qualidade de serviços piorou e houve alta migração de consumidores para bancos digitais.

Mesmo na crise econômica e sanitária, bancos aumentam as tarifas

Comércio cresce 1,2% em julho e atinge patamar recorde

Trata-se da quarta alta consecutiva do indicador.

Comércio cresce 1,2% em julho e atinge patamar recorde

Pets em condomínios comerciais

Muitas pessoas já descobriam que ter um animal é ter um companheiro de verdade, além ser um excelente meio de afastar a solidão.

Pets em condomínios comerciais

Poupança tem retirada líquida de R$ 5,467 bilhões em agosto

Em 2021, a poupança acumula retirada líquida de R$ 15,629 bilhões.

Poupança tem retirada líquida de R$ 5,467 bilhões em agosto

Fusões & Aquisições batem recorde de negócios no Brasil

Especialista analisa o bom momento do setor. Confira a entrevista!

Fusões & Aquisições batem recorde de negócios no Brasil

Empreendedorismo por meio de microfranquias é a oportunidade de crescimento do país

Quantas vezes, na escola, se estudou sobre finanças, administração ou marketing?

Empreendedorismo por meio de microfranquias é a oportunidade de crescimento do país

Docol anuncia construção de nova fábrica em MG

No seu aniversário de 65 anos, a empresa catarinense, anuncia plano de expansão de R$ 500 milhões em louças e metais sanitários.


Receita adia para 30 de setembro prazo de regularização do MEI

Data limite para não entrar na dívida ativa acabaria nesta terça-feira

Receita adia para 30 de setembro prazo de regularização do MEI

Sebrae Minas e BDMG oferecerão linhas de crédito para micro e pequenas empresas

Parceria inédita vai facilitar acesso a crédito a empreendedores mineiros.

Sebrae Minas e BDMG oferecerão linhas de crédito para micro e pequenas empresas

Percepção de valor pelo cliente. E será que cliente sabe o que ele quer?

Quanto vale a satisfação de um sonho realizado, uma experiência bem vivida, ou a cura de uma dor física ou emocional.

Percepção de valor pelo cliente. E será que cliente sabe o que ele quer?

Brasil cria 316 mil postos de trabalho formal em julho

País registra saldo positivo de 1.848.304 empregos gerados em 2021.

Brasil cria 316 mil postos de trabalho formal em julho