Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Como a constelação familiar te ajuda nos negócios?

Como a constelação familiar te ajuda nos negócios?

27/08/2019 Lucia Quintino

A constelação familiar acredita que somos produto da nossa ancestralidade.

Eu não sei exatamente por qual situação você está passando nesse momento e nem se tem algum problema, mas quero convidá-lo a, por alguns instantes, olhar para o que está lhe impedindo de ter sucesso no seu negócio com muito amor e sem julgamento (um dos princípios que mais gosto da constelação).

Além de mentora de negócios, atuo como consteladora há mais de 2 anos, sendo procurada principalmente para atuar em questões de carreira, finanças ou negócios.

Atendo vários gestores e empreendedores que estudam, se desenvolvem, se dedicam e mesmo assim parecem não sair do lugar.

“Por que todos a minha volta parecem ter sucesso menos eu? Por que depois que abri meu negócio minha vida desandou? Por que não me sinto feliz com o que faço?”. Esses são alguns exemplos de perguntas que escuto desses profissionais que atendo.

Uma coisa eu posso te afirmar, tudo o que acontece (ou deixa de acontecer) é sempre para trazer equilíbrio ao sistema que estamos inseridos, seja ele nosso trabalho, família, empresa, grupo de amigos e etc.

A constelação familiar acredita que somos produto da nossa ancestralidade, ou seja, produto do nosso pai e mãe, e eles, por sua vez, de seus pais, avós e bisavós.

E também acreditamos que nada fica no passado. Todos os sentimentos de sofrimento, dor, tristeza, paralisação ficam guardados em nosso sistema até que sejam trazidos a consciência, sejam olhados e então resolvidos.

Bert Hellinger, quem criou a constelação diz: “Todo sucesso tem a face da mãe.”

Ao dizer isso, Bert quer nos mostrar que a nossa mãe é quem nos dá a energia que nos nutre e quando não temos força para criar, administrar é porque, por algum motivo, não estamos recebendo ou estamos impedindo essa energia de chegar até nós.

O trabalho que temos, os nossos comportamentos em relação a empresa ou ao ambiente que trabalhamos tem relação com a nossa mãe e é preciso nos reconectar a ela para podermos ter confiança e segurança para seguirmos nosso caminho.

É preciso olhar para nossa história, recebê-la sem julgamento e entender que a experiência que vivemos foi e é o melhor para a nossa existência e crescimento.

* Lucia Quintino é especialista em liderança e terapeuta sistêmica de empreendedorismo.

Fonte: Comunica me



Liberdade de pensamento

Tem sentido que nos ocupemos hoje da Liberdade de Pensamento? Este não é um tema ultrapassado?


As redes sociais como patrimônio do povo

A novidade dos últimos dias é o banimento de páginas de políticos e ativistas - tanto de situação quanto de oposição - nas redes sociais, por determinação dos controladores destas.


O desafio da exigência de êxito

O famoso “Poema em Linha Reta” nos diz que todos os conhecidos do poeta eram verdadeiros campeões em tudo, sem derrotas ou fracassos.


Mudança nas relações humanas faz parte de realidade pós-pandemia nas empresas

“Nada é permanente, exceto a mudança”. “Só sei que nada sei”. “A única constância é a inconstância”.


Dia do Panificador, o pão e a fome

Oito de julho é o Dia do Panificador. Profissão humilde, raramente é lembrada.


O valor de uma obra

Naquela fria e sombria manhã de Inverno, do ano de 1967, estava à porta da “Livraria Silva”, na Praça de Sé, quando passa, de reluzentes divisas doiradas, o sargento Mário.


A pandemia, as perdas e o novo mundo

Apesar de, infelizmente, ter antecipado o fim da vida de 64,9 mil brasileiros e ainda estar por levar milhares de outros e prejudicar muitos na saúde ou na economia (ou em ambos), o coronavírus pode ser considerado um novo divisor de águas na sociedade.


7 dicas para se profissionalizar na comunicação virtual

De repente, veio a pandemia, a quarentena e, com elas, mudanças na rotina profissional e na forma de comunicação.


O sacrifício dos jovens

Mais de cem dias depois, a pandemia vai produzindo uma cauda longa de desarranjos que se fará sentir por muitos anos e esses efeitos vão atingir, principalmente, os mais jovens.


A “nova normalidade”

A denominada “nova normalidade” não venha nos empobrecer em humanidade.


A inevitável necessidade de prorrogação do auxílio emergencial

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que o governo vai prorrogar por dois meses o pagamento do auxílio emergencial.


A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?