Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Coronavírus e a Bolsa de Valores, o que fazer com as ações?

Coronavírus e a Bolsa de Valores, o que fazer com as ações?

28/03/2020 Gustavo Vaz

A nova doença Covid-19 criou uma situação jamais vista ou esperada pela população brasileira.

O efeito pandêmico deste mal levou governos a decretarem o fechamento de lojas, estabelecimentos comerciais e empresas.

Muitos, para não deixar a máquina produtiva parar, e logicamente tentar prevenir a proliferação da doença, optaram pelo trabalho de casa, mas é inegável que todos os setores, sem exceção, serão afetados de maneira negativa pelo vírus.

Empresas de análise e instituições financeiras pelo mundo inteiro tentam prever quais serão os efeitos da redução econômica nos meses por vir. Mas de fato, o que se sabe é que tentar prever algo agora é quase um “tiro no escuro”.

O mercado financeiro trabalha na tentativa do alinhamento de expectativas do investidor com as necessidades que o mesmo possui quanto ao seu capital.

Se o mesmo pensa em uma previdência para a sua aposentadoria ou comprar uma casa em 20 anos, precisa procurar pelo auxílio de um profissional que o ajude a encontrar os melhores investimentos para o momento econômico presente e futuro, sempre tendo em vista o perfil de risco do investidor.

O problema deste raciocínio é que ele se baseia em premissas concretas e às vezes previsíveis. Mas quando algo como o novo coronavírus surge, todo o planejamento é pego de surpresa. Não só o de uma pessoa, mas de todos os investidores do mundo.

Neste momento, todos nós somos testados em nossa paciência e racionalidade, e, na bolsa de valores não é diferente.

Uma queda de aproximadamente 48% desde o último movimento de alta em janeiro de 2020, demonstra justamente o grau de aversão ao risco do investidor neste momento extraordinário.

A pergunta específica que fica na cabeça de cada um dos que ainda possuem ações de alguma empresa e está vendo o seu patrimônio diminuir a cada dia, é: “E agora, o que devo fazer? ”

Para esta pergunta não existe uma resposta fácil e exata, mas existe um caminho a se considerar. Primeiramente, cada investidor deve definir quais são as prioridades em sua vida.

O mais importante é definir a liquidez, ou seja, você dispõe de quanto capital para poder se sustentar durante o período. O capital voltado para a sua liquidez, não pode estar envolvido com risco, logo não deve ser usado para o investimento em bolsa de valores.

Em um segundo ponto, é preciso avaliar quais são as empresas que você possui em seu portfólio de investimentos. A bolsa é um tipo de empreendedorismo, onde o dono do capital se torna sócio de uma empresa já existente, e que teoricamente, já está consolidada.

Como nem todas as empresas que estão na bolsa possuem uma perfeita gestão e eficiência, é importante entender a solidez daquelas que você possui na carteira. Este momento não é um momento de especular, e sim de cautela, com o foco no longo prazo.

Momentos caóticos como este, já aconteceram dezenas de vezes no passado, como é o caso mais recente da crise mundial de 2008.

Após esta data, o Índice Bovespa (IBOV) teve uma valorização de aproximadamente 63% para quem não vendeu os seus ativos, e uma elevação de cerca de 280% para quem comprou perto da mínima após a grande desvalorização.

Isto não demonstra uma certeza de que tudo voltará ao normal, mas demonstra um teste em relação ao valor que o investidor dá para a sua tranquilidade emocional.

Se o mesmo não confia nas empresas que possui em sua carteira, e não consegue esperar o prazo de meses ou anos para estas empresas superarem este momento ruim, o preço de sua tranquilidade é o valor do prejuízo assumido nas vendas de suas ações.

Mas por outro lado, aqueles que conhecem e confiam nestas mesmas empresas, possuem dois tipos de decisão a serem consideradas: esperar que o tempo passe na expectativa da normalização do mundo, ou aproveitar a grande oportunidade de aumentar o percentual de sua sociedade a um custo muito mais baixo, que jamais era esperado.

* Gustavo Vaz é assessor de investimentos e operador de renda variável na Atrio Investimentos.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Como empresas e empresários devem agir para sobreviver às intempéries

Intempérie. No dicionário, a definição para esse substantivo feminino traz como significado: mau tempo ou tempestade.

Autor: Haroldo Matsumoto

Como empresas e empresários devem agir para sobreviver às intempéries

Desafios empresariais

Empreender envolve correr riscos e encontrar soluções para os problemas das pessoas.

Autor: Leonardo Chucrute

Desafios empresariais

Um líder de verdade ensina o que sabe

Não são incomuns as histórias de profissionais que, voluntariamente, trocam de emprego para ganhar menos do que em suas posições anteriores.

Autor: Yuri Trafane

Um líder de verdade ensina o que sabe

Luciano Hang apoia manifesto isenção de impostos nas compras até US$50

Na noite de sexta-feira, 17, o dono da Havan, Luciano Hang, participou do jantar de encerramento do 39º Congresso Nacional de Sindicatos Empresariais (CNSE), em Balneário Camboriú (SC).

Autor: Divulgação


Como usar a inteligência emocional para lidar com os negócios?

Ser um empreendedor em um negócio altamente estressante é como estar em uma montanha-russa emocional.

Autor: João Roncati

Como usar a inteligência emocional para lidar com os negócios?

Azul cria fundo social para captação de recursos para desastres nacionais

Itaú Unibanco se torna o primeiro apoiador após doação de R$ 5 milhões.

Autor: Divulgação


Ultrapassei o limite do MEI e agora?

Entenda como funciona a transição para Microempresa.

Autor: Divulgação

Ultrapassei o limite do MEI e agora?

Por que tantas recuperações judiciais?

Nas últimas semanas, a imprensa reproduziu amplamente o indicador de recuperações judiciais produzido e monitorado pela Serasa Experian, a concorrente britânica do histórico SPC, este desenvolvido pela Câmara dos Dirigentes Logistas, que oferece serviços de proteção ao crédito.

Autor: Carlos Gomes


Empreendedorismo com propósito

Nasci em Nova Iguaçu, cidade do estado do Rio de Janeiro, e comecei a empreender desde muito cedo.

Autor: Leonardo Chucrute

Empreendedorismo com propósito

Reforma tributária: os desafios para impulsionar o crescimento econômico

“A simplificação do sistema tributário pode resultar em um catalisador para a criação de empregos, impulsionando a economia do país”, diz especialista.

Autor: Divulgação

Reforma tributária: os desafios para impulsionar o crescimento econômico

Empresário, você precisa sair do operacional

As estatísticas não são animadoras.

Autor: Paulo de Vilhena

Empresário, você precisa sair do operacional

Por que as PMEs são as mais vulneráveis à cibersegurança?

Embora elas possam enfrentar restrições orçamentárias, estão disponíveis soluções tecnológicas acessíveis e eficazes.

Autor: Denis Furtado

Por que as PMEs são as mais vulneráveis à cibersegurança?