Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Coronavírus e a Bolsa de Valores, o que fazer com as ações?

Coronavírus e a Bolsa de Valores, o que fazer com as ações?

28/03/2020 Gustavo Vaz

A nova doença Covid-19 criou uma situação jamais vista ou esperada pela população brasileira.

O efeito pandêmico deste mal levou governos a decretarem o fechamento de lojas, estabelecimentos comerciais e empresas.

Muitos, para não deixar a máquina produtiva parar, e logicamente tentar prevenir a proliferação da doença, optaram pelo trabalho de casa, mas é inegável que todos os setores, sem exceção, serão afetados de maneira negativa pelo vírus.

Empresas de análise e instituições financeiras pelo mundo inteiro tentam prever quais serão os efeitos da redução econômica nos meses por vir. Mas de fato, o que se sabe é que tentar prever algo agora é quase um “tiro no escuro”.

O mercado financeiro trabalha na tentativa do alinhamento de expectativas do investidor com as necessidades que o mesmo possui quanto ao seu capital.

Se o mesmo pensa em uma previdência para a sua aposentadoria ou comprar uma casa em 20 anos, precisa procurar pelo auxílio de um profissional que o ajude a encontrar os melhores investimentos para o momento econômico presente e futuro, sempre tendo em vista o perfil de risco do investidor.

O problema deste raciocínio é que ele se baseia em premissas concretas e às vezes previsíveis. Mas quando algo como o novo coronavírus surge, todo o planejamento é pego de surpresa. Não só o de uma pessoa, mas de todos os investidores do mundo.

Neste momento, todos nós somos testados em nossa paciência e racionalidade, e, na bolsa de valores não é diferente.

Uma queda de aproximadamente 48% desde o último movimento de alta em janeiro de 2020, demonstra justamente o grau de aversão ao risco do investidor neste momento extraordinário.

A pergunta específica que fica na cabeça de cada um dos que ainda possuem ações de alguma empresa e está vendo o seu patrimônio diminuir a cada dia, é: “E agora, o que devo fazer? ”

Para esta pergunta não existe uma resposta fácil e exata, mas existe um caminho a se considerar. Primeiramente, cada investidor deve definir quais são as prioridades em sua vida.

O mais importante é definir a liquidez, ou seja, você dispõe de quanto capital para poder se sustentar durante o período. O capital voltado para a sua liquidez, não pode estar envolvido com risco, logo não deve ser usado para o investimento em bolsa de valores.

Em um segundo ponto, é preciso avaliar quais são as empresas que você possui em seu portfólio de investimentos. A bolsa é um tipo de empreendedorismo, onde o dono do capital se torna sócio de uma empresa já existente, e que teoricamente, já está consolidada.

Como nem todas as empresas que estão na bolsa possuem uma perfeita gestão e eficiência, é importante entender a solidez daquelas que você possui na carteira. Este momento não é um momento de especular, e sim de cautela, com o foco no longo prazo.

Momentos caóticos como este, já aconteceram dezenas de vezes no passado, como é o caso mais recente da crise mundial de 2008.

Após esta data, o Índice Bovespa (IBOV) teve uma valorização de aproximadamente 63% para quem não vendeu os seus ativos, e uma elevação de cerca de 280% para quem comprou perto da mínima após a grande desvalorização.

Isto não demonstra uma certeza de que tudo voltará ao normal, mas demonstra um teste em relação ao valor que o investidor dá para a sua tranquilidade emocional.

Se o mesmo não confia nas empresas que possui em sua carteira, e não consegue esperar o prazo de meses ou anos para estas empresas superarem este momento ruim, o preço de sua tranquilidade é o valor do prejuízo assumido nas vendas de suas ações.

Mas por outro lado, aqueles que conhecem e confiam nestas mesmas empresas, possuem dois tipos de decisão a serem consideradas: esperar que o tempo passe na expectativa da normalização do mundo, ou aproveitar a grande oportunidade de aumentar o percentual de sua sociedade a um custo muito mais baixo, que jamais era esperado.

* Gustavo Vaz é assessor de investimentos e operador de renda variável na Atrio Investimentos.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Lançado o primeiro carrinho inteligente da América Latina

Com o novo carrinho inteligente da Nextop no Enxuto é possível contabilizar e pagar as compras com total autonomia.

Lançado o primeiro carrinho inteligente da América Latina

A promessa da Enjin Coin (ENJ) caiu por terra. As perspectivas de Mushe (XMU) continuam crescendo

A Enjin Coin (ENJ) trouxe uma forma interessante de integrar partes anteriormente díspares do espaço dos criptoativos. Porém, será que sua valorização se manterá consistente ao longo do tempo?

A promessa da Enjin Coin (ENJ) caiu por terra. As perspectivas de Mushe (XMU) continuam crescendo

Artesãos mineiros expõem seus produtos no 15º Salão do Artesanato, em Brasília

Evento, que acontece de 04 a 08 de maio, reunirá mais de 500 artesãos de 25 estados do Brasil.

Artesãos mineiros expõem seus produtos no 15º Salão do Artesanato, em Brasília

Faturamento de bares e restaurantes deve aumentar 30% no Dia das Mães

Data é segundo melhor dia do ano em relação ao movimento, diz Abrasel.

Faturamento de bares e restaurantes deve aumentar 30% no Dia das Mães

Wax (WAXP) e Mushe (XMU): as melhores criptomoedas eco-friendly

Existe uma forma para as finanças descentralizadas se tornarem mais sustentáveis. Aqui estão as empresas que estão pavimentando o caminho.

Wax (WAXP) e Mushe (XMU): as melhores criptomoedas eco-friendly

Percentuais de endividados e inadimplentes são os maiores em 12 anos

Índice de endividados chegou a 77,7% em abril. O cartão de crédito é o principal motivo das dívidas.

Percentuais de endividados e inadimplentes são os maiores em 12 anos

Financiar carro vale a pena?

Especialista em análise de crédito esclarece os principais mitos dessa alternativa.

Financiar carro vale a pena?

Você e seu time estão progredindo?

Em qualquer empreitada, pessoal, profissional ou de times, medir resultados é crucial.


A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.


Kanban ainda é pouco explorado, mas pode revolucionar o cotidiano das empresas

Como trazer soluções efetivas em condições de fluxo de atividade em escala?

Kanban ainda é pouco explorado, mas pode revolucionar o cotidiano das empresas

Investimentos registram captação de R$ 46 bi no primeiro trimestre

O segmento de fundos de investimentos fechou o primeiro trimestre de 2022 com absorção líquida de R$ 46,1 bilhões, movimentação de 56,9% menor do que o observado no mesmo período de 2021.


Cadastro Positivo insere mais de 464 mil mineiros no mercado de crédito

Dados divulgados pela ANBC demonstram contingente da população mineira que se beneficiou da primeira consulta de crédito após a implantação do Cadastro Positivo com adesão automática.

Cadastro Positivo insere mais de 464 mil mineiros no mercado de crédito