Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Correios: mudanças para crescer

Correios: mudanças para crescer

19/03/2020 Lucas Lautert Dezordi

Nos últimos anos, as transações econômicas via internet ganharam velocidade e intensidade.

Para termos uma ideia, os relatórios sobre e-commerce da Ebit|Nielsen apontaram um crescimento de 12% no primeiro semestre de 2019 em relação ao mesmo período do ano anterior, chegando a uma receita de R$ 26,4 bilhões.

Cada vez mais, os brasileiros buscam nas compras online presentear seus pais, filhos, companheiros e amigos.

Estamos observando uma diversificação cada vez maior de produtos nesse segmento e a entrega final dos produtos e pacotes deve ser ágil e precisa.

Entretanto, a atuação dos Correios no comércio virtual caiu quase 20% nos últimos 6 anos, como aponta estudo conduzido pela Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (Abcomm).

A participação da estatal passou de 81%, em 2013, para cerca de 62,5% em 2019. Em contrapartida, no mesmo período, a participação das transportadoras privadas no comércio eletrônico saltou de 15% para 33,4%.

A dificuldade dos Correios em ampliar sua competitividade e eficiência nos serviços, frente ao crescimento das transportadoras privadas, é um importante argumento para a privatização desse segmento.

Contudo, buscando um modelo de desestatização que sustente a concorrência. Para que isso aconteça, é preciso que a formatação da abertura da empresa não aconteça de forma integral, ou seja, saia do monopólio estatal para se tornar um monopólio privado.

Logo, a divisão dessa oferta, oportunizando que várias empresas tenham a possibilidade de atuação, se mostra um caminho sensato. Dividir os Correios por áreas de atuação, regiões etc., pode ser uma alternativa.

Os recentes escândalos envolvendo corrupção nos Correios e sua gestão ineficiente são elementos que favorecem a privatização.

Comandar a estatal, além do prejuízo financeiro, enfraqueceu a imagem do estado, que foi carimbado, mais uma vez, como administrador ineficiente. E está na gestão o maior benefício da entrada da iniciativa privada.

O comando dos serviços de postagens gerido por empresas profissionais, que buscam eficiência e qualidade, tende a beneficiar todos os usuários do serviço.

Muitos governos estrangeiros já passaram por esse processo de desestatização e estão satisfeitos com as mudanças.

Dos países integrantes da União Postal Universal, que reúne 192 nações, 56 renunciaram às empresas públicas para deixá-las a cargo da iniciativa privada. Na lista, temos a Alemanha, que fez a transição gradual.

Em 1995, abriu parte do processo, ficando com o monopólio de envio de cartas até 50g, mas, em 2007, repassou tudo para a gestão privada. Portugal acabou com o monopólio em 2014.

Além da venda direta da empresa - seja ela de forma integral ou em partes -, outra alternativa para a diminuição da participação do estado é a abertura de mercado.

Neste formato, a empresa passa a ser mista, podendo abrir capital para venda de ações e, assim, ter uma fonte extra de arrecadação.

O fato é que os Correios precisam de mudanças para crescer e as opções do mercado devem fazer parte desse processo. A resposta deve partir dos estudos de viabilidade.

Existem muitos caminhos para aliviar o governo, impulsionar o crescimento e entregar mais qualidade aos usuários. Que prevaleça a decisão técnica e consciente dos governantes.

* Lucas Lautert Dezordi é doutor em Economia, sócio da Valuup Consultoria, economista-chefe da Trivèlla M3 Investimentos e professor da Universidade Positivo.

Fonte: Central Press



Lançado o primeiro carrinho inteligente da América Latina

Com o novo carrinho inteligente da Nextop no Enxuto é possível contabilizar e pagar as compras com total autonomia.

Lançado o primeiro carrinho inteligente da América Latina

A promessa da Enjin Coin (ENJ) caiu por terra. As perspectivas de Mushe (XMU) continuam crescendo

A Enjin Coin (ENJ) trouxe uma forma interessante de integrar partes anteriormente díspares do espaço dos criptoativos. Porém, será que sua valorização se manterá consistente ao longo do tempo?

A promessa da Enjin Coin (ENJ) caiu por terra. As perspectivas de Mushe (XMU) continuam crescendo

Artesãos mineiros expõem seus produtos no 15º Salão do Artesanato, em Brasília

Evento, que acontece de 04 a 08 de maio, reunirá mais de 500 artesãos de 25 estados do Brasil.

Artesãos mineiros expõem seus produtos no 15º Salão do Artesanato, em Brasília

Faturamento de bares e restaurantes deve aumentar 30% no Dia das Mães

Data é segundo melhor dia do ano em relação ao movimento, diz Abrasel.

Faturamento de bares e restaurantes deve aumentar 30% no Dia das Mães

Wax (WAXP) e Mushe (XMU): as melhores criptomoedas eco-friendly

Existe uma forma para as finanças descentralizadas se tornarem mais sustentáveis. Aqui estão as empresas que estão pavimentando o caminho.

Wax (WAXP) e Mushe (XMU): as melhores criptomoedas eco-friendly

Percentuais de endividados e inadimplentes são os maiores em 12 anos

Índice de endividados chegou a 77,7% em abril. O cartão de crédito é o principal motivo das dívidas.

Percentuais de endividados e inadimplentes são os maiores em 12 anos

Financiar carro vale a pena?

Especialista em análise de crédito esclarece os principais mitos dessa alternativa.

Financiar carro vale a pena?

Você e seu time estão progredindo?

Em qualquer empreitada, pessoal, profissional ou de times, medir resultados é crucial.


A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.


Kanban ainda é pouco explorado, mas pode revolucionar o cotidiano das empresas

Como trazer soluções efetivas em condições de fluxo de atividade em escala?

Kanban ainda é pouco explorado, mas pode revolucionar o cotidiano das empresas

Investimentos registram captação de R$ 46 bi no primeiro trimestre

O segmento de fundos de investimentos fechou o primeiro trimestre de 2022 com absorção líquida de R$ 46,1 bilhões, movimentação de 56,9% menor do que o observado no mesmo período de 2021.


Cadastro Positivo insere mais de 464 mil mineiros no mercado de crédito

Dados divulgados pela ANBC demonstram contingente da população mineira que se beneficiou da primeira consulta de crédito após a implantação do Cadastro Positivo com adesão automática.

Cadastro Positivo insere mais de 464 mil mineiros no mercado de crédito