Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Empresas podem ainda ser obrigadas a descontar na folha a contribuição sindical?

Empresas podem ainda ser obrigadas a descontar na folha a contribuição sindical?

15/04/2019 Marcella Mazza

A Reforma Trabalhista, promovida no Brasil em novembro de 2017, acabou com a contribuição sindical obrigatória para os trabalhadores.

A Reforma Trabalhista, promovida no Brasil em novembro de 2017, acabou com a contribuição sindical obrigatória para os trabalhadores e promoveu mudança na legislação que permitiu que os acordos trabalhistas passassem a prevalecer sobre o que está determinado na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Foi o fim do também chamado imposto sindical e a possibilidade de que fossem firmados acordos entre trabalhadores e empresas mais vantajosos do que o que está na lei.

Tal modernização das relações de trabalho se juntou, em março do ano presente, à proibição do desconto da contribuição sindical na folha de pagamento das empresas. Contudo, a mais nova alteração segue sendo discutida e criticada e tem feito com que surja o questionamento entre trabalhadores e empresários sobre a possibilidade de que as empresas ainda sejam obrigadas a fazer o desconto ou de que a mudança ainda seja revertida.

Essa dúvida só aumentou após decisão conferida no início de abril pela 8ª Vara do Trabalho de Porto Velho (RO), que atendeu a ação do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Bebidas e Similares de Rondônia (SITIBRON) e permitiu o desconto na folha de pagamento.

Atualmente, é preciso ter em mente que há três possibilidades de que as empresas sejam obrigadas a efetuar o desconto.

O que ocorre é que a mudança surgiu por meio da Medida Provisória (MP) nº 873, publicada no Diário Oficial da União no dia 1º de março, que proibiu o desconto e determinou que o pagamento deve ser feito através de boleto bancário emitido pelo Sindicato. Contudo, a MP precisa ser votada pelo Congresso Nacional em até 120 dias e transformada em lei ordinária para que a alteração seja mantida. O desconto pode voltar a ser liberado caso os parlamentares não votem a medida em tempo hábil. O prazo está em curso até julho e até lá a proibição ainda não é definitiva.

A segunda possibilidade de liberação do desconto diz respeito ao ocorrido na Justiça de Trabalho de Rondônia e não possui efeitos para todas as empresas do país. Ainda é possível que entidades sindicais entrem com ações na Justiça e conquistem liminares favoráveis à liberação do desconto em favor de sua categoria, como foi logrado pelo sindicato regional de trabalhadores de indústrias e bebidas. Entretanto, as demais empresas, que não possuem relação com os respectivos processos, não terão a obrigatoriedade de realizar o desconto.

A terceira e última possibilidade diz respeito a ações que correm atualmente no Supremo Tribunal Federal (STF). São ações que podem reconhecer a inconstitucionalidade da medida, e com isso terão efeito sob todas as empresas do país, assim como a não votação da Medida Provisória no Congresso Nacional.

Atualmente, por exemplo, aguarda análise na Suprema Corte a Ação Direta de Inconstitucionalidade impetrada pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). O ministro Luis Fux, após pedir esclarecimentos ao Presidente da República, não concedeu a liminar requerida e enfatizou a necessidade da matéria ser decidida pelos Ministros que compõe o STF, de modo que seja eventualmente concedida apenas por maioria absoluta. Ocorreu o mesmo com outras ADIns apresentadas ao ministro.

Mas, de fato, é positivo para empresas e trabalhadores que seja mantida a proibição do desconto?

Corresponderia a uma modernização das relações de trabalho se fosse mantida a alteração de regra que foi determinada pela Medida Provisória 873. Manter fora do ambiente de trabalho a relação entre os funcionários e o órgão representativo da categoria parece mais adequado do que a situação em que a relação de eventual cobrança e recebimento não se dê diretamente entre o credor, o sindicato, e o suposto devedor, o trabalhador, por meio do desconto na folha de pagamento.

Pensando não apenas na MP, as alterações na legislação trabalhista promovidas em 2017, junto à Medida Provisória, visam a modernidade das relações estabelecidas entre os sindicatos e os empregados. Há muito tempo se debate sobre o papel do sindicato e o seu tipo de atuação em nome dos seus representados.

É importante estabelecer novos procedimentos para desburocratizar o sistema para as empresas e favorecer uma reorganização da atuação sindical no país. Ainda seguirá por mais tempo essa discussão.

* Marcella Mazza é especialista em Direito do Trabalho e advogada do escritório Baraldi Mélega Advogados

Fonte: Ex-Libris Comunicação Integrada



Franquias de chocolate de baixo investimento são os mais buscados

Maioria dos interessados em franquias de chocolate buscam investir com capital de até R$ 50 mil

Franquias de chocolate de baixo investimento são os mais buscados

PIB fica estável no trimestre encerrado em fevereiro

No acumulado de 12 meses, PIB registra alta é de 1,1%

PIB fica estável no trimestre encerrado em fevereiro

Opinião: As mentiras do ex-chefão da Volks

Denúncia contra Martin Winterkorn é mais um passo no processo legal das fraudes nas emissões de motores a diesel da montadora.

Opinião: As mentiras do ex-chefão da Volks

Mais de 8,5 mil empresas foram abertas por dia em 2019

Dados do Empresômetro apontam mais de 722 mil empresas formalizadas no primeiro trimestre do ano

Mais de 8,5 mil empresas foram abertas por dia em 2019

Mundo VUCA e a explosão da economia GIG

Não é de hoje que percebemos a necessidade de nos adaptarmos às mudanças.


Funcionário feliz é mais produtivo

Sabe de uma coisa? Equilibrar a vida pessoal e profissional não é fácil, quem dirá o emocional.

Funcionário feliz é mais produtivo

Cadastro Positivo: o que muda para o consumidor?

Nova lei torna o acesso ao crédito mais fácil para consumidores e empresas que honram seus compromissos financeiros

Cadastro Positivo: o que muda para o consumidor?

Produção de grãos deve crescer 2,1%, diz Conab

Produção de grãos deve alcançar 235,3 milhões de toneladas na safra 2018/2019

Produção de grãos deve crescer 2,1%, diz Conab

Exportações do agronegócio mineiro crescem no primeiro trimestre

Valor alcança US$ 1,75 bilhão, com aumento de 1,6% em relação ao mesmo período do ano passado

Exportações do agronegócio mineiro crescem no primeiro trimestre

As mulheres no mercado de trabalho

Apesar das mulheres representarem 52% da força de trabalho no mercado brasileiro, apenas 38% dos cargos de chefia são ocupados por elas.

As mulheres no mercado de trabalho

Governo sanciona lei do novo Cadastro Positivo

Medida pode beneficiar até 130 milhões de consumidores brasileiros

Governo sanciona lei do novo Cadastro Positivo

Os Family Offices

A governança corporativa de grupos familiares.