Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Empresas podem fiscalizar as redes sociais de seus colaboradores?

Empresas podem fiscalizar as redes sociais de seus colaboradores?

17/09/2022 Aline Mara Gumz Eberspacher

A expressão rede social nos remete a um contexto de relações sociais, amizades, grupos e interações.

Empresas podem fiscalizar as redes sociais de seus colaboradores?

Somos seres sociáveis, naturalmente buscamos as relações sociais, crescemos e precisamos dos grupos para termos momentos de diversão, consolo e compartilhamento das nossas ideias e conquistas. As redes sociais se tornaram virtuais, ficamos dependentes do Facebook, do Instagram, do LinkedIn entre outros. Segundo uma pesquisa da Globo Digital Overview de 2020,  no Brasil já somos 140 milhões de usuários das redes sociais, estamos em terceiro lugar no ranking dos países que mais tempo permanecem online.

De tal forma vivemos em uma era de exposição constante. Registramos nossos melhores momentos para compartilhar o tempo todo felicidade e poucas frustrações.  Entretanto, nem todas as exposições nas redes sociais são uteis. Temos que estar cientes que uma vez postado na rede social não há controle da dimensão do alcance, nem de quem está vendo nossas imagens. Este contexto é válido também para as empresas que monitoram as pessoas pelas redes sociais, seja para quem está empregado ou para quem está procurando um emprego.

Tanto os setores de RH como os headhunters analisam o perfil dos colaboradores e dos candidatos nas redes sociais, há uma preocupação com a imagem que o colaborador transmite ou irá transmitir da empresa. O uso das mídias sociais deixou muito tênue a separação entre a dimensão privada e profissional. A linha que delimita essa barreira é muito delicada, mesclando o que é de interesse da empresa e o que é de interesse pessoal.  

Diversos aplicativos possuem recursos para fazer postagens em grupos fechados, com acesso restrito de visualização, esta configuração é indicada para usos pessoais, festas ou afins. Mesmo assim, é necessário ficar atento, visto que alguém deste grupo pode repostar sua imagem em alguma situação constrangedora e você pode perder o controle do contexto, prejudicando a sua reputação.  Vale lembrar que o que é falado em uma mesa de bar evapora, diferentemente de uma publicação nas redes sociais, pois a internet tem memória longa.

Fica então a pergunta: a empresa pode vigiar a rede social dos seus colaboradores? A empresa transmite uma imagem para a sociedade, através da missão, da visão e dos valores, através do marketing institucional, do produto que oferece a sociedade entre outros. Quando um colaborador se expõe nas redes sociais ele expõe também a imagem da organização, podendo contribuir ou prejudicar o que a sua organização considera adequado ou ético. Dentro deste contexto a empresa pode sim acompanhar as redes sociais de seus colaboradores, com o intuito de proteger a sua imagem institucional.

Além destes fatores, a legislação também favorece a empresa. Apesar da CLT ser de 1943, no caso da publicação em redes sociais de atos ofensivos a honra do empregador ou superiores hierárquicos, constituem motivos para a dispensa por justa causa, que pode ser aplicada com base no artigo 482, alínea "k", da CLT.

Enquanto há um vínculo empregatício, há uma ligação direta entre o empregado e o empregador, nesse caso o bom senso deve guiar essa relação através de uma postura respeitosa.

Então, para postar considere algumas dicas:

Se beber não poste! Não responda ou faça comentários nas redes sociais depois de beber, você poderá se arrepender.

Atenção à quantidade de postagens, pode parecer que você está preocupado somente em aparecer e com pouco foco no trabalho.

Falar mal do chefe, colegas e da empresa não pega bem e pode dar demissão por justa causa.

Postar imagens com trajes íntimos, ou com exposição do corpo em situações incomuns, constrange e não pega bem no ambiente profissional.

Não exponha tudo que você faz no seu cotidiano, além de ser enfastiante, é perigoso para sua segurança pessoal.

Estamos em um ano eleitoral, com muito extremismo na política; antes de postar ou se posicionar politicamente, pense se vale a pena o desgaste que pode lhe causar.

Reflita sempre: qual o objetivo da minha postagem? O que eu desejo transmitir com a minha publicação?

E, sobretudo, não publique no ambiente virtual o que você não falaria na frente de seus colegas.

Concluindo, tudo o que você posta nas redes socais pode ser utilizado para impulsionar ou prejudicar sua carreira.

* Aline Mara Gumz Eberspacher, Doutora em Sociologie pela Université Paul Valery (Montpellier-França). Coordenadora de cursos de pós-graduação na área de Négocios do UNINTER.

Para mais informações sobre redes sociais clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: NQM Comunicação



A estratégia de folha de pagamento na prática

Se os funcionários são o coração pulsante de uma organização, então a folha de pagamento é, de muitas maneiras, o sangue que a percorre.

Autor: Jeff Phipps

A estratégia de folha de pagamento na prática

União da Contabilidade e Marketing voltados para o ESG

O termo ESG surgiu há alguns anos e já tem se tornado prioridade no mundo dos negócios por estar embasado nas práticas ambientais, sociais e de administração de uma empresa.

Autor: Priscilla Helena Afonso Ejzenbaum

União da Contabilidade e Marketing voltados para o ESG

Como calcular o potencial de faturamento do seu negócio?

Conhecer o preço ideal da hora trabalhada em seu escritório ajuda a decidir quanto cobrar e qual pode ser a margem de lucro.

Autor: Beatriz Machnick

Como calcular o potencial de faturamento do seu negócio?

Como um ERP pode aumentar a eficiência de uma empresa?

Em meio a um cenário empresarial dinâmico e em evolução constante, a adoção de um sistema de gestão torna-se imprescindível para garantir a eficiência operacional.

Autor: Júlio Baruchi e Rodrigo Franco

Como um ERP pode aumentar a eficiência de uma empresa?

Felicidade nas empresas: ambientes resilientes e produtivos

Desde que o mundo é mundo, a felicidade sempre foi o tema da existência humana.

Autor: Nancy Quintela e Walderez Fogarolli

Felicidade nas empresas: ambientes resilientes e produtivos

Você sabe a importância do marketing e do branding para um bom líder?

Há duas ferramentas que são essenciais para um bom líder utilizar e ajudar a criar uma imagem positiva e forte da sua marca e negócio: o marketing e o branding.

Autor: Leonardo Chucrute

Você sabe a importância do marketing e do branding para um bom líder?

Quais os principais erros cometidos na hora de investir em cibersegurança?

Se as empresas estão engajadas na temática de segurança, por que continuamos vendo casos de ciberataques?

Autor: Renata Barros e Tailan Oliveira

Quais os principais erros cometidos na hora de investir em cibersegurança?

5 desafios de trade marketing

Como as empresas devem se preparar para 2024.

Autor: Kleber Astolfi

5 desafios de trade marketing

Empreender sem funcionários? Dicas para administrar o próprio negócio

Como alternativa para começar o próprio negócio, investir em empresas sem colaboradores é uma opção para ter autonomia com o trabalho.

Autor: Divulgação

Empreender sem funcionários? Dicas para administrar o próprio negócio

Por que abandonar o ‘marketês’ nas relações com clientes

Em novo livro, Carolina Fernandes incentiva pequenos e grandes empresários a abrasileirarem a comunicação para reforçar proximidade com todos os públicos.

Autor: Divulgação


“Contrato de gaveta” pode trazer instabilidade jurídica à sua empresa?

Contratos sem registro legal podem ser mais rápidos, mas trazem insegurança jurídica para a empresa.

Autor: Divulgação

“Contrato de gaveta” pode trazer instabilidade jurídica à sua empresa?

Adulteração de áudios e vídeos com uso de IA é um risco empresarial

É fundamental sempre comunicar os clientes e seguidores as campanhas em atividade, bem como orientá-los que façam uso apenas dos canais oficiais da empresa.

Autor: Gustavo Alonge

Adulteração de áudios e vídeos com uso de IA é um risco empresarial