Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Ética e regras claras como padrão

Ética e regras claras como padrão

30/10/2019 Selma Azevedo

Combater práticas irregulares e fortalecer a construção de um ambiente ético e socialmente responsável é preocupação cada vez mais presente em empresas e instituições.

As organizações percebem, a cada dia, a importância de implantar programas para minimizar os riscos de exposições negativas que comprometam resultados e sua reputação.

Políticas de compliance são uma espécie de guia norteador que mostram como colaboradores devem agir e trabalhar. Elas contribuem de maneira significativa para a gestão das instituições.

Uma área específica da empresa fica responsável por analisar de forma meticulosa todos os riscos operacionais, zelar pela manutenção e cumprimento dos controles internos e trabalhar no desenvolvimento de projetos de melhoria contínua.

Dessa forma, quando protocolos internos são quebrados, fica mais fácil identificar os responsáveis, pois a conscientização dos colaboradores sobre a importância de tal passo para toda a empresa provoca impactos positivos na cultura organizacional.

Programas de compliance podem ser implantados em empresas de qualquer porte ou natureza, sem precisar, necessariamente, manter negócios ou relações com o setor público.

O foco do compliance vai muito além das negociações governamentais. Está relacionado à criação, divulgação e manutenção de políticas para as mais diversas áreas da empresa, tais como marketing, comercial, gestão de pessoas e relacionamento com fornecedores.

O que o compliance prioriza é tudo aquilo que temos o dever moral de priorizar, mas, que no cotidiano das complexas relações negociais, com frequência, necessita de regras claras para o direcionamento das ações de acordo com as boas práticas. Nesse processo, o apoio de profissionais especializados é fundamental.

A Lei Anticorrupção, aprovada no Brasil em 2013, e o cenário atual, em que grandes companhias estão sendo investigadas e julgadas pela opinião pública no mundo todo, tornam o momento propício para darmos ainda mais luz ao tema.

A sociedade está cada vez mais atenta, participativa e exigente. Consumidores fazem questão de pesquisar quais os valores cultivados por empresas e marcas com as quais eles se relacionam.

Investir em compliance traz benefícios que tornam-se visíveis, melhorando a imagem da organização e criando um diferencial competitivo para quem o adota.

Com um número cada vez maior de pessoas dispostas a fazer a sua parte, empresas de todos os segmentos também devem colaborar no combate à corrupção e práticas nocivas à coletividade.

Inclui-se aí as escolas, que estão intimamente integradas à comunidade e têm a importante missão de contribuir diretamente na formação de cidadãos.

Essas instituições estão sujeitas a uma série de normas e regulamentos, e expostas a riscos diários que precisam ser mitigados com políticas de atendimento, de uso de redes sociais, de gestão da informação, entre outras.

A mentalidade de boa parte da população está mudando e as instituições de ensino podem, por meio das futuras gerações, ajudar a tornar definitiva essa nova cultura.

O exemplo, como sempre, é o melhor caminho, e se queremos que o “jeitinho brasileiro” acabe, ainda há muito por fazer. Não podemos nos omitir e nem perder tempo.

* Selma Azevedo é gerente Jurídica e de Compliance do Grupo Positivo.

Fonte: Central Press



Poupança tem menor retirada líquida para outubro em cinco anos

Saques superaram depósitos em R$ 247,2 mi no mês.

Poupança tem menor retirada líquida para outubro em cinco anos

13º salário: como se preparar para o benefício

Especialista dá dicas para o bom uso desse dinheiro.

13º salário: como se preparar para o benefício

Fracasso: 15 hábitos poderosos para evitá-lo e atingir metas

Fracasso é algo que todos evitam e que ninguém deseja estar suscetível.

Fracasso: 15 hábitos poderosos para evitá-lo e atingir metas

Preservar a empresa e punir os corruptos

Já passou da hora de a legislação fazer distinção clara entre as pessoas físicas dos proprietários e dirigentes, de um lado, e a pessoa jurídica da empresa, de outro.


Index: Faturamento real avança pelo segundo mês consecutivo

Cenário mais favorável ao consumo deve contribuir para aquecimento da atividade industrial.

Index: Faturamento real avança pelo segundo mês consecutivo

Comércio terá impacto positivo com queda dos juros de imóveis

Redução dos juros para o financiamento de imóveis terá impacto de R$ 5,2 bilhões no comércio, diz CNC.

Comércio terá impacto positivo com queda dos juros de imóveis

3 dicas para quem trabalha com transporte de cargas pesadas

O mercado do transporte de cargas pesadas evoluiu muito no Brasil nos últimos anos.

3 dicas para quem trabalha com transporte de cargas pesadas

Tudo o que você precisa saber para entrar no mercado de reparo automotivo

Para muitos, ter seu próprio negócio é um sonho de vida e um caminho para a riqueza pessoal.

Tudo o que você precisa saber para entrar no mercado de reparo automotivo

Inove no Panetone e aqueça as vendas de Natal

Com a proximidade dos festejos de final de ano e a receita adicional no orçamento, existe uma forte tendência de diversificação no consumo de alimentos.


A Humanização da Indústria 4.0: é preciso engajar para inovar

Quando se fala em indústria 4.0 e o futuro da tecnologia aplicada em processos produtivos, é fundamental deixar claro que estamos falando, na verdade, do presente.


Padarias já se planejam para vendas no fim do ano

Campanha “Compre e Concorra” quer atender melhor e aumentar as vendas durante o período.

Padarias já se planejam para vendas no fim do ano

Voluntariado como estratégia de Inovação

A relação entre Programas de Voluntariado Empresarial (PVE) e a capacitação de funcionários para inovação pode ser algo impensável à primeira vista para quem desconhece o tema.