Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Governança é fundamental em tempos de coronavírus

Governança é fundamental em tempos de coronavírus

19/03/2020 Thomas Lanz

Ainda está na lembrança de muitos empresários e executivos, as tantas crises que o país atravessou há algumas décadas em um cenário de constante inflação elevada.

Enfrentamos os mais diversos planos e medidas governamentais que, em geral, pegavam todos de surpresa.

Os ex ministros Delfim Netto, Bresser e Mário Henrique Simonsen, na tentativa de debelar a espiral inflacionária, propunham e implantavem seus planos de ajuste.

Os presidentes Sarney e Collor também e, finalmente, o plano do Real pilotado por Fernando Henrique Cardoso possibilitou colocar a economia brasileira numa rota de maior estabilidade.

Naqueles tempos, empresários e executivos começavam seu dia de trabalho sem saber o que esperar.

A instabilidade e incerteza faziam parte do mundo dos negócios. Muitos ganhavam mais com a inflação do que com o resultado operacional de seus negócios.

Como uma corrente sem fio, as medidas tomadas pelos executivos na eclosão das crises, se espalhavam rapidamente pelo mercado e eram adotadas. Após alguns dias tudo se acomodava de uma ou outra forma e a vida continuava.

Até o término do século passado, a governança ainda estava engatinhando em nosso país. Empresas de pequeno a médio portes e,  principalmente, as empresas familiares não tinham Conselhos formados enquanto as grandes empresas de capital aberto já tinham seus Conselhos de Administração. Corria à língua solta que os conselheiros iam às reuniões apenas para buscar o seu “jeton”.

De lá para cá, a governança amadureceu e progrediu muito. A cada dia que passa, mais e mais empresas de todos os portes e categorias vêm introduzindo as boas práticas de governança, tendo os conselhos como pivô central. Até pouco tempo atrás, os conselhos se reuniam para discutir e deliberar sobre todo tipo de assunto.

As pautas iam do acompanhamento do desempenho das empresas, discussões sobre estratégias empresariais, questões de gestão, câmbio, auditoria, compliance e eventualmente dificuldades pontuais ou potenciais ameaças. A gestão de riscos, com raras exceções, não fazia da pauta das reuniões de conselho.

Esta é, talvez, a primeira vez que os Conselhos estão sendo chamados a discutir os rumos de suas empresas frente a uma crise inusitada e de proporções nunca antes vivenciada no Brasil.

Variáveis da saúde pública, suprimentos, paralisação dos mercados e produção, queda das bolsas de valores, mobilidade urbana, transporte entre outros irão  interferir simultaneamente no andamento dos negócios.

No atual cenário não se sabe para onde os ventos irão soprar e que tempestades poderão ainda assolar os mercados.

Àqueles que ainda não têm Conselhos, deveriam formar comitês de crises, convidando pessoas de sua confiança para ajudar na discussão e tomada de decisões frente à crise que começa a abalar os mercados e que certamente se agravará nas próximas semanas.

Para empresas que já tem os seus conselhos constituídos, estes deveriam ser transformados em conselhos de crise, ou comitês de crise.

Certamente alguns membros destes conselhos tiveram experiências em épocas passadas sobre gestão de crises. Grande parte dos atuais gestores apenas escutaram falar das crises anteriores.

O Conselho terá por objetivo acompanhar  muito de perto as medidas operacionais que as suas empresas estão tomando, seja em relação à redução de custos, administração do caixa, corte ou postergação de investimentos. O Conselho deverá saber dosar o quanto frear e o quanto acelerar e a partir de quando.

Além da responsabilidade em relação à sobrevivência econômica financeira dos negócios, os conselhos e seus conselheiros precisarão estar muito atentos aos aspectos sociais.

O capital humano que tanto contribui para o desenvolvimento dos negócios deverá ser preservado ao máximo. A comunicação com os mais diversos stakeholders deverá ser feita com o máximo cuidado e civilidade. Será necessário aos conselhos pensar e fazer pesar a responsabilidade social das suas organizações.

Os pilares da boa governança corporativa, ou seja, a prestação de contas, transparência, equidade e responsabilidade social deverão guiar e sustentar mais do que nunca as decisões e orientações dos conselhos em tempos de coronavírus.

* Thomas Lanz presidiu a Carbex Indústrias Reunidas e a Giroflex SA.

Fonte: Grupo Casa



Cinco principais competências para empreendedores e gestores

É comum que os gestores consigam acelerar o desenvolvimento de um negócio por terem uma visão mais ampla da empresa.

Cinco principais competências para empreendedores e gestores

Pagamentos com cartões de crédito crescem 42% no primeiro trimestre

Aumento está relacionado à expansão do comércio online, diz associação.

Pagamentos com cartões de crédito crescem 42% no primeiro trimestre

Exporta SP oferece 150 vagas em capacitação gratuita para exportação

Programa online é voltado para micro, pequenas e médias empresas de qualquer região do estado, que ainda recebem acompanhamento por dois anos após o término.

Exporta SP oferece 150 vagas em capacitação gratuita para exportação

Lançado o primeiro carrinho inteligente da América Latina

Com o novo carrinho inteligente da Nextop no Enxuto é possível contabilizar e pagar as compras com total autonomia.

Lançado o primeiro carrinho inteligente da América Latina

A promessa da Enjin Coin (ENJ) caiu por terra. As perspectivas de Mushe (XMU) continuam crescendo

A Enjin Coin (ENJ) trouxe uma forma interessante de integrar partes anteriormente díspares do espaço dos criptoativos. Porém, será que sua valorização se manterá consistente ao longo do tempo?

A promessa da Enjin Coin (ENJ) caiu por terra. As perspectivas de Mushe (XMU) continuam crescendo

Artesãos mineiros expõem seus produtos no 15º Salão do Artesanato, em Brasília

Evento, que acontece de 04 a 08 de maio, reunirá mais de 500 artesãos de 25 estados do Brasil.

Artesãos mineiros expõem seus produtos no 15º Salão do Artesanato, em Brasília

Faturamento de bares e restaurantes deve aumentar 30% no Dia das Mães

Data é segundo melhor dia do ano em relação ao movimento, diz Abrasel.

Faturamento de bares e restaurantes deve aumentar 30% no Dia das Mães

Wax (WAXP) e Mushe (XMU): as melhores criptomoedas eco-friendly

Existe uma forma para as finanças descentralizadas se tornarem mais sustentáveis. Aqui estão as empresas que estão pavimentando o caminho.

Wax (WAXP) e Mushe (XMU): as melhores criptomoedas eco-friendly

Percentuais de endividados e inadimplentes são os maiores em 12 anos

Índice de endividados chegou a 77,7% em abril. O cartão de crédito é o principal motivo das dívidas.

Percentuais de endividados e inadimplentes são os maiores em 12 anos

Financiar carro vale a pena?

Especialista em análise de crédito esclarece os principais mitos dessa alternativa.

Financiar carro vale a pena?

Você e seu time estão progredindo?

Em qualquer empreitada, pessoal, profissional ou de times, medir resultados é crucial.


A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.