Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Governança é fundamental em tempos de coronavírus

Governança é fundamental em tempos de coronavírus

19/03/2020 Thomas Lanz

Ainda está na lembrança de muitos empresários e executivos, as tantas crises que o país atravessou há algumas décadas em um cenário de constante inflação elevada.

Enfrentamos os mais diversos planos e medidas governamentais que, em geral, pegavam todos de surpresa.

Os ex ministros Delfim Netto, Bresser e Mário Henrique Simonsen, na tentativa de debelar a espiral inflacionária, propunham e implantavem seus planos de ajuste.

Os presidentes Sarney e Collor também e, finalmente, o plano do Real pilotado por Fernando Henrique Cardoso possibilitou colocar a economia brasileira numa rota de maior estabilidade.

Naqueles tempos, empresários e executivos começavam seu dia de trabalho sem saber o que esperar.

A instabilidade e incerteza faziam parte do mundo dos negócios. Muitos ganhavam mais com a inflação do que com o resultado operacional de seus negócios.

Como uma corrente sem fio, as medidas tomadas pelos executivos na eclosão das crises, se espalhavam rapidamente pelo mercado e eram adotadas. Após alguns dias tudo se acomodava de uma ou outra forma e a vida continuava.

Até o término do século passado, a governança ainda estava engatinhando em nosso país. Empresas de pequeno a médio portes e,  principalmente, as empresas familiares não tinham Conselhos formados enquanto as grandes empresas de capital aberto já tinham seus Conselhos de Administração. Corria à língua solta que os conselheiros iam às reuniões apenas para buscar o seu “jeton”.

De lá para cá, a governança amadureceu e progrediu muito. A cada dia que passa, mais e mais empresas de todos os portes e categorias vêm introduzindo as boas práticas de governança, tendo os conselhos como pivô central. Até pouco tempo atrás, os conselhos se reuniam para discutir e deliberar sobre todo tipo de assunto.

As pautas iam do acompanhamento do desempenho das empresas, discussões sobre estratégias empresariais, questões de gestão, câmbio, auditoria, compliance e eventualmente dificuldades pontuais ou potenciais ameaças. A gestão de riscos, com raras exceções, não fazia da pauta das reuniões de conselho.

Esta é, talvez, a primeira vez que os Conselhos estão sendo chamados a discutir os rumos de suas empresas frente a uma crise inusitada e de proporções nunca antes vivenciada no Brasil.

Variáveis da saúde pública, suprimentos, paralisação dos mercados e produção, queda das bolsas de valores, mobilidade urbana, transporte entre outros irão  interferir simultaneamente no andamento dos negócios.

No atual cenário não se sabe para onde os ventos irão soprar e que tempestades poderão ainda assolar os mercados.

Àqueles que ainda não têm Conselhos, deveriam formar comitês de crises, convidando pessoas de sua confiança para ajudar na discussão e tomada de decisões frente à crise que começa a abalar os mercados e que certamente se agravará nas próximas semanas.

Para empresas que já tem os seus conselhos constituídos, estes deveriam ser transformados em conselhos de crise, ou comitês de crise.

Certamente alguns membros destes conselhos tiveram experiências em épocas passadas sobre gestão de crises. Grande parte dos atuais gestores apenas escutaram falar das crises anteriores.

O Conselho terá por objetivo acompanhar  muito de perto as medidas operacionais que as suas empresas estão tomando, seja em relação à redução de custos, administração do caixa, corte ou postergação de investimentos. O Conselho deverá saber dosar o quanto frear e o quanto acelerar e a partir de quando.

Além da responsabilidade em relação à sobrevivência econômica financeira dos negócios, os conselhos e seus conselheiros precisarão estar muito atentos aos aspectos sociais.

O capital humano que tanto contribui para o desenvolvimento dos negócios deverá ser preservado ao máximo. A comunicação com os mais diversos stakeholders deverá ser feita com o máximo cuidado e civilidade. Será necessário aos conselhos pensar e fazer pesar a responsabilidade social das suas organizações.

Os pilares da boa governança corporativa, ou seja, a prestação de contas, transparência, equidade e responsabilidade social deverão guiar e sustentar mais do que nunca as decisões e orientações dos conselhos em tempos de coronavírus.

* Thomas Lanz presidiu a Carbex Indústrias Reunidas e a Giroflex SA.

Fonte: Grupo Casa



Como empresas e empresários devem agir para sobreviver às intempéries

Intempérie. No dicionário, a definição para esse substantivo feminino traz como significado: mau tempo ou tempestade.

Autor: Haroldo Matsumoto

Como empresas e empresários devem agir para sobreviver às intempéries

Desafios empresariais

Empreender envolve correr riscos e encontrar soluções para os problemas das pessoas.

Autor: Leonardo Chucrute

Desafios empresariais

Um líder de verdade ensina o que sabe

Não são incomuns as histórias de profissionais que, voluntariamente, trocam de emprego para ganhar menos do que em suas posições anteriores.

Autor: Yuri Trafane

Um líder de verdade ensina o que sabe

Luciano Hang apoia manifesto isenção de impostos nas compras até US$50

Na noite de sexta-feira, 17, o dono da Havan, Luciano Hang, participou do jantar de encerramento do 39º Congresso Nacional de Sindicatos Empresariais (CNSE), em Balneário Camboriú (SC).

Autor: Divulgação


Como usar a inteligência emocional para lidar com os negócios?

Ser um empreendedor em um negócio altamente estressante é como estar em uma montanha-russa emocional.

Autor: João Roncati

Como usar a inteligência emocional para lidar com os negócios?

Azul cria fundo social para captação de recursos para desastres nacionais

Itaú Unibanco se torna o primeiro apoiador após doação de R$ 5 milhões.

Autor: Divulgação


Ultrapassei o limite do MEI e agora?

Entenda como funciona a transição para Microempresa.

Autor: Divulgação

Ultrapassei o limite do MEI e agora?

Por que tantas recuperações judiciais?

Nas últimas semanas, a imprensa reproduziu amplamente o indicador de recuperações judiciais produzido e monitorado pela Serasa Experian, a concorrente britânica do histórico SPC, este desenvolvido pela Câmara dos Dirigentes Logistas, que oferece serviços de proteção ao crédito.

Autor: Carlos Gomes


Empreendedorismo com propósito

Nasci em Nova Iguaçu, cidade do estado do Rio de Janeiro, e comecei a empreender desde muito cedo.

Autor: Leonardo Chucrute

Empreendedorismo com propósito

Reforma tributária: os desafios para impulsionar o crescimento econômico

“A simplificação do sistema tributário pode resultar em um catalisador para a criação de empregos, impulsionando a economia do país”, diz especialista.

Autor: Divulgação

Reforma tributária: os desafios para impulsionar o crescimento econômico

Empresário, você precisa sair do operacional

As estatísticas não são animadoras.

Autor: Paulo de Vilhena

Empresário, você precisa sair do operacional

Por que as PMEs são as mais vulneráveis à cibersegurança?

Embora elas possam enfrentar restrições orçamentárias, estão disponíveis soluções tecnológicas acessíveis e eficazes.

Autor: Denis Furtado

Por que as PMEs são as mais vulneráveis à cibersegurança?