Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Nova taxa da bolsa de valores sobre dividendos inquieta investidor

Nova taxa da bolsa de valores sobre dividendos inquieta investidor

04/02/2020 Ronaldo Murasawa

O ano de 2019 terminou com uma projeção positiva e otimista para o mercado financeiro.

A bolsa iniciou na casa dos 91 mil pontos, bateu recordes e renovou máximas históricas, fechando o período nos patamares de 117 mil pontos, contrapondo a taxa básica de juros (Selic) em 4,5%, a menor da história.

O cenário econômico em aquecimento, impulsionado pelas reformas do governo, trouxe à tona o chamado “Bull Market”.

Entretanto, contrariando as expectativas, no dia 2 de Janeiro - primeiro dia útil de 2020 – a Bolsa de Valores anunciou uma nova política de tarifação sobre dividendos e juros sobre capital próprio, até então, inexistente para pessoas físicas.

A medida trouxe descontentamento por parte do investidor e, desde então, começou a circular nas redes sociais a notícia da cobrança que ficou conhecida como a “CPMF dos proventos”.

De acordo com a nova taxa, a B3 passa a descontar o percentual de 0,12% do pagamento de dividendos e juros sobre capital dos investidores que possuam um patrimônio superior a R$ 20 mil, limitado ao teto de R$5 mil.

A tarifação vai incidir sobre ações e fundos imobiliários. Mas na prática, como isso impacta na carteira do investidor?

Primeiramente, vale destacar que a taxa permanecerá isenta para o pequeno investidor, aqueles que possuem patrimônio sob custódia inferior a R$20 mil.

Lembrando que esse valor é calculado somente sobre o montante investido em ações e fundos imobiliários. Segundo a instituição, esse perfil de investidor representa 65% do total de seus clientes do tipo pessoa física.

Para o investidor que possui mais de R$20 mil em renda variável, passará a incidir o percentual de 0,12% sobre cada pagamento de dividendos ou juros sobre capital próprio, sendo que a taxa não sofre alteração, mas é limitada ao teto de R$ 5 mil por tarifação.

É importante ressaltar que a tarifação é realizada por provento, individualmente, e a limitação do teto também. Isso quer dizer que um investidor pode ter descontos superiores a R$5 mil dentro de um mesmo mês, basta que tenha uma quantidade de proventos que, somados ultrapassem este valor.

Contudo, na data em que foram anunciadas as mudanças, o presidente da B3, Gilson Finkelsztain, disse que entre as razões para a implementação das medidas, estava o entendimento de que as tarifas poderiam ser um “gargalo” para a atração de novos clientes por parte das corretoras. Ou seja, o foco das mudanças está no pequeno investidor de varejo.

Segundo a B3, as mudanças serão implementadas ao longo do ano e espera-se um impacto positivo para a expansão da base de investidores pessoas físicas. Ficou confuso? Vou explicar.

Para chegarmos a uma conclusão sobre o impacto que as novas medidas irão causar, é imprescindível conhecer e entender todo o novo modelo de tarifação proposto pela B3.

Com as mudanças, a taxa mensal de manutenção de contas será zerada e a taxa de negociação de ações na B3 reduzirá cerca de 10% para pessoas físicas.

Além disso, clientes com até R$ 20 mil em custódia em uma mesma corretora serão isentos das demais taxas de manutenção (como já dito aqui).

Segundo o site da B3, “a medida representa uma redução de aproximadamente R$250 milhões nas tarifas pagas pelos clientes da B3 no ano, considerando os volumes negociados nos últimos 12 meses”.

Ainda, conforme os dados da B3 em 2019, o número de contas ativas na depositária saltou de 643 mil para 1,5 milhão em outubro, sendo que cerca de um terço tem até R$ 5 mil investidos em renda variável.

Dessa forma, percebe-se que, em uma perspectiva geral, as novas medidas de tarifação são favoráveis aos pequenos investidores, que até então são a maioria.

A taxa que incidirá em grandes investidores trará um impacto mínimo visto o benefício que irá proporcionar à maioria. Seria uma tentativa de democratizar o mercado de renda variável?

O que se sabe é que a expectativa é a de incentivar novos entrantes e que as mudanças sejam implementadas ao longo do ano. Resta-nos observar para saber como o mercado irá se adaptar.

* Ronaldo Murasawa é assessor de investimentos da Monteverde Investimentos.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Multas e sanções administrativas podem ‘matar’ uma PME

Como evitá-las adequando-se à LGPD?

Autor: Ricardo Maravalhas

Multas e sanções administrativas podem ‘matar’ uma PME

Minas atrai investimento que vai gerar 300 vagas para engenheiros na Grande BH

Empresa Wabtec anuncia construção de novo centro de engenharia em Contagem após Minas vencer concorrência com estados de dez países.

Autor: Divulgação


Como empresas e empresários devem agir para sobreviver às intempéries

Intempérie. No dicionário, a definição para esse substantivo feminino traz como significado: mau tempo ou tempestade.

Autor: Haroldo Matsumoto

Como empresas e empresários devem agir para sobreviver às intempéries

Desafios empresariais

Empreender envolve correr riscos e encontrar soluções para os problemas das pessoas.

Autor: Leonardo Chucrute

Desafios empresariais

Um líder de verdade ensina o que sabe

Não são incomuns as histórias de profissionais que, voluntariamente, trocam de emprego para ganhar menos do que em suas posições anteriores.

Autor: Yuri Trafane

Um líder de verdade ensina o que sabe

Luciano Hang apoia manifesto isenção de impostos nas compras até US$50

Na noite de sexta-feira, 17, o dono da Havan, Luciano Hang, participou do jantar de encerramento do 39º Congresso Nacional de Sindicatos Empresariais (CNSE), em Balneário Camboriú (SC).

Autor: Divulgação


Como usar a inteligência emocional para lidar com os negócios?

Ser um empreendedor em um negócio altamente estressante é como estar em uma montanha-russa emocional.

Autor: João Roncati

Como usar a inteligência emocional para lidar com os negócios?

Azul cria fundo social para captação de recursos para desastres nacionais

Itaú Unibanco se torna o primeiro apoiador após doação de R$ 5 milhões.

Autor: Divulgação


Ultrapassei o limite do MEI e agora?

Entenda como funciona a transição para Microempresa.

Autor: Divulgação

Ultrapassei o limite do MEI e agora?

Por que tantas recuperações judiciais?

Nas últimas semanas, a imprensa reproduziu amplamente o indicador de recuperações judiciais produzido e monitorado pela Serasa Experian, a concorrente britânica do histórico SPC, este desenvolvido pela Câmara dos Dirigentes Logistas, que oferece serviços de proteção ao crédito.

Autor: Carlos Gomes


Empreendedorismo com propósito

Nasci em Nova Iguaçu, cidade do estado do Rio de Janeiro, e comecei a empreender desde muito cedo.

Autor: Leonardo Chucrute

Empreendedorismo com propósito

Reforma tributária: os desafios para impulsionar o crescimento econômico

“A simplificação do sistema tributário pode resultar em um catalisador para a criação de empregos, impulsionando a economia do país”, diz especialista.

Autor: Divulgação

Reforma tributária: os desafios para impulsionar o crescimento econômico