Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O cenário do trabalho do servidor nos pontos de fronteira

O cenário do trabalho do servidor nos pontos de fronteira

31/03/2020 Moisés Hoyos

Aduana brasileira mantém a rotina de apreensões nos portos, aeroportos e postos de fronteira em meio à pandemia do Coronavírus.

O governo brasileiro fechou as fronteiras terrestres com países sul-americanos no dia 19 de março, restringindo a entrada de pessoas do Suriname, Guiana Francesa, Guiana, Colômbia, Bolívia, Peru, Paraguai e Argentina.

A fronteira com a Venezuela foi fechada no dia 18 e com o Uruguai na noite de 23 de março. Essas medidas foram recomendadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em nota técnica elaborada com a justificativa de risco de contaminação e disseminação do Coronavírus (COVID-19).

O fechamento das fronteiras terrestres não restringiu a entrada de brasileiros, de imigrantes com autorização de residência definitiva no Brasil e de profissionais em missão de organismo internacional ou autorizados pelo governo brasileiro.

Também se manteve o tráfego de caminhões de carga, ações humanitárias que demandam o cruzamento das fronteiras e a circulação nas cidades-gêmeas, que são municípios cortados pela linha de fronteira seca, fluvial ou por obras e que têm potencial de integração socioeconômica.

Nas fronteiras brasileiras existem 33 cidades-gêmeas, 12 delas separadas somente por ruas ou alguma extensão de terra onde vivem milhares de cidadãos brasileiros.

Portos e aeroportos internacionais não foram fechados. Dessa forma o fluxo de passageiros e cargas, ainda que reduzido, continua sem interrupção, por ora.

Do isolamento da cidade chinesa de Wuhan, em 23 de janeiro, até o dia em que a Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciou a pandemia do Coronavírus, em 11 de março, quando foram relatadas 118 mil infecções em 114 nações com 4.291 mortos, passaram-se 47 dias.

O primeiro caso do Brasil foi registrado um dia após o anúncio da OMS. Uma pessoa vinda de Wuhan estava com o Coronavírus.

A partir desse, outros casos começaram a ser registrados evidenciando que as portas de entrada, nesse estágio inicial, eram os portos e aeroportos internacionais.

Todos já sabem, com mais ou menos detalhes, o desenrolar da pandemia em nosso país. O que muitos não sabem é que a Receita Federal do Brasil esteve e está na linha de frente na luta contra a propagação da COVID-19.

Em portos, aeroportos e postos de fronteira terrestre, com ou sem barreiras sanitárias, o fluxo do comércio internacional, importações e exportações, foi afetado pelo novo Coronavírus, contudo não cessou.

O controle aduaneiro se faz necessário nessas áreas alfandegadas e não há como deixar de promover um ambiente seguro para os intervenientes do comércio exterior, realizando procedimentos de desembaraço aduaneiro e controle de cargas e de bagagens.

Não existe a mínima possibilidade de a Receita Federal “baixar a guarda” para crimes como contrabando e descaminho, pois eles continuam ocorrendo.

Em plena pandemia de COVID-19, a Receita Federal apreendeu, no dia 23, no Porto de Paranaguá/PR mais de uma tonelada de cocaína que estava escondida em contêineres destinados à Europa.

No Porto de Santos/SP outra grande apreensão ocorreu no dia 17 de março, quando foram localizados 700 quilos de cocaína que tinham como destino à Alemanha.

De janeiro até o dia 23 de março, a Receita Federal do Brasil já apreendeu mais de nove toneladas de drogas ilícitas e mais de R$ 250 milhões em mercadorias, principalmente cigarros, eletroeletrônicos, vestuário, relógios e produtos de informáticas em diversos portos, aeroportos e postos de fronteira terrestre.

Essas apreensões comprovam que as restrições impostas pela pandemia não afetaram as ações do crime organizado internacional e que é fundamental que a Receita Federal prossiga com sua rotina de controle nas fronteiras, apresentando resultados expressivos na apreensão de drogas e mercadorias, mesmo em plena guerra contra a COVID-19.

A Receita Federal mantém todos os postos de controle aduaneiro em operação. Estão sendo realizadas as atividades de controle de carga, verificação de mercadorias e verificação de bagagem para os que cruzam as fronteiras terrestres.

Os Analistas-Tributários reforçaram sua atuação para contribuir com a sociedade nesse momento, reafirmando o objetivo de garantir o controle aduaneiro nas atividades de importação e exportação e, principalmente, assegurar a realização das atividades de fiscalização, vigilância e repressão.

Os servidores da RFB estão na linha de frente atuando na facilitação do comércio exterior, mas agindo também para garantir o combate ao contrabando, descaminho e tráfico internacional de drogas por todo o país. Nosso objetivo é facilitar e manter a segurança do fluxo do comércio internacional por nossas fronteiras.

Nem todos podem ficar em casa. Os Analistas-Tributários aduaneiros seguem trabalhando e contribuindo para a segurança da sociedade. A esses servidores públicos brasileiros, nosso imenso respeito.

Mesmo nessa hora de extrema dificuldade, os Analistas-Tributários e todos os servidores da Receita Federal do Brasil que atuam no controle aduaneiro em nossas fronteiras, não estão e nem podem estar em quarentena, pois seu trabalho e as atividades que desempenham são essenciais e consideradas indispensáveis ao atendimento das necessidades inadiáveis da comunidade e que se não forem realizados colocam em perigo a sobrevivência, a saúde ou a segurança da população.

* Moisés Hoyos é diretor de Assuntos Aduaneiros do Sindicato Nacional dos Analistas-Tributários da Receita Federal do Brasil (Sindireceita).

Fonte: Vera Moreira Comunicação



Lançado o primeiro carrinho inteligente da América Latina

Com o novo carrinho inteligente da Nextop no Enxuto é possível contabilizar e pagar as compras com total autonomia.

Lançado o primeiro carrinho inteligente da América Latina

A promessa da Enjin Coin (ENJ) caiu por terra. As perspectivas de Mushe (XMU) continuam crescendo

A Enjin Coin (ENJ) trouxe uma forma interessante de integrar partes anteriormente díspares do espaço dos criptoativos. Porém, será que sua valorização se manterá consistente ao longo do tempo?

A promessa da Enjin Coin (ENJ) caiu por terra. As perspectivas de Mushe (XMU) continuam crescendo

Artesãos mineiros expõem seus produtos no 15º Salão do Artesanato, em Brasília

Evento, que acontece de 04 a 08 de maio, reunirá mais de 500 artesãos de 25 estados do Brasil.

Artesãos mineiros expõem seus produtos no 15º Salão do Artesanato, em Brasília

Faturamento de bares e restaurantes deve aumentar 30% no Dia das Mães

Data é segundo melhor dia do ano em relação ao movimento, diz Abrasel.

Faturamento de bares e restaurantes deve aumentar 30% no Dia das Mães

Wax (WAXP) e Mushe (XMU): as melhores criptomoedas eco-friendly

Existe uma forma para as finanças descentralizadas se tornarem mais sustentáveis. Aqui estão as empresas que estão pavimentando o caminho.

Wax (WAXP) e Mushe (XMU): as melhores criptomoedas eco-friendly

Percentuais de endividados e inadimplentes são os maiores em 12 anos

Índice de endividados chegou a 77,7% em abril. O cartão de crédito é o principal motivo das dívidas.

Percentuais de endividados e inadimplentes são os maiores em 12 anos

Financiar carro vale a pena?

Especialista em análise de crédito esclarece os principais mitos dessa alternativa.

Financiar carro vale a pena?

Você e seu time estão progredindo?

Em qualquer empreitada, pessoal, profissional ou de times, medir resultados é crucial.


A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.


Kanban ainda é pouco explorado, mas pode revolucionar o cotidiano das empresas

Como trazer soluções efetivas em condições de fluxo de atividade em escala?

Kanban ainda é pouco explorado, mas pode revolucionar o cotidiano das empresas

Investimentos registram captação de R$ 46 bi no primeiro trimestre

O segmento de fundos de investimentos fechou o primeiro trimestre de 2022 com absorção líquida de R$ 46,1 bilhões, movimentação de 56,9% menor do que o observado no mesmo período de 2021.


Cadastro Positivo insere mais de 464 mil mineiros no mercado de crédito

Dados divulgados pela ANBC demonstram contingente da população mineira que se beneficiou da primeira consulta de crédito após a implantação do Cadastro Positivo com adesão automática.

Cadastro Positivo insere mais de 464 mil mineiros no mercado de crédito