Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Paradoxo do valor: o problema que Marx não resolveu

Paradoxo do valor: o problema que Marx não resolveu

20/11/2019 José Pio Martins

Marx, que era muito melhor que os marxistas, entendeu o entrave, titubeou na escrita de sua obra econômica e não solucionou o problema do paradoxo do valor.

Empresa é uma unidade econômica que reúne fatores de produção – matérias-primas, trabalho, capital (no sentido de máquinas e equipamentos) e iniciativa de alguém – para produzir bens e serviços úteis à sociedade, destinados a satisfazer necessidades da população.

Para cumprir sua função, a empresa “destrói” os fatores de produção e cria bens materiais e serviços.

Na linguagem dos economistas, a empresa destrói riquezas e cria riquezas. Ela agrega valor quando cria mais riquezas (bens e serviços) do que as riquezas destruídas (fatores de produção).

Um dos desafios impostos à ciência econômica foi descobrir como medir o valor das riquezas destruídas e o valor das riquezas criadas, para comparar e verificar se a empresa agregou ou desagregou valor.

Como as riquezas (ou recursos) destruídas são de diferentes espécies, não dá para somar, por exemplo, toneladas de trigo com horas de trabalho e desgaste das máquinas.

Da mesma forma, as riquezas destruídas são espécies diferentes das riquezas criadas. Assim, a comparação entre as riquezas consumidas no processo produtivo e as riquezas criadas no mesmo processo somente é possível pela adoção de uma “medida de valor” única.

Uma padaria utiliza trigo, leite, açúcar, trabalho e desgaste do fogão para produzir um bolo. A atribuição de valor ao total dos fatores utilizados e ao total da riqueza produzida requer uma “medida de valor” de cada fator utilizado e de cada produto gerado.

Descobrir o valor de cada coisa é uma operação intelectual somente possível pelo cálculo econômico, cuja solução é dada pelo “preço monetário” de todos os itens envolvidos.

Na sequência, surge uma pergunta: como se obtém o preço de cada item? Pense no seguinte exemplo: um pedaço de madeira pode ser destruído para dar origem a uma escultura ou uma cadeira.

Digamos que o preço do pedaço de madeira seja R$ 100. Uma vez usado para fazer um produto, o pedaço de madeira desaparece, logo, não está mais disponível para gerar outro produto.

Ou seja, a madeira é escassa e finita. Na grande maioria, os fatores de produção são escassos, tanto os naturais, quanto o trabalho e o capital.

A sociedade tem que decidir se usa o pedaço de madeira para produzir uma escultura ou uma cadeira. A isso, os economistas chamam de “decisão de alocação” de recursos escassos.

Naturalmente, a decisão deve ser usar a madeira para produzir aquilo que tem mais valor social. Valor em economia é o grau de utilidade de um produto. Utilidade é a capacidade de satisfazer uma necessidade.

É aí que entra essa entidade tão xingada pelos socialistas: o mercado. É no livre jogo da oferta (feita pelos produtores) e da procura (feita pelos consumidores), num mercado livre, que a alocação da madeira é decidida.

O pedaço de madeira é o mesmo, mas o valor que a sociedade atribui à escultura é um e o valor atribuído à cadeira é outro. A escolha social é expressada no preço.

Se o produtor conseguir um preço de apenas R$ 80 pela escultura, portanto com prejuízo de R$ 20 (este é valor desagregado), e um preço de R$ 150 pela cadeira, portanto com lucro de R$ 50 (este é o valor agregado), é óbvio que ele, produtor, decidirá fabricar a cadeira.

A cadeira tem um preço monetário maior porque, nas circunstâncias reais da vida, a sociedade (leia-se: os consumidores, o mercado, as pessoas, tanto faz) está dizendo que ela precisa mais da cadeira do que da escultura.

E nesse aspecto não há nenhum juízo de valor. É uma simples manifestação das necessidades e preferências dos consumidores, nada mais que isso. Foi nesse ponto que Marx empacou e não encontrou solução para o que ficou conhecido como o “paradoxo do valor”.

No socialismo (ou comunismo, como queiram) não há mercado livre; sem mercado, não há preço; sem preço, não há cálculo econômico; sem cálculo, não há como a sociedade manifestar suas necessidades, suas preferências, suas escolhas, nem como resolver o problema da alocação de recursos escassos.

O socialismo pressupõe abolir o direito de propriedade privada dos meios de produção, logo não aceita a existência da empresa privada nem do mercado livre.

Marx, que era muito melhor que os marxistas, entendeu o entrave, titubeou na escrita de sua obra econômica e não solucionou o problema do paradoxo do valor.

Sua teoria econômica ficou inacabada, especialmente o livro O Capital, e somente foi concluída pelo esforço de seu amigo e financiador Friedrich Engels (1820-1895). A rigor, até hoje não se sabe ao certo quanto de Engels há na obra econômica de Marx.

O mercado não é perfeito. É apenas o mecanismo fundado na divisão do trabalho, no direito de propriedade e na liberdade econômica.

É um sistema de cooperação social destinado a satisfazer as necessidades humanas, no qual se processam trocas indiretas sob o livre jogo da oferta e da procura.

* José Pio Martins é economista e reitor da Universidade Positivo.

Fonte: Central Press



A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.


Kanban ainda é pouco explorado, mas pode revolucionar o cotidiano das empresas

Como trazer soluções efetivas em condições de fluxo de atividade em escala?

Kanban ainda é pouco explorado, mas pode revolucionar o cotidiano das empresas

Investimentos registram captação de R$ 46 bi no primeiro trimestre

O segmento de fundos de investimentos fechou o primeiro trimestre de 2022 com absorção líquida de R$ 46,1 bilhões, movimentação de 56,9% menor do que o observado no mesmo período de 2021.


Cadastro Positivo insere mais de 464 mil mineiros no mercado de crédito

Dados divulgados pela ANBC demonstram contingente da população mineira que se beneficiou da primeira consulta de crédito após a implantação do Cadastro Positivo com adesão automática.

Cadastro Positivo insere mais de 464 mil mineiros no mercado de crédito

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

MEIs e PMEs podem economizar cerca de R$ 2.000 em serviços e produtos bancários por ano.

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

Sete em cada 10 pequenos negócios mineiros pretendem investir em 2022

Mais de um terço dos empresários do segmento planeja expandir ou melhorar as atividades entre abril e junho.

Sete em cada 10 pequenos negócios mineiros pretendem investir em 2022

Entender os números será requisito do mercado de trabalho

Trabalhar numa empresa e conhecer os seus setores faz parte da rotina de qualquer colaborador.

Entender os números será requisito do mercado de trabalho

Confiança do comércio volta a crescer após dois meses

Índice que mais tem concentrado a queda da confiança, Condições Atuais do Empresário do Comércio, surpreende, apresentando maior crescimento mensal.

Confiança do comércio volta a crescer após dois meses

Gastos com alimentação fora de casa somaram R$ 164,4 bilhões em 2021

Pesquisa mostra que cada brasileiro gastou em média R$ 16,21 por refeição, significando uma alta de 12% em relação a 2020.

Gastos com alimentação fora de casa somaram R$ 164,4 bilhões em 2021

Saiba como escolher os melhores vinhos para sua comemoração

Reunir as pessoas mais queridas, escolher a playlist, caprichar na decoração e acertar no cardápio e arrasar na escolha dos vinhos.

Saiba como escolher os melhores vinhos para sua comemoração

Habilidades tão importantes quanto talento na ascensão pessoal e profissional

Não basta ser bom na área de atuação, é preciso mais que isso.

Habilidades tão importantes quanto talento na ascensão pessoal e profissional

Vendas do varejo crescem 1,1% de janeiro para fevereiro, diz IBGE