Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Por que as vendas das indústrias patinam?

Por que as vendas das indústrias patinam?

25/08/2019 Matheus Pagani

Setor ainda carece de investimentos na realização de ações de relacionamento com seu público-alvo.

O processo comercial tem sofrido muitas mudanças nos últimos anos. Hoje as empresas não devem simplesmente se limitar ao ato da venda, pois a relevância de uma marca passa muito mais pela capacidade de relacionamento com seu público.

É preciso conquistar fãs e defensores para que o consumidor continue lembrando dos benefícios e, consequentemente, comprando seus produtos e serviços.

Grandes companhias internacionais e nacionais já exercem esse conceito como foco prioritário em seus modelos de negócios, mas ele ainda patina em um setor chave da economia: a Indústria. 

Analisando mais especificamente a cadeia de manufatura – incluindo indústrias, distribuidoras e revendas –, o grande problema reside na ausência de um processo comercial claro e definido.

É mais comum do que possa parecer, algumas empresas do setor concederem descontos diferentes para dois clientes da mesma região, do mesmo segmento e com todas as demais características semelhantes, baseadas apenas no “humor” do gestor.

Se esses clientes entrarem em contato um com o outro, certamente irão se irritar e perder a confiança pela fornecedora. 

Outro ponto vulnerável é a ineficácia na gestão da carteira de clientes. Para que o comprador siga lembrando da sua existência é preciso nutrir o relacionamento ao longo do tempo.

Ainda assim, diversas indústrias não realizam uma administração apropriada da base de clientes, confiando no retorno dele por conta própria e sem qualquer estímulo.

Mesmo que o diferencial da empresa no mercado seja a qualidade dos produtos e serviços, vale ressaltar que os concorrentes podem se tornar capazes de fazer frente ao seu negócio a curto e médio prazo.

Além disso, ao examinar a receita das indústrias, é possível perceber que boa parte do lucro delas é oriundo de poucos clientes – os maiores.

Nesse caso, aprender o que motiva a alta recorrência desses parceiros é essencial para que os clientes menores também passem a comprar volumes mais elevados e com maior frequência.

A falta de visibilidade gerencial também é um item falho em algumas companhias do setor. Historicamente, os vendedores tendem a priorizar a venda em detrimento dos processos burocráticos, o que pode trazer grande prejuízo para a base de dados.

Para o gestor, isso também implica na perda de visibilidade do desempenho da equipe. Sem a centralização dos dados, não é possível fazer um diagnóstico completo da operação comercial, além de não saber ao certo os detalhes da execução do trabalho e performance da equipe.

Atualmente, boa parte dos sistemas de gestão industrial continuam defasados em relação às métricas específicas de vendas, como: número de perdas, motivos das perdas, descontos realizados, taxas de conversão, número de atividades feitas no dia, histórico de cada cliente etc.

Diante desse diagnóstico, a primeira receita é priorizar a definição de regras comerciais para cada tipo de cliente, segmentando-os por região, tamanho, setor ou qualquer outra variável relevante, sem abrir mão dela por nenhum instante.

Também são fundamentais a aplicação de estratégias de retenção com os atuais clientes e reativação com inativos, estabelecendo ações periódicas com intuito de aproximar a relação. Além disso, a visão 360º do processo comercial é essencial.

Por isso, é de suma importância o investimento da liderança em softwares que possam trazer a possibilidade do vendedor organizar seu funil de vendas, tarefas, entre outros elementos, trazendo a possibilidade dos gestores acompanharem atualizações de status e evolução dos negócios em tempo real. 

Além de se adaptarem ao conceito Indústria 4.0, com todos esses fundamentos, o setor industrial alcançará um maior nível de conexão com seu público comprador, conseguindo aumentar a recorrência de vendas dentro da base ativa de clientes e ampliar as possibilidades junto aos inativos.

Após a chegada dos robôs, uso de IoT, impressão 3D, entre outros fundamentos que visam elevar a produtividade das indústrias, a tecnologia também chegou para auxiliá-las a venderem mais e melhor.

* Matheus Pagani é engenheiro da computação, além de cofundador e CEO da Ploomes.

Fonte: Motim Conteúdo Criativo



Intenção de consumo das famílias sobe em fevereiro

Intenção de consumo das famílias alcança maior nível desde abril de 2015, diz CNC.

Intenção de consumo das famílias sobe em fevereiro

Não perca tempo com problemas que não existem

É muito comum num grupo, numa reunião ou na empresa inteira, pessoas discutirem possíveis problemas em meio a um trabalho.

Não perca tempo com problemas que não existem

10 dicas para melhorar a gestão do conhecimento no contact center

O grande desafio enfrentado pelos contact centers é atender o cliente de forma rápida, objetiva e solucionar todas as demandas.


Inadimplência tem a segunda menor variação em janeiro em uma década

Brasil tem 61,3 milhões de consumidores com restrição ao crédito, mostram CNDL/SPC Brasil.

Inadimplência tem a segunda menor variação em janeiro em uma década

Bancos leiloam 300 imóveis com descontos de até 73%

Há unidades em diferentes estados disponíveis no site da Sold Leilões e no Superbid Marketplace.

Bancos leiloam 300 imóveis com descontos de até 73%

O que está em jogo com o jogo no Brasil?

Escrevi um artigo há uns três anos sobre o jogo no Brasil intitulado “O jogo no Brasil e o sofá do corno”.


Inovação no mercado de comunicação

Dois nomes deste mercado se uniram em um empreendimento comum.


CNC reduz para 5,3% estimativa de crescimento do varejo em 2020

Setor fechou 2019 com terceira alta anual consecutiva, impulsionada por inflação e juros baixos.

CNC reduz para 5,3% estimativa de crescimento do varejo em 2020

Fundos imobiliários e as expectativas para 2020

2019 foi um ano de muitas oportunidades na indústria de fundos imobiliários no Brasil.


A indústria puxará o crescimento

A política industrial que nos convém se reduz a umas poucas regras de bom senso.

A indústria puxará o crescimento

Inflação do aluguel é de 6,86% em 12 meses

Índice não teve variação no início de fevereiro, diz FGV.

Inflação do aluguel é de 6,86% em 12 meses

Meu funcionário voltou da China. E agora?

Além de problemas no atraso ligados à entrega de mercadorias e possível redução de vendas, há outros impactos do coronavírus trazidos às empresas que mantêm relações comerciais diretas com a China.

Meu funcionário voltou da China. E agora?