Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Privatização de estatais é boa para o mercado?

Privatização de estatais é boa para o mercado?

23/11/2019 Gustavo Vaz

No início dos anos 2000, a China passou por um processo de mudança cultural devido a uma nova legislação, que proibia o nascimento de mais de um filho por família.

Uma vez que a China era agrária, e não poderia mais ter filhos para ajudar nesta área econômica, as famílias migraram aos poucos para as cidades para tentarem produzir algo.

Com uma quantidade grande e acelerada de pessoas migrando do campo para a cidade, a China foi então obrigada a buscar meios de industrializar e urbanizar as cidades para comportar o êxodo ocorrido, e uma vez que o Brasil era um dos maiores exportadores de minério e aço do mundo, a demanda pela nossa exportação foi intensificada.

O Brasil passou então por um crescimento exponencial devido à entrada excessiva de capital vindo da China, e o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva conseguiu capitalizar-se.

Apesar do aumento da receita fiscal neste período, também aumentaram as despesas e o grau de alavancagem das empresas.

E quando a China diminuiu o seu crescimento durante o governo Dilma, – reduzindo assim a receita do país –, iniciou-se a crise fiscal que afeta o país até hoje.

De acordo com um estudo feito no ano de 2016 pelo Instituto Teotônio Vilela (ITV), 41 estatais foram criadas no período entre 2003 e 2015, somando-se um total de 149 estatais neste mesmo período.

Ainda neste mesmo momento, foram contabilizados prejuízos de mais de R$ 8 bilhões de reais advindos das estatais, além de gastos de R$ 5,4 bilhões com pessoal, segundo este mesmo estudo.

Mas será mesmo que as estatais são ruins para o nosso país? Esta pergunta não é tão simples de ser respondida, e pode ser abordada por meio de vários pontos diferentes.

Se for abordado na perspectiva da crise fiscal, que o país enfrenta hoje, seria ótimo privatizar as empresas para que diminua o custo de manutenção e administração das mesmas, que muitas vezes não são lucrativas, mas também para repor o erário que está sendo totalmente consumido pelas despesas primárias como a previdência social.

Podemos aprofundar também sobre o olhar de governança corporativa. O processo decisório de uma empresa e sua liderança, possui certamente grande peso no sucesso ou insucesso da mesma.

Logo, bons profissionais técnicos e de larga experiência em seus ramos de atividade, são sempre boas escolhas para quem anseia que sua empresa seja lucrativa.

No entanto, quando falamos de empresas estatais, as mesmas possuem o envolvimento político, e mesmo que em determinado governo seja indicado um bom gestor para guiar a empresa, ao trocar os políticos dos governos, normalmente, também são modificados os gestores das empresas estatais.

Esta dependência política certamente influi de maneira negativa a perenidade das decisões de seus líderes, gerando custos de mudança cultural, burocracias e muitas vezes “cabides de emprego”.

Entendo o lado do cidadão pagador de impostos, o cenário fica ainda mais assustador. A existência de empresas estatais é a demonstração do uso da força coercitiva do estado para o financiamento de seus projetos, que muitas vezes, nem são do desejo da população.

Empresas como a Natex, que foi criada para ser referência na produção de preservativos masculinos, e gerenciada pelo estado do Acre, não só apresentou resultados ruins, mas por ser estatal, quem arcou com estes prejuízos foram os contribuintes.

É possível então concluir, que seria imoral perante a um raciocínio filosófico, a exigência de que alguns que não concordam, paguem pela existência de um serviço que não querem.

E desta maneira, a privatização das empresas estatais no Brasil, em todos os aspectos seria um alívio para a sociedade brasileira.

* Gustavo Vaz é assessor de investimentos da Atrio Investimentos.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.


Kanban ainda é pouco explorado, mas pode revolucionar o cotidiano das empresas

Como trazer soluções efetivas em condições de fluxo de atividade em escala?

Kanban ainda é pouco explorado, mas pode revolucionar o cotidiano das empresas

Investimentos registram captação de R$ 46 bi no primeiro trimestre

O segmento de fundos de investimentos fechou o primeiro trimestre de 2022 com absorção líquida de R$ 46,1 bilhões, movimentação de 56,9% menor do que o observado no mesmo período de 2021.


Cadastro Positivo insere mais de 464 mil mineiros no mercado de crédito

Dados divulgados pela ANBC demonstram contingente da população mineira que se beneficiou da primeira consulta de crédito após a implantação do Cadastro Positivo com adesão automática.

Cadastro Positivo insere mais de 464 mil mineiros no mercado de crédito

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

MEIs e PMEs podem economizar cerca de R$ 2.000 em serviços e produtos bancários por ano.

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

Sete em cada 10 pequenos negócios mineiros pretendem investir em 2022

Mais de um terço dos empresários do segmento planeja expandir ou melhorar as atividades entre abril e junho.

Sete em cada 10 pequenos negócios mineiros pretendem investir em 2022

Entender os números será requisito do mercado de trabalho

Trabalhar numa empresa e conhecer os seus setores faz parte da rotina de qualquer colaborador.

Entender os números será requisito do mercado de trabalho

Confiança do comércio volta a crescer após dois meses

Índice que mais tem concentrado a queda da confiança, Condições Atuais do Empresário do Comércio, surpreende, apresentando maior crescimento mensal.

Confiança do comércio volta a crescer após dois meses

Gastos com alimentação fora de casa somaram R$ 164,4 bilhões em 2021

Pesquisa mostra que cada brasileiro gastou em média R$ 16,21 por refeição, significando uma alta de 12% em relação a 2020.

Gastos com alimentação fora de casa somaram R$ 164,4 bilhões em 2021

Saiba como escolher os melhores vinhos para sua comemoração

Reunir as pessoas mais queridas, escolher a playlist, caprichar na decoração e acertar no cardápio e arrasar na escolha dos vinhos.

Saiba como escolher os melhores vinhos para sua comemoração

Habilidades tão importantes quanto talento na ascensão pessoal e profissional

Não basta ser bom na área de atuação, é preciso mais que isso.

Habilidades tão importantes quanto talento na ascensão pessoal e profissional

Vendas do varejo crescem 1,1% de janeiro para fevereiro, diz IBGE