Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Remédio ou Veneno? Depende da dose

Remédio ou Veneno? Depende da dose

01/06/2020 Raul Canal

Existe apenas um segredo para sobreviver: não morrer.

Remédio ou Veneno? Depende da dose

O confinamento social que nos impuseram nos últimos meses, por decisões equivocadas, irresponsáveis e inconsequentes de governadores e prefeitos – e até de algumas autoridades do primeiro escalão do Executivo Federal – nos tem ensinado algumas lições. O preço é caro, caríssimo, não tenha dúvidas. Mas precisamos tirar alguma experiência da excepcionalidade barbaresca atual, a fim de nortear nossa conduta, nossas decisões e nossas atitudes no futuro que se avizinha.

Aqueles de nós (CPFs e CNPJs) que sobrevivermos à crise que se instalou no Brasil e em quase todas as nações do mundo, teremos de sair dela mais fortes, robustecidos e imunizados aos sopros contrários de outros ventos que certamente ainda haverão de assoprar. Lamentavelmente, o preço está sendo caro. E a história cobrará o seu tributo.

Países que adotaram, no início da epidemia, o uso obrigatório da máscara respiratória facial, dispensando o isolamento social, tiveram números muito mais favoráveis que o Brasil. O Japão, por exemplo, que tem 130 milhões de habitantes e uma densidade demográfica 15 vezes maior que o Brasil (tem 338 habitantes por quilômetro quadrado contra 23 no Brasil), não fez isolamento social e teve, até o dia 15 de maio, 729 mortes. Hong Kong, com 7,5 milhões de habitantes e uma densidade de 6.544 habitantes por quilômetro quadrado (284 vezes maior que o Brasil), teve quatro mortes. O Vietnã, com 95 milhões de habitantes e densidade populacional de 266 habitantes por quilômetro quadrado (11,5 vezes o Brasil), não teve nenhum morto por Covid-19 até 15 de maio de 2020. Taiwan, com 23 milhões de habitantes e densidade demográfica de 636 hab./Km2 (27,6 vezes o Brasil) teve sete mortes por Covid-19 até 15 de maio de 2020.

O que têm esses países em comum, além da alta densidade demográfica e do baixo número de mortes por corona? Todos eles adotaram o uso obrigatório da máscara respiratória facial e o isolamento vertical seletivo, ou seja, isolaram apenas os grupos de risco e os infectados, deixando a economia fluir e o povo trabalhar normalmente, observados, com todo o rigor, os protocolos sanitários.

As medidas restritivas impostas pelo isolamento social irão matar muito mais do que a Covid-19. A cada semana de paralisação, R$ 20 bilhões em riquezas (alimentos, medicamentos, bens e serviços) deixam de ser produzidos no Brasil. Estimam, os otimistas, uma queda de 4,8% no nosso PIB. Os pessimistas a projetam para -8,5%. Isso indica que entre 15 e 20 milhões de postos de trabalho serão fechados ainda este ano. O comércio no Brasil acumulou perdas de R$ 124,7 bilhões nas primeiras sete semanas de isolamento.

O contraditório é que, em plena pandemia, quando o setor médico hospitalar deveria estar faturando mais, os hospitais privados tiveram uma perda de R$ 2,7 bilhões. A maioria dos hospitais privados está com menos de 30% de sua taxa de ocupação. E o mais incrível: sobram vagas na rede pública, que, na maioria dos estados, está com apenas 82% de seus leitos ocupados. Pela primeira vez, nas três décadas do SUS, sobram leitos na rede pública. E o que isso significa? doentes crônicos e ocasionais estão deixando de se tratar. Um pré-cardiopata deixa de fazer os exames e se submeter a um cateterismo salvador, com medo da Covid-19, e morrerá de infarto daqui alguns meses. Da mesma forma um doente oncológico, à míngua de um diagnóstico precoce e um princípio de tratamento, irá “metastasar” em casa; e gestantes que não estão fazendo o pré-natal terão complicações obstétricas, podendo morrer ou matar/sequelar o bebê. O número de suicídios – cerca de 11.000/ano no Brasil, certamente irá aumentar de forma assustadora, pelo desemprego, endividamento, bancarrotas e a depressão, doença silenciosa que, além de baixar a imunidade (para o próprio coronavírus), fomentará os suicídios.

A Asbraf defende que se retome imediatamente a atividade econômica no País. Não é o caso de se afirmar que a economia seja mais importante que a saúde, mas sim de reconhecer que não há saúde sem economia. Se o SUS tivesse recursos suficientes, não morreriam pacientes nos corredores dos hospitais ou anos aguardando o agendamento de uma cirurgia de emergência.

O correto é que adote-se um isolamento vertical seletivo, mantendo em casa os pertencentes aos grupos de risco e os já infectados. Os demais devem ser liberados para trabalhar e produzir riquezas para o Brasil, com as cautelas sanitárias indispensáveis.

* Raul Canal é presidente da Associação Brasileira de Franqueados (Asbraf)

Fonte: RS Press



Governo de Minas bate mais um recorde de atração de investimentos

Estado registrou R$ 4,1 bilhões de investimentos somente no mês de junho.

Governo de Minas bate mais um recorde de atração de investimentos

Os cuidados necessários para coleta de lixo hospitalar

Venha descobrir neste post sobre os principais cuidados de coleta de lixo hospitalar para ter mais segurança quanto à higiene da sua instituição!

Os cuidados necessários para coleta de lixo hospitalar

Os negócios e o Cisne Negro

Como a cultura orientada à evolução contínua pode preparar sua empresa.


CNC revisa para 9,2% projeção de queda no varejo em 2020

Adoção de estratégias de e-commerce ajudaram o varejo a repor parte das perdas impostas pelo novo coronavírus até o momento.

CNC revisa para 9,2% projeção de queda no varejo em 2020

Vendas no comércio varejista crescem 13,9% de abril para maio

Alta veio depois de dois meses de queda devido à pandemia.

Vendas no comércio varejista crescem 13,9% de abril para maio

O que as empresas devem fazer com os funcionários após a pandemia?

Muito se fala sobre um novo tipo de profissional a ser buscado pelas organizações, que domine tecnologias, que seja disciplinado.

O que as empresas devem fazer com os funcionários após a pandemia?

Receita diz que vendas em junho cresceram 10,3%

Média diária de vendas no último mês foi a maior de 2020.

Receita diz que vendas em junho cresceram 10,3%

Insegurança na Pandemia: agora é a hora certa para investir?

Se você estava pensando em investir e a pandemia chegou com tudo, com certeza está se perguntando se prossegue com o plano, se muda a rota, se a palavra de ordem agora deve ser contenção.


Home office: Solução ou Castigo?

Para muitos, a adoção do home office foi a solução mas, algumas pessoas não querem nunca mais trabalhar neste modelo.

Home office: Solução ou Castigo?

Rendimento médio de brasileiros cai a 82% em maio devido à covid-19

Pesquisa mostra que auxílio emergencial é fundamental para mais pobres.

Rendimento médio de brasileiros cai a 82% em maio devido à covid-19

O que as empresas devem saber sobre o Home Office

O que era exceção parece que está virando regra… e definitiva.

O que as empresas devem saber sobre o Home Office

Cerca de 2% dos pequenos negócios encerraram as atividades devido a pandemia

Pesquisa do Sebrae mostra também que metade dos empresários mineiros que fecharam permanentemente, não pretendem mais empreender.

Cerca de 2% dos pequenos negócios encerraram as atividades devido a pandemia