Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Remédio ou Veneno? Depende da dose

Remédio ou Veneno? Depende da dose

01/06/2020 Raul Canal

Existe apenas um segredo para sobreviver: não morrer.

Remédio ou Veneno? Depende da dose

O confinamento social que nos impuseram nos últimos meses, por decisões equivocadas, irresponsáveis e inconsequentes de governadores e prefeitos – e até de algumas autoridades do primeiro escalão do Executivo Federal – nos tem ensinado algumas lições. O preço é caro, caríssimo, não tenha dúvidas. Mas precisamos tirar alguma experiência da excepcionalidade barbaresca atual, a fim de nortear nossa conduta, nossas decisões e nossas atitudes no futuro que se avizinha.

Aqueles de nós (CPFs e CNPJs) que sobrevivermos à crise que se instalou no Brasil e em quase todas as nações do mundo, teremos de sair dela mais fortes, robustecidos e imunizados aos sopros contrários de outros ventos que certamente ainda haverão de assoprar. Lamentavelmente, o preço está sendo caro. E a história cobrará o seu tributo.

Países que adotaram, no início da epidemia, o uso obrigatório da máscara respiratória facial, dispensando o isolamento social, tiveram números muito mais favoráveis que o Brasil. O Japão, por exemplo, que tem 130 milhões de habitantes e uma densidade demográfica 15 vezes maior que o Brasil (tem 338 habitantes por quilômetro quadrado contra 23 no Brasil), não fez isolamento social e teve, até o dia 15 de maio, 729 mortes. Hong Kong, com 7,5 milhões de habitantes e uma densidade de 6.544 habitantes por quilômetro quadrado (284 vezes maior que o Brasil), teve quatro mortes. O Vietnã, com 95 milhões de habitantes e densidade populacional de 266 habitantes por quilômetro quadrado (11,5 vezes o Brasil), não teve nenhum morto por Covid-19 até 15 de maio de 2020. Taiwan, com 23 milhões de habitantes e densidade demográfica de 636 hab./Km2 (27,6 vezes o Brasil) teve sete mortes por Covid-19 até 15 de maio de 2020.

O que têm esses países em comum, além da alta densidade demográfica e do baixo número de mortes por corona? Todos eles adotaram o uso obrigatório da máscara respiratória facial e o isolamento vertical seletivo, ou seja, isolaram apenas os grupos de risco e os infectados, deixando a economia fluir e o povo trabalhar normalmente, observados, com todo o rigor, os protocolos sanitários.

As medidas restritivas impostas pelo isolamento social irão matar muito mais do que a Covid-19. A cada semana de paralisação, R$ 20 bilhões em riquezas (alimentos, medicamentos, bens e serviços) deixam de ser produzidos no Brasil. Estimam, os otimistas, uma queda de 4,8% no nosso PIB. Os pessimistas a projetam para -8,5%. Isso indica que entre 15 e 20 milhões de postos de trabalho serão fechados ainda este ano. O comércio no Brasil acumulou perdas de R$ 124,7 bilhões nas primeiras sete semanas de isolamento.

O contraditório é que, em plena pandemia, quando o setor médico hospitalar deveria estar faturando mais, os hospitais privados tiveram uma perda de R$ 2,7 bilhões. A maioria dos hospitais privados está com menos de 30% de sua taxa de ocupação. E o mais incrível: sobram vagas na rede pública, que, na maioria dos estados, está com apenas 82% de seus leitos ocupados. Pela primeira vez, nas três décadas do SUS, sobram leitos na rede pública. E o que isso significa? doentes crônicos e ocasionais estão deixando de se tratar. Um pré-cardiopata deixa de fazer os exames e se submeter a um cateterismo salvador, com medo da Covid-19, e morrerá de infarto daqui alguns meses. Da mesma forma um doente oncológico, à míngua de um diagnóstico precoce e um princípio de tratamento, irá “metastasar” em casa; e gestantes que não estão fazendo o pré-natal terão complicações obstétricas, podendo morrer ou matar/sequelar o bebê. O número de suicídios – cerca de 11.000/ano no Brasil, certamente irá aumentar de forma assustadora, pelo desemprego, endividamento, bancarrotas e a depressão, doença silenciosa que, além de baixar a imunidade (para o próprio coronavírus), fomentará os suicídios.

A Asbraf defende que se retome imediatamente a atividade econômica no País. Não é o caso de se afirmar que a economia seja mais importante que a saúde, mas sim de reconhecer que não há saúde sem economia. Se o SUS tivesse recursos suficientes, não morreriam pacientes nos corredores dos hospitais ou anos aguardando o agendamento de uma cirurgia de emergência.

O correto é que adote-se um isolamento vertical seletivo, mantendo em casa os pertencentes aos grupos de risco e os já infectados. Os demais devem ser liberados para trabalhar e produzir riquezas para o Brasil, com as cautelas sanitárias indispensáveis.

* Raul Canal é presidente da Associação Brasileira de Franqueados (Asbraf)

Fonte: RS Press



Mercado infantil tem projeções de crescimento para os próximos cinco anos

Ramo de franquias no setor registra alta tanto em faturamento quanto em número de unidades.

Mercado infantil tem projeções de crescimento para os próximos cinco anos

Empresas poderão renegociar dívidas com o Fisco com 70% de desconto

Portaria estende à Receita Federal a modalidade de renegociação chamada de transação tributária.

Empresas poderão renegociar dívidas com o Fisco com 70% de desconto

Gestão de custos e planejamento a longo prazo

Gestão de custos é o processo de planejar e controlar efetivamente os custos envolvidos em um negócio.

Gestão de custos e planejamento a longo prazo

Salário mínimo pode ser de R$ 1.294 em 2023

Se o valor for confirmado, vai ser o quarto ano seguido sem reajuste real.

Salário mínimo pode ser de R$ 1.294 em 2023

CNC prevê alta de 5,3% nas vendas para o Dia dos Pais

Estimativa é criar 18,5 mil vagas temporárias.

CNC prevê alta de 5,3% nas vendas para o Dia dos Pais

Confiança dos pequenos negócios cai em julho

Comércio foi o setor mais confiante e serviços foi o que apresentou menor confiança.

Confiança dos pequenos negócios cai em julho

Arquivei marca presença em grande evento de contabilidade em BH

Coordenadoras da empresa participam de palestra sobre visões estratégicas que podem gerar economia no setor contábil.


Pequenos negócios geram 72% das vagas de emprego no primeiro semestre

Micro e pequenas empresas criam 961 mil postos no período no país.


Quatro principais desafios de vendas para superar até 2023

À medida que o mundo volta a alguma normalidade, começamos a perceber também que a forma de vender mudou fundamentalmente em comparação com os tempos pré-pandemia.

Quatro principais desafios de vendas para superar até 2023

MEI poderá emitir nota fiscal de serviço no Portal do Simples Nacional

Mais de 13 milhões de empreendedores devem ser beneficiados.

MEI poderá emitir nota fiscal de serviço no Portal do Simples Nacional

Mais de 70% dos empresários mineiros estão otimistas com o 2º semestre de 2022

Primeiro semestre do ano teve aumento de 51,9% nas vendas em relação a 2021.

Mais de 70% dos empresários mineiros estão otimistas com o 2º semestre de 2022

Como o “jeito fintech” de fazer negócios tem possibilitado o surgimento de novas empresas

Quem já se aventurou no empreendedorismo ou está fazendo isso agora sabe o quanto é difícil se destacar em um ambiente extremamente competitivo.

Como o “jeito fintech” de fazer negócios tem possibilitado o surgimento de novas empresas