Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Setores recomendados para se investir neste final de ano

Setores recomendados para se investir neste final de ano

03/12/2019 Raul Gomes

Em 2019, o Brasil passou por grandes mudanças estruturais, no que tange a política monetária expansionista.

Por meio de sucessivos cortes na taxa Selic, o novo governo procurou estimular o consumo e a retomada da economia.

Agora, o brasileiro conta com um cenário de taxa básica de juros a 5,00% a.a. – mínima considerada histórica –  e com projeções quase unânimes entre os analistas, de que se encerre o ano em 4,5% a.a.

Fato que tende a se confirmar na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que ocorrerá nos próximos dias 10 e 11 de dezembro.

O comitê já sinalizou também, que esse patamar de taxas de juros a 4,5% a.a. deve se manter ao longo do ano de 2020, já que os índices inflacionários se encontram em níveis confortáveis e a expectativa de inflação – segundo o boletim Focus para 2020 – gira em torno de 3,6%.

A taxa de juros real da economia – percentual de juros nominal descontado da inflação – pode ser de em torno de 0,9% a.a. em 2020, o que irá impactar diretamente os nossos investimentos nesse final de ano e no decorrer do próximo ano.

Vale a pena lembrar, que independentemente do perfil de alocação do investidor, é importante que ele sempre tenha uma parcela da carteira aplicada em títulos públicos com liquidez diária, pois assim será possível atender a eventuais emergências, sem ficar exposto a volatilidades desnecessárias.

A porcentagem de alocação da reserva de emergência, deve ser determinada por cada investidor, de acordo com a sua necessidade pessoal.

Com tudo isso exposto, você deve estar se perguntando, em quais setores deve alocar o seu capital nesse final de ano? E qual deles são realmente viáveis e podem trazer retornos reais?

Diante desse novo cenário, torna-se inviável uma carteira de investimentos pautada puramente em renda fixa. Somente expondo a maior parte de sua carteira em ações e fundos imobiliários, o investidor conseguirá fugir de aplicações atreladas ao Certificado de Depósito Interbancário (CDI).

Alinhado a estes dois pontos, para os investidores de perfil conservador, – aqueles que tem maior aversão ao risco –, sugiro aumentar a posição com a alocação em papéis pós-fixados do Tesouro IPCA+ com vencimentos entre 2035 e 2050, e taxas de 3,03% e 3,39% respectivamente, que basicamente corrigem a inflação acrescida de uma taxa de prêmio.

Outra sugestão para diversificar a carteira nesse perfil, mantendo toda a segurança, é a alocação em ativos pré-fixados do Tesouro com vencimentos mais curtos, pois estes cenários são mais palpáveis para avaliar se a rentabilidade acordada para o pagamento no final do período é atrativa, como por exemplo, o Tesouro pré-fixado com o vencimento em 2025 e remuneração de 6,36%, e o Tesouro pré-fixado com juros semestrais em 2029 e remuneração de 6,72%.

Já para os clientes que tem um perfil mais arrojado, o leque de investimentos se expande, por isso, pedimos aos mesmos muita atenção na hora de preencher o seu suitability.

Seja em seu banco ou corretora, essa verificação permite que você invista em produtos, que realmente estejam dentro do seu perfil e não venha a se frustrar no futuro com possíveis perdas.

Para estes clientes, sugerimos aumentar a sua posição em ativos de renda variável, que hoje é a maior recomendação entre os analistas e especialistas do mercado de investimentos.

Relativamente, os fundos imobiliários requerem um acompanhamento menos intenso por apresentarem uma volatilidade menor que as ações.

É uma boa saída para quem está acostumado a investir diretamente em imóveis, já que não é preciso imobilizar todo o dinheiro na compra de um apartamento, por exemplo, e ter toda a dor de cabeça de lidar com a locação, impostos, obras, e dentre outros empecilhos.

O interessante destes ativos e o principal diferencial dos mesmos, é que eles pagam dividendos mensais, cada um em uma proporção diferente, e estes dividendos já são isentos de Imposto de Renda.

Eles também trazem mais mobilidade e liquidez ao investidor, já que são negociados em bolsa no mercado secundário, assim como as ações, ou seja, a liberdade para a realocação é maior.

É importante diversificar em 4 ou 5 classes de fundos, alocando em fundos de shopping, galpões logísticos, lajes corporativas, fundos de fundos e fundos de papel, que por sua vez, são fundos que compram títulos no ramo imobiliário, como LCI’s CRI’s, e LH’s e são conhecidos pela sua capacidade de criação de caixa.

Neste cenário político, um pouco mais otimista de final de ano, sugerimos aumentar a alocação no setor de galpões logísticos, já que com a economia se aquecendo, a tendência é que este campo se beneficie bastante.

Na montagem da carteira de renda variável, sugerimos ao cliente, a alocação em torno de 15% a 40%, de acordo com o tamanho da carteira do cliente e seu perfil.

Para quem está iniciando e deseja fazer investimentos com valores mais altos, uma assessoria de investimentos é crucial na hora de montar a sua carteira de investimentos.

* Raul Gomes é economista e assessor de investimentos da Monteverde Investimentos.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Como a tecnologia blockchain pode revolucionar o mundo financeiro

Foi há pouco mais de dez anos que o Bitcoin surgiu, sendo a primeira moeda digital que funciona à base da tecnologia blockchain.


Impactos do clube-empresa no futebol brasileiro

Longe das quatro linhas dos gramados, dos jogadores, dos técnicos e da torcida, o esporte mais apreciado pelos brasileiros vive a expectativa de significativas mudanças.


Arrecadação federal com impostos chega a R$ 1,537 trilhão em 2019

O crescimento foi de 1,69% em comparação a 2018.

Arrecadação federal com impostos chega a R$ 1,537 trilhão em 2019

Número de mulheres investidoras cresce na bolsa de valores

A emancipação das mulheres é um fato recente na história brasileira: desde 1891 a Constituição Brasileira em vigor, já permitia o voto feminino.

Número de mulheres investidoras cresce na bolsa de valores

Atividade do comércio tem alta de 2% em 2019, diz Serasa

Aumento foi puxado pelo setor de veículos e autopeças.

Atividade do comércio tem alta de 2% em 2019, diz Serasa

Inflação dos aluguéis acumula taxa de 7,91% em 12 meses

Índice é inferior aos 2,06% observados em dezembro de 2019, diz FGV.


Até onde a bolsa pode ir?

O Brasil sempre foi conhecido como a terra da renda fixa.


MEI que não informar seu rendimento será penalizado

Empreendedor que não entregar a DASN até o dia 31 de maio pagará multa e ficará impedido de gerar a guia mensal de tributos.

MEI que não informar seu rendimento será penalizado

Bolsa Família inicia pagamento para mais de 13 milhões de famílias

Indústria mineira avança em novembro

FIEMG divulga pesquisa Indicadores Industriais.

Indústria mineira avança em novembro

Feriados de 2020 devem causar quase R$ 20 bilhões de prejuízo no comércio

Maior incidência deste tipo de data em dias úteis, por outro lado, tende a favorecer atividades econômicas do turismo.

Feriados de 2020 devem causar quase R$ 20 bilhões de prejuízo no comércio

Inadimplência no país abre 2020 com 61 milhões de brasileiros negativados

Volume de consumidores com contas em atraso recua pelo segundo mês seguido na comparação anual.

Inadimplência no país abre 2020 com 61 milhões de brasileiros negativados