Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A presença da arte no Brasil

A presença da arte no Brasil

20/04/2015 Suli de Moura

A cultura deixou de ser consumo exclusivo das classes mais altas e passou a ser disseminada em outras camadas sociais.

O entendimento teórico do papel da arte na sociedade surgiu a partir do século XVII e foi concebido com certa euforia pelas elites europeia e americana.

Com a ascensão de partidos políticos e movimentos populares, a cultura deixou de ser consumo exclusivo das classes mais altas e passou a ser disseminada em outras camadas sociais. Exceto no Brasil.

De acordo com dados divulgados pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), aproximadamente 3% das despesas totais das famílias brasileiras são destinadas à cultura, o que corresponde a 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB). Desta parcela, 85% são referentes a práticas realizadas dentro do domicílio, ou seja: televisão, vídeos, música e leitura. O acesso a museus, cinemas e teatros é feito por uma fatia extremamente reduzida da população, mostrando que não é um hábito comum ao brasileiro sair de casa para consumir arte.

A informação mais interessante é a forma como se divide a aquisição destes produtos. As classes A/B são responsáveis pelo dispêndio de quase metade do capital cultural, apesar de representarem apenas 12% da população. Já as classes D/E correspondem a mais de 60% da nação brasileira, mas realizam apenas 23% dos gastos.

Este cenário, ainda que não seja um dos melhores, tem sido acompanhado de perto pelo Ministério da Cultura. A troca de presidentes na Funarte (Fundação Nacional de Artes) – entra Francisco Bosco, sai Guti Fraga – é um exemplo claro da preocupação com o baixo consumo de conteúdo artístico. Segundo o Ministro da Cultura, Juca Ferreira, a instituição deve ter uma função cultural tão importante quanto o Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), o Ibram (Instituto Brasileiro de Museus) e a Ancine (Agência Nacional do Cinema), e terá como principal objetivo reerguer a presença da arte no país.

Do ponto de vista global, em 2014, o segmento cresceu em torno de 7%, em comparação a 2013. Segundo dados divulgados pela Tefaf (The European Fine Art Foundation), o faturamento de 51 bilhões de Euros foi o maior já registrado na história. Os principais compradores se dividem entre Estados Unidos, com 39% do total, China e Reino Unido, com 22% cada.

Dentre os países citados pela Fundação, o Brasil não se enquadra em nenhuma posição. A movimentação financeira no setor foi tão baixa, que não atingiu um patamar mínimo para integrar o ranking, indo na contramão das tendências mundiais.

A contradição é grande, uma vez que o número de museus no país, de acordo com estudo realizado pelo Ministério da Cultura, já chega a 2.496. Ainda que distribuídos de maneira desigual entre as regiões brasileiras, o marco ultrapassa a maior parte dos países europeus, ficando atrás somente da Alemanha, com 6.175 instituições.

Filósofo, Bosco tem um grande desafio pela frente. As ferramentas para fazer do Brasil um país de consumidores de conteúdo estão à disposição: o apoio do MinC, tanto em questões políticas, como financeiras, recursos e espaços de atuação, funcionários e artistas. Falta somente o público. Resta esperar os primeiros resultados de uma gestão que promete conquistar espectadores, fieis, por meio de ingressos gratuitos ou de baixo custo, novas exposições e muito trabalho.

*Suli de Moura é Diretora Acadêmica do campus de Perdizes da Faculdade Santa Marcelina (FASM)



BH recebe a exposição “Bolinho: Além do Arco-íris”

Sensação nas ruas de BH, obras da grafiteira 'Raquel Bolinho' serão tema da mostra.

Autor: Divulgação

BH recebe a exposição “Bolinho: Além do Arco-íris”

‘Nosso Lar 2 – Os Mensageiros’ atinge mais de 1 milhão de espectadores

Novo longa de Wagner de Assis mantém circuito de mais de 900 salas em sua segunda semana em cartaz.

Autor: Divulgação


A arte é mais importante que o comer e o alimentar-se?

Reflexões sobre o episódio das ativistas que jogaram sopa no quadro da Mona Lisa, no Museu do Louvre, Paris.

Autor: João Ibaixe Jr.

A arte é mais importante que o comer e o alimentar-se?

Exposição “Ocupação Paulo Nazareth” é reaberta na UFMG

Projeto de formação artística e pedagógica promove encontro entre arte e educação.

Autor: Divulgação

Exposição “Ocupação Paulo Nazareth” é reaberta na UFMG

Festival Encontros Literários no Serro: uma celebração multifacetada da literatura

Excelente oportunidade para moradores e turistas em busca de novos horizontes para nutrir corpo e alma.

Autor: Divulgação

Festival Encontros Literários no Serro: uma celebração multifacetada da literatura

Orquestra Ouro Preto estreia “Brasil com S”

Formação mineira apresenta repertório com obras inéditas de grandes compositores brasileiros, de diferentes gerações, que evidencia a multiplicidade musical do país.

Autor: Divulgação

Orquestra Ouro Preto estreia “Brasil com S”

Livro, um sobrevivente

Doze de outubro é celebrado o Dia Nacional da Leitura, instituído por lei em 2009.

Autor: Aroldo Veiga

Livro, um sobrevivente

A arte sendo digital

Blockchains e NFTs são exemplos de como os recursos digitais podem resultar noutras formas de produzir e gerenciar a arte.

Autor: George Leal Jamil

A arte sendo digital

Orquestra Mineira de Câmara faz apresentação com o Trio Amaranto no Sesiminas

As três irmãs unem a excelência vocal ao talento da Orquestra e juntos vão interpretar clássicos do cancioneiro nacional.

Autor: Divulgação

Orquestra Mineira de Câmara faz apresentação com o Trio Amaranto no Sesiminas

BMG inaugura Instituto para centralizar os investimentos sociais

Localizado em Belo Horizonte, espaço fomenta e desenvolve ações sociais, esportivas e educacionais que visam transformar a vida de pessoas em situação de vulnerabilidade social.

Autor: Divulgação

BMG inaugura Instituto para centralizar os investimentos sociais

Oportunidade de viver a literatura fora das telas

É impressionante como o entretenimento disputa nossa atenção. Filmes, séries, redes sociais e videogames orbitam nossas telas e vidas.

Autor: Renata Dembogurski

Oportunidade de viver a literatura fora das telas

O papel primordial da Cultura

Uma das grandes conquistas da civilização foi a individuação humana.

Autor: Daniel Medeiros