Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Anseios por uma livre expressão modernista: A Semana de 22

Anseios por uma livre expressão modernista: A Semana de 22

15/02/2021 Danielly Dias Sandy

Uma revolução artística e social com vistas a criar algo novo sem, no entanto, deixar de preservar o que fora criado no passado.

Anseios por uma livre expressão modernista: A Semana de 22

Há 99 anos sobrevinha no Brasil um evento marcante e com propostas revolucionárias não apenas para a arte, como também para outros segmentos na sociedade. De 13 a 18 de fevereiro de 1922, no Theatro Municipal de São Paulo, abria-se ao público a Semana de Arte Moderna, sendo uma sagaz reunião de artistas brasileiros que apresentavam, além de ideias transformadoras, sua arte por meio da pintura, escultura, arquitetura, poesia, música, dança e mais. 

Porém, como nada vem do nada, para o historiador brasileiro Mário da Silva Brito, o ‘estopim’ para a realização da Semana de 22 foi a exposição da artista Anita Malfatti, realizada em 1917, a partir da qual ela sofreu severas críticas de Monteiro Lobato. E no texto crítico Lobato defendia a ideia de uma ‘arte pura’ em detrimento dos ‘ismos’ dos movimentos artísticos europeus modernos que tomavam força naquele período. Mas, se por um lado Malfatti era duramente criticada por Lobato e mal vista pela sociedade conservadora, por outro tornava-se ícone da vanguarda que ansiava transcender o conservadorismo na arte e cultura brasileira.

Dentre os envolvidos na Semana de Arte Moderna, podemos destacar nomes de exímia sensibilidade como Anita Malfatti, Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Di Cavalcanti, Menotti Del Picchia, Victor Brecheret, Heitor Villa-Lobos. A proposta era transformadora e tinha como objetivo renovar a visão artística do país a partir de uma estética mais voltada aos aspectos nacionais. E assim evocavam com entusiasmo a brasilidade na arte para substituir o academicismo pela livre expressão modernista. Buscava-se romper com o conservadorismo e a rigorosa formalidade parnasiana que se opunha à liberdade lírica tão desejada pelos modernos e românticos.

E embora o evento tenha ocorrido por apenas alguns dias, foi de grande repercussão as suas propostas, cabendo evidenciar, inclusive, sua relevância no que se refere à preservação do patrimônio histórico e cultural brasileiro. Isso pois, na Semana de 22 vieram à tona ideias que propulsionaram a criação do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (SPHAN), em 1937. Não obstante, as primeiras políticas públicas para a cultura no Brasil, implementadas sob aos auspícios do Governo de Vargas, também contaram como aporte ideias dos artistas modernistas.

Ou seja, uma revolução artística e social com vistas a criar algo novo sem, no entanto, deixar de preservar o que fora criado no passado. De forma clara, esse cuidado seria essencial por ir de encontro com a ideia que justamente propunha o fortalecimento de uma identidade brasileira. Algo que, sem dúvida, não poderia ser visto de outra forma senão como um grande desafio.

Contudo temos consciência de que vivemos hoje em um contexto distinto daquele da Semana de 22, mas não tão pouco caótico e sedento de transformações. Assim percebemos, além do mais, o valor da arte e cultura para a nossa sociedade e de quanto o trabalho, críticas e ideias dos artistas são necessários e podem contribuir efetivamente com o nosso país.

*  Danielly Dias Sandy é museóloga e professora da área de Linguagens Cultural e Corporal nos cursos de Licenciatura e Bacharelado em Artes Visuais, do Centro Universitário Internacional Uninter.

Fonte: Pg1 Comunicação




Coleção Os Primeiros Brasileiros ganha exposição virtual

Coleção já foi vista por mais de 250 mil pessoas no Brasil e no exterior.

Coleção Os Primeiros Brasileiros ganha exposição virtual

Museu da Energia com atividades on-line gratuitas

Com experimentos científicos, vídeos e muita informação, a instituição busca mostrar a importância da preservação da história e dos recursos naturais.

Museu da Energia com atividades on-line gratuitas

PBH lança vídeo-catálogo de exposição sobre influências afro-brasileiras

Mostra 'NDÊ! Trajetórias Afro- Brasileiras em Belo Horizonte' foi exibida no Museu Histórico Abílio Barreto.

PBH lança vídeo-catálogo de exposição sobre influências afro-brasileiras

Museu Nacional lança livro sobre resgate de acervo atingido por fogo

Obra destaca o trabalho de recuperação ao longo de 500 dias.

Museu Nacional lança livro sobre resgate de acervo atingido por fogo

Por que não valorizamos os museus da forma como eles merecem?

Em setembro de 2018, o Museu Nacional, do Rio de Janeiro, sofreu um incêndio que destruiu grande parte do seu vasto acervo etnográfico e cultural.

Por que não valorizamos os museus da forma como eles merecem?

Mestres da viola abrem caminho para a nova geração

Violeiros do Brasil Festival Online recebe jovens instrumentistas para apresentações online e de graça entre 9 e 25 de abril.

Mestres da viola abrem caminho para a nova geração

Sesc Palladium exibirá curtas-metragens mineiros no Instagram

“Curta na Quinta” apresenta quatro produções ao longo de mês de abril.

Sesc Palladium exibirá curtas-metragens mineiros no Instagram

Museu do Pontal terá nova sede no Rio de Janeiro

O Museu do Pontal tem um acervo de mais de 9 mil obras de 300 artistas de várias regiões do país.

Museu do Pontal terá nova sede no Rio de Janeiro

Museu Casa Guimarães Rosa celebra 47º aniversário de inauguração com live

Museu Casa Guimarães Rosa realiza live com a professora Diomira Maria

Museu Casa Guimarães Rosa celebra 47º aniversário de inauguração com live

‘Movido’ a energia solar, o circo online chegou

Trupe sustentável faz espetáculos sem público e disponibiliza sessões no YouTube.

‘Movido’ a energia solar, o circo online chegou

Sesc Palladium promove sarau virtual e fortalece a produção literária de mulheres poetas

Iniciativa será realizada no dia 31 de março e celebrará a arte independente.

Sesc Palladium promove sarau virtual e fortalece a produção literária de mulheres poetas

Belo Horizonte abre inscrições de projetos para uso dos teatros públicos

A previsão inicial de ocupação é de junho a dezembro de 2021.

Belo Horizonte abre inscrições de projetos para uso dos teatros públicos