Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Patrimônio histórico cultural: identidade e memória

Patrimônio histórico cultural: identidade e memória

17/09/2022 Norton Frehse Nicolazzi Jr.

Há mais de quinze anos, acompanhei estudantes do Ensino Médio em uma viagem de intercâmbio cultural à cidade de Himeji, no Japão.

Numa visita a um templo religioso chamou-me a atenção o fato de que ele é periodicamente desmontado e remontado. O motivo? Assim, as novas gerações podem compreender o empenho de seus ancestrais e valorizar suas heranças.

A mesma viagem rendeu outro aprendizado, esse na cidade de Hiroshima. Ali, preservam-se as ruínas da Cúpula Genbaku, edifício que permaneceu praticamente intacto após a explosão da bomba atômica, em 6 de agosto de 1945. As ruínas, hoje preservadas como memorial do bombardeio, estão registradas como Patrimônio Mundial da Unesco – Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura.

Tendo trabalhado por dois anos no Setor de Patrimônio Histórico do IPPUC – Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba, asseguro que a experiência em terras nipônicas me surpreendeu. Afinal, nas tropicais terras brasileiras, o cuidado com a História, com a memória e com o patrimônio anda a passos lentos.

Por aqui, invariavelmente relacionamos o termo patrimônio histórico ao conjunto de bens materiais, naturais ou imóveis que possuem significado e importância artística, cultural, religiosa, documental ou estética, relacionados a aspectos do passado.

Ao empregarmos esse termo, o que vem à mente são os grandes edifícios, na maioria de uso público, que permanecem como imensos blocos monolíticos, dado seu elevado grau de imobilidade. Também é comum associarmos o termo às obras de arte e monumentos feitos pelo poder público e agências de fomento cultural para criar uma ideia sobre o passado, assegurando uma visão homogênea da História.

Resumindo, a concepção usual de patrimônio é a de patrimônio material, que remete a algo cristalizado, congelado, distante demais de uma dinâmica histórica. Assim, a ideia que o patrimônio transmite não condiz com sua natureza, que é a da preservação da memória coletiva, entendida como uma dimensão fundamental da identidade dos indivíduos tomados em coletividade.

Por isso, devemos ampliar o conceito de patrimônio histórico cultural, expandindo-o para além das edificações, das manchas urbanas, das obras de arte e outros bens materialmente visíveis e palpáveis. Para o IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional -, o patrimônio histórico cultural constitui-se no patrimônio material e imaterial.

Na prática, a ampliação do conceito é tarefa árdua, pois a ideia/conceito de patrimônio cultural está distante do cotidiano vivido. A impressão é de que ele está afastado das experiências e vivências das “pessoas comuns” e que, apesar de importante, esse assunto não lhes diz respeito.

E só é possível identificar e reconhecer um patrimônio cultural a partir do momento em que ele é conhecido enquanto ideia e conceito, passível de ser apreendido e vivenciado por todos os integrantes da sociedade. É aí que uma educação patrimonial se mostra urgente. Ela precisa primar pela construção coletiva do conhecimento, pelo diálogo entre os agentes sociais e pela participação efetiva das comunidades detentoras das referências culturais em que convivem noções plurais do que é esse patrimônio.

É em prol da afirmação das múltiplas identidades culturais e de uma contínua melhoria na qualidade de vida de todas as pessoas que consideramos a preservação e a educação patrimonial como um dos degraus para alcançarmos a cidadania plena. Ela nos permite ser cidadãos conscientes de nossos papéis enquanto sujeitos históricos e quiçá, assim, como acontece no longínquo Japão, as novas gerações compreendam o empenho de seus ancestrais e valorizem suas heranças.

* Norton Frehse Nicolazzi Junior é mestre em História, especialista em Ensino e Cultura Contemporânea e coordenador do Núcleo de Evolução de Conteúdo do Sistema Positivo de Ensino.

Para mais informações sobre patrimônio cultural clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Central Press



MAM São Paulo abre chamada para a nova edição do Laboratório de Pesquisa

O MAM anuncia chamada pública para o edital que oferece bolsa para pesquisadores desenvolverem estudos atrelados ao acervo do museu.

Autor: Divulgação

MAM São Paulo abre chamada para a nova edição do Laboratório de Pesquisa

BH recebe a exposição “Bolinho: Além do Arco-íris”

Sensação nas ruas de BH, obras da grafiteira 'Raquel Bolinho' serão tema da mostra.

Autor: Divulgação

BH recebe a exposição “Bolinho: Além do Arco-íris”

‘Nosso Lar 2 – Os Mensageiros’ atinge mais de 1 milhão de espectadores

Novo longa de Wagner de Assis mantém circuito de mais de 900 salas em sua segunda semana em cartaz.

Autor: Divulgação


A arte é mais importante que o comer e o alimentar-se?

Reflexões sobre o episódio das ativistas que jogaram sopa no quadro da Mona Lisa, no Museu do Louvre, Paris.

Autor: João Ibaixe Jr.

A arte é mais importante que o comer e o alimentar-se?

Exposição “Ocupação Paulo Nazareth” é reaberta na UFMG

Projeto de formação artística e pedagógica promove encontro entre arte e educação.

Autor: Divulgação

Exposição “Ocupação Paulo Nazareth” é reaberta na UFMG

Festival Encontros Literários no Serro: uma celebração multifacetada da literatura

Excelente oportunidade para moradores e turistas em busca de novos horizontes para nutrir corpo e alma.

Autor: Divulgação

Festival Encontros Literários no Serro: uma celebração multifacetada da literatura

Orquestra Ouro Preto estreia “Brasil com S”

Formação mineira apresenta repertório com obras inéditas de grandes compositores brasileiros, de diferentes gerações, que evidencia a multiplicidade musical do país.

Autor: Divulgação

Orquestra Ouro Preto estreia “Brasil com S”

Livro, um sobrevivente

Doze de outubro é celebrado o Dia Nacional da Leitura, instituído por lei em 2009.

Autor: Aroldo Veiga

Livro, um sobrevivente

A arte sendo digital

Blockchains e NFTs são exemplos de como os recursos digitais podem resultar noutras formas de produzir e gerenciar a arte.

Autor: George Leal Jamil

A arte sendo digital

Orquestra Mineira de Câmara faz apresentação com o Trio Amaranto no Sesiminas

As três irmãs unem a excelência vocal ao talento da Orquestra e juntos vão interpretar clássicos do cancioneiro nacional.

Autor: Divulgação

Orquestra Mineira de Câmara faz apresentação com o Trio Amaranto no Sesiminas

BMG inaugura Instituto para centralizar os investimentos sociais

Localizado em Belo Horizonte, espaço fomenta e desenvolve ações sociais, esportivas e educacionais que visam transformar a vida de pessoas em situação de vulnerabilidade social.

Autor: Divulgação

BMG inaugura Instituto para centralizar os investimentos sociais

Oportunidade de viver a literatura fora das telas

É impressionante como o entretenimento disputa nossa atenção. Filmes, séries, redes sociais e videogames orbitam nossas telas e vidas.

Autor: Renata Dembogurski

Oportunidade de viver a literatura fora das telas