Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A coroação de Charles III e as monarquias pelo mundo

A coroação de Charles III e as monarquias pelo mundo

23/05/2023 João Alfredo Lopes Nyegray

Há quem ache que a monarquia é sinônimo de uma forma de governo retrógrada e medieval, que hoje possui pouco espaço no mundo.

A coroação de Charles III e as monarquias pelo mundo

Esse sistema, no entanto, é muito mais do que isso. Em definição, a monarquia é uma forma de governo em que um único indivíduo – o monarca – exerce a função de chefe de Estado. Cabe ao chefe de estado a representação simbólica da nação, enquanto o chefe de governo – normalmente um primeiro-ministro – é responsável pela administração do governo e pela tomada de decisões políticas.

Na maioria das monarquias constitucionais contemporâneas, o monarca desempenha o papel de chefe de estado. Nessa forma de monarquia – a constitucional – os poderes do monarca são limitados por uma constituição ou documento similar. Nesse sistema, o monarca exerce funções principalmente cerimoniais e representativas, enquanto o poder político é comandado por órgãos governamentais. O monarca desempenha um papel simbólico na unidade nacional e na preservação da estabilidade institucional do país. Monarquias constitucionais incluem o Reino Unido, com o agora rei Charles III; e a Espanha, cujo rei, Felipe VI, exerce funções representativas, mas o Poder Executivo é exercido pelo presidente do governo.

Um outro tipo de monarquia ainda existente nos dias de hoje é a monarquia absolutista, caracterizada pelo exercício do poder irrestrito do monarca. Nesse sistema, o rei tem autoridade absoluta sobre o governo e não está sujeito a limitações constitucionais ou controles legislativos significativos. Seus poderes são, portanto, executivos, legislativos e judiciais, e suas decisões não podem ser contestadas. Exemplos de países que possuíram monarquias absolutistas incluem a França durante o Ancien Régime, com os monarcas Bourbon, como Luís XIV, conhecido como o "Rei Sol"; e a Rússia imperial sob a dinastia Romanov, com nomes como Pedro, o Grande, e Catarina, a Grande.

Ainda que com características distintas dos séculos anteriores, hoje ainda há monarquias com caráter absolutista. Frequentemente citado como exemplo é o sultanato de Brunei, onde o sultão, Hassanal Bolkiah, ocupa o cargo desde 1967 e possui um controle substancial sobre os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário do país. Outro exemplo é a Arábia Saudita, embora com um sistema de governo um pouco mais complexo. No caso saudita, o rei é chefe de Estado e o monarca do país, mas a monarquia em si também é governada por uma combinação de leis religiosas e tribais. O rei exerce poderes consideráveis, e a tomada de decisões importantes geralmente passa por sua aprovação, um clássico elemento de monarquia absolutista.

No total, há 43 países governados de forma monárquica, e cada qual possui sua própria abordagem única em relação ao papel do monarca e à divisão de poderes entre o soberano e outras instituições governamentais. A extensão de poder de cada monarquia reflete não apenas distinções culturais e constitucionais, mas também diferentes tradições históricas.

Tradição, aliás, é uma das palavras mais notáveis quando se fala de monarquias, o que certamente ficou claro para todos aqueles que assistiram à cerimônia de coroação do rei Charles III. Coroado aos 74 anos, ninguém se preparou tanto como Charles para ocupar o cargo. Dadas as particularidades do Reino Unido, o monarca é chefe de Estado do país e líder da Igreja Anglicana. Em uma belíssima cerimônia ocorrida quase oito meses após o falecimento da longeva rainha Elizabeth II, mais de 2,3 mil autoridades estrangeiras foram convidadas para a coroação. Muitas delas aproveitaram o momento para reuniões bilaterais e aprofundamento de relações, como na reunião entre o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o primeiro-ministro Rishi Sunak.

As origens da coroação britânica são milenares, e os mais de mil anos de tradição nos ajudam a entender um pouco do interesse que há ao redor da família real britânica. Há entre os britânicos e a família real não apenas muitos séculos, mas certamente uma ligação identitária. Dos 11 mil militares que participaram da coroação, 4 mil estiveram na procissão entre a Abadia de Westminster e o Palácio de Buckingham, e os demais empenharam-se na segurança do evento.

Críticos da monarquia referem-se não apenas ao sistema de governo, mas também aos gastos da família real e do evento da coroação para tentar converter o país numa república. A questão é que a família real britânica rende anualmente mais de R$ 15 bilhões à economia do Reino Unido, de acordo com o jornal The Independent. Nessa somatória está a receita com ingressos às propriedades da realeza, os souvenires e os diversos outros pontos turísticos. Por outro lado, os gastos da família ficam na casa de R$ 3 bilhões anuais. A título de comparação, a presidência brasileira gastou R$ 9,3 bilhões de reais em 2015 – sem trazer retorno ou turismo. Ou seja: ter um rei dá lucro.

*João Alfredo Lopes Nyegray é doutor e mestre em Internacionalização e Estratégia. Especialista em Negócios Internacionais. Advogado, graduado em Relações Internacionais. Coordenador do curso de Comércio Exterior na Universidade Positivo (UP).

Para mais informações sobre monarquia clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Central Press



Ascensão dos devocionais

No final dos anos 1990, algumas igrejas brasileiras utilizavam os devocionais para mobilizar seus membros a desenvolverem uma vida espiritual ativa e dinâmica

Autor: Magno Paganelli

Ascensão dos devocionais

Santuário do Pai das Misericórdias: lugar de encontro com Deus e renovação espiritual

O Santuário do Pai das Misericórdias é um importante centro de peregrinação e devoção católica, atraindo fiéis de diversas partes do país e do mundo.

Autor: Pe. João Gualberto


Brasileiros solidários

A Gol em parceria com a Avianca, empresas do grupo Abra, transportou doações em mais um voo humanitário.

Autor: Divulgação

Brasileiros solidários

Solidariedade permanente

Há alguém que dependa única e exclusivamente de si? "Ah, sim, 'eu sou o cara, faço e aconteço, sou uma pessoa independente'".

Autor: Padre Marcio Prado


Cemig envia equipes, geradores e veículos especiais para RGS

Equipamentos cedidos pela companhia podem atender até 2.500 mil residências afetadas pelas enchentes no estado.

Autor: Divulgação

Cemig envia equipes, geradores e veículos especiais para RGS

LBV lança campanha de combate à dengue com recado das crianças

O objetivo de promover hábitos saudáveis e eliminar criadouros do mosquito.

Autor: Divulgação


“Dias Perfeitos”: a incrível beleza das coisas simples

Talvez a maior perda de um mundo em que tudo acontece apenas dentro de uma tela é que as pessoas perdem o caminho de seu mundo interno.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Saúde espiritual: cura que vem de dentro para fora

É fato que a medicina moderna avançou consideravelmente no tratamento das doenças físicas ao longo dos séculos.

Autor: Tatiana Capanema

Saúde espiritual: cura que vem de dentro para fora

O livro de Tobias: uma história edificante

No século III antes de Cristo um grande número de judeus moravam no Egito, em Alexandria.

Autor: Lino Rampazzo


Como as emoções afetam o ambiente de trabalho?

A concorrência no mundo dos negócios é diariamente uma arena onde a racionalidade e a tomada de decisões estratégicas são imperativas para o sucesso.

Autor: Divulgação

Como as emoções afetam o ambiente de trabalho?

Segredo para casamentos duradouros

Com os anos de relacionamento, não é incomum que todo aquele encanto, a alegria, o prazer de estar com a pessoa amada enfraqueça, diminua, encolha e desbote.

Autor: Déa Jório e Jal Reis

Segredo para casamentos duradouros

Especialista explica as consequências da timidez

Atividades que desenvolvem habilidades sociais podem ser a solução.

Autor: Divulgação

Especialista explica as consequências da timidez