Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A insônia do brasileiro, o stress e a meta de dormir melhor

A insônia do brasileiro, o stress e a meta de dormir melhor

03/02/2020 Dra. Verena Senn

Todo início do ano vem acompanhado por um checklist de metas pessoais a serem cumpridas no decorrer dos meses.

A insônia do brasileiro, o stress e a meta de dormir melhor

Entre elas, dormir melhor é um desejo frequente, ainda mais quando 20% da população mundial sofre de insônia.

Segundo a Associação Brasileira do Sono, no Brasil, um terço da população tem problemas para dormir, ou seja, somos 73 milhões de pessoas passando noites em claro e perdendo o rendimento das atividades diárias. Somado a esse número alarmante, de acordo com a International Stress Management Association (ISMA-BR), nosso país está em segundo lugar no ranking mundial de pessoas afetadas pela Síndrome de Burnout, que é o excesso de stress relacionado ao trabalho.

Olhando esses números podemos afirmar que dormir melhor se tornou uma necessidade, uma vez que interfere, principalmente, nas funções cognitivas, além das imunológicas e emocionais.

No que tange à cognição, isso significa que uma performance ruim no sono implica em problemas que envolvem raciocínio, tais como maior dificuldade na tomada de decisões e resolução de problemas e menor uso da linguagem e da criatividade.

O fato é que essas consequências acarretam em um dia a dia sem energia, corroborando para que o alcance de metas em todas as esferas da vida, profissional ou pessoal, se torne cada vez mais longínquo.

Agora que entendemos a importância do sono para as funções cognitivas, como podemos estabelecer uma solução para dormir melhor? O primeiro pilar para uma boa experiência de sono é um colchão com uma ergonomia eficaz, cuja firmeza proporcione ao usuário uma quantidade saudável tanto de alívio de pressão como de apoio. É o que fornecerá conforto, mas também o alinhamento da coluna vertebral para não acordar com dores.

Mas podemos ir além. Também é importante considerar a distribuição de calor do corpo. Isso porque, durante a noite, experimentamos diferentes fases do sono: leve, profundo, sonho e REM (do inglês, Rapid Eye Movement), que se refere ao sono com atividade cerebral similar àquela que se passa nas horas em que se está acordado.

Durante o sono profundo, o corpo relaxa e a nossa pressão sanguínea diminui. Esta é a fase de regeneração, que é muito importante para a qualidade do sono. A temperatura diminui, e não é devido ao sono profundo que temos o declínio. É justamente o contrário. Ou seja, é necessário que haja a diminuição da temperatura do corpo para entrar em sono profundo. Por isso, o colchão deve aliviar o calor do corpo.

Todos sabem como uma noite de sono ruim pode fazer você se sentir. Agora, multiplique essa noite em uma semana, ou mesmo meses, e é fácil entender como uma má experiência do sono afeta a vida diária das pessoas e sua saúde mental e física. Em 2020, vamos adotar a meta número 1 - dormir melhor - para ter sucesso nas demais?

* Dra. Verena Senn é PHD em neurociência, especialista em sono e Senior Expert Research na Emma Colchões Brasil, startup global voltada à tecnologia do sono.

Fonte: IMAGE Comunicação



O valor de um abraço

Livro de poesias nasce em homenagem aos milhões de abraços perdidos durante a pandemia de Covid-19.


4 situações para usar a imaginação como ferramenta de transformação

O cérebro não reconhece a diferença entre o pensamento e a realidade.

4 situações para usar a imaginação como ferramenta de transformação

Epidemia do coronavírus acelera epidemia de obesidade infantojuvenil

O ganho de peso entre crianças e adolescentes dá sinais de alerta global há algumas décadas.

Epidemia do coronavírus acelera epidemia de obesidade infantojuvenil

Troco Solidário Havan beneficia mais de 140 instituições

Somente no primeiro semestre de 2022, foram arrecadados mais de R$ 6 milhões nas lojas da rede.


O ego e outras drogas

Acho muito pouco elegante usar a si mesmo como referência ou um autor citar uma frase de sua própria autoria para exemplificar algo.

O ego e outras drogas

Pé chato em crianças a partir dos 7 anos deve ser avaliado por especialistas

Cerca de 4% das crianças não desenvolvem o arco plantar e podem ter problemas nos membros inferiores na vida adulta.

Pé chato em crianças a partir dos 7 anos deve ser avaliado por especialistas

O perigo de quedas e a prevenção de acidentes domésticos com idosos

O aumento da expectativa de vida nos últimos anos aumentou, e como consequência, tivemos um crescimento significativo de idosos.

O perigo de quedas e a prevenção de acidentes domésticos com idosos

Havan contempla mais 16 projetos sociais e culturais por meio de leis de incentivos

No segundo trimestre de 2022, varejista destinou mais de R$ 1,6 milhão aos projetos de lei federal.

Havan contempla mais 16 projetos sociais e culturais por meio de leis de incentivos

Atividades para acalmar crianças autistas

Lidar com as emoções nem sempre é fácil.

Atividades para acalmar crianças autistas

Por que se desconectar da internet?

É comum querermos proteger e privar crianças e adolescentes do uso constante do celular.

Por que se desconectar da internet?

Dia mundial dos avós

Neste domingo, 24 de julho de 2022, comemoramos o II Dia Mundial dos Avós.

Dia mundial dos avós

Joanete pode afetar até 30% das mulheres na fase adulta da vida

O hálux valgo, mais conhecido como “joanete” é uma das deformidades mais comuns dos pés.

Joanete pode afetar até 30% das mulheres na fase adulta da vida