Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Escola da vida em tempos de isolamento social

Escola da vida em tempos de isolamento social

21/05/2020 Fernando Vargas

Estamos vivendo todos no mesmo barco.

Escola da vida em tempos de isolamento social

Estamos vivendo uma experiência única, algo que aconteceu sem planejamento e, em menos de um bimestre, de repente, tudo mudou. Ficou evidente que não tínhamos o controle de nada.

Sempre me senti privilegiado por ter nascido e me criado em ambiente escolar, pois é sabido que as escolas lidam diariamente com situações inesperadas. Sendo assim, sinto-me, de certa forma, preparado para dialogar com situações adversas, nas quais somos obrigados a nos reinventar, replanejar e dar respostas. Acontece que, neste momento, a resposta mais comum para todas as questões é: não sei! E o não saber gera medo e ansiedade. Mas acredito que, talvez, seja a hora de deixarmos um pouco isso tudo de lado. O melhor é procurarmos aceitar e vivenciar aquilo que já sabíamos, colocando de fato, em prática.

Estamos vivendo todos no mesmo barco, no meio de uma tempestade e, para piorar, não temos a menor ideia de quando o mar irá se acalmar. Mas como disse anteriormente, o ambiente escolar nos ensina a lidar com situações inesperadas e nós, educadores, rapidamente nos tornarmos capitães junto a uma tripulação da Educação, buscando conhecimento para controlar a situação e equilibrar o barco. Afinal, a Educação e a Escola não param jamais! 

De imediato, após identificada a situação, algumas escolas passaram a utilizar as tecnologias digitais para o ensino remoto, enquanto outras optaram por decretar “férias”, buscando ganhar tempo e se preparar com mais tranquilidade para o retorno, agora no início de maio, com isolamento social. Afinal, não temos previsão de retorno. Muitos estados, como São Paulo, acreditam que a retomada gradual da atividade “normal” nas escolas será por volta de julho, mas isso é apenas “achismo” e “futurologia”.

Assim como muitos de vocês que aqui me leem, também sou pai de um adolescente de 17 anos do Ensino Médio e de uma criança de 3 anos. Tanto eu como minha esposa estamos trabalhamos em casa. Você se identificou conosco? Então, concordam que estamos todos aprendendo a viver em isolamento físico, mas não totalmente social? Felizmente, temos ferramentas digitais que, mesmo distantes fisicamente, são capazes de nos aproximar virtualmente. 

Foi isso que as escolas de Educação Básica fizeram. Buscaram, por meio dos recursos pedagógicos virtuais, possibilidades para que os alunos não parassem seus estudos, pois a escola é um espaço social de interpelação contínua, e foi necessário quebrar paradigmas para um novo “padrão normal” e, com a pandemia, esse processo se tornou necessário e urgente.

O medo de absorver mudanças não pode estar presente na estrutura da Educação. Aliás, o Conhecimento acaba com muitos medos. Não é mesmo? O tempo é algo muito precioso na sociedade contemporânea e, por isso, famílias sempre alegaram falta de tempo para estarem juntos. De repente, tudo mudou – e as crianças que, antes estavam nas escolas, passaram a conviver em suas casas, em isolamento social. Aí lhe pergunto: o que acontece com todo esse tempo que passamos a ter? Vocês acreditam em solução mágica? Não falo da realização das atividades escolares remotas enviadas pelas escolas, mas do estar junto praticando a afetividade. 

Constatamos que, na quarentena, a paternidade e a maternidade compulsórias vieram cobrar seu preço mais alto. Uma excelente oportunidade, também, de rever essas relações, em vez de apenas reforçá-las com a ideia perversa de que criança atrapalha.

Entendo que não seja coerente exigir velocidade em tempos de pausa, afinal, o momento atual convida à exploração de novos cenários e de novas formas de pensar e agir. É tempo de se unir à escola de seus filhos e filhas, buscando o melhor, em uma valorização mútua. Os professores estão produzindo muito para o ensino remoto e sabem da importância dos pais neste processo. Que desafio, hein?!

Agora é o momento de parceria, união de forças, empatia e, acima de tudo, tentarmos viver este momento de cuidado com nós mesmos e com os outros. Cabe ressaltar que, antes de buscarmos respostas, é preciso considerar o legado que a pandemia deixará para o retorno à sala de aula. Mas, sobre isso, conversaremos posteriormente. Até a próxima! 

* Fernando Vargas é casado e pai de dois filhos. Pedagogo com mestrado em Educação, Arte e História da Cultura e MBA em Gestão Educacional. Atualmente é Consultor Pedagógico da Conquista Soluções Educacionais.

Fonte: Central Press



Botox no dentista! Especialista tira dúvidas sobre uso e aplicação

Especialista tira dúvidas sobre o uso da toxina botulínica para tratamentos de saúde bucal.

Botox no dentista! Especialista tira dúvidas sobre uso e aplicação

O novo novo

Não estou lembrada, em meus anos de vida, de ter aprendido tanta coisa em tão pouco tempo.

O novo novo

Qualidade de vida na terceira idade

Durante a vida, todos correm atrás do mesmo objetivo: uma boa qualidade de vida.

Qualidade de vida na terceira idade

De onde vem a sua Meta?

Para atingir o sucesso as metas devem estar planejadas de forma clara e bem alicerçadas.

De onde vem a sua Meta?

Excesso de videoconferência pode levar a exaustão mental

Pessoas que já tem algum quadro de saúde mental podem ser mais propensas a desenvolver o Zoom Fatigue.

Excesso de videoconferência pode levar a exaustão mental

Laços fortalecidos e permanentes entre pais e filhos

Crianças e adolescentes passam por vários momentos críticos ao longo do seu desenvolvimento, muitos deles pertinentes à sua idade.


Somos protagonistas da nossa realidade

Uma vida bem-sucedida envolve você estar feliz e em paz em todas as áreas: saúde, relacionamentos, profissão.


Violência contra mulher cresce no período de quarentena

Consequências deste cenário podem levar ao feminicídio, doenças associadas à infecção pelo HIV e suicídio.

Violência contra mulher cresce no período de quarentena

Os desafios das gestantes na pandemia

Estamos vivenciando algo inédito para a geração atual, mas não tão estranho para quem viveu outras doenças com poucos recursos.

Os desafios das gestantes na pandemia

O poder que você tem

Realizar os seus objetivos não é tão difícil assim.

O poder que você tem

As regras para a retomada dos condomínios comerciais

Neste momento de relaxamento da quarentena, cada condomínio tem autonomia para criar suas próprias regras de flexibilização da quarentena.


As máscaras ajudam ou atrapalham na hora do exercício físico?

A adoção do distanciamento social/físico a prática de atividade física foi reduzida.

As máscaras ajudam ou atrapalham na hora do exercício físico?