Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Mais da metade das mulheres sexualmente ativas no Brasil têm dificuldade para atingir o orgasmo

Mais da metade das mulheres sexualmente ativas no Brasil têm dificuldade para atingir o orgasmo

04/02/2020 Divulgação

Esta e outras disfunções femininas possuem tratamento, como reposição hormonal, exercícios pélvicos e psicoterapia.

Mais da metade das mulheres sexualmente ativas no Brasil têm dificuldade para atingir o orgasmo

As disfunções sexuais também assombram as mulheres. Para se ter uma ideia, no Brasil, 55,6% da população feminina entre 18 e 70 anos não têm o costume de atingir o orgasmo durante o sexo, segundo estudo do Projeto de Sexualidade (ProSex), da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), feito com 3 mil participantes. E esta é apenas uma das queixas na alcova. Elas também reclamam de queda na libido, lubrificação insuficiente, dores e ardências vaginais e até mesmo fobia ao sexo.

Segundo a médica ginecologista Luciana Barros, especializada em ginecologia e estética íntima, estas e outras disfunções têm causas muito pessoais. Podem ser tanto de origem orgânica, relacionada a hormônios, uso de medicamentos como antidepressivos e anticoncepcionais, abuso de álcool e doenças como diabetes, hipertireoidismo e hipertensão arterial; quanto psicológica e emocional, provocada por estresse, traumas, culpas, falta de conhecimento do próprio corpo ou dificuldades com o parceiro. “Seja qual for a razão, é muito importante que a mulher deixe a vergonha e o medo de lado e procure ajuda profissional assim que detectar o problema”, diz a médica.

A boa notícia é que a disfunção sexual feminina tem tratamento. A falta de excitação e lubrificação vaginal, por exemplo, pode estar relacionada à baixa de estrogênio, o hormônio feminino, cuja produção é naturalmente reduzida com o início da menopausa. “A insuficiência de estrogênio afeta a relação sexual, deixando o toque vaginal muito doloroso. Mas o problema pode ser sanado com reposição hormonal”, informa Luciana Barros.

A terapia estrogênica é aplicada diretamente na vagina, em formato de creme, gel, tablete ou anel. “O tratamento intensifica o tônus, a elasticidade vaginal e o fluxo sanguíneo. Isso melhora a lubrificação e, consequentemente, aumenta o prazer sexual”, informa a médica. Com resposta e eficácia muito similares, o laser íntimo utiliza o calor terapêutico (termoterapia) para estimular a vascularização, de forma rápida e indolor.

Outro recurso disponível é a terapia androgênica, feita com testosterona, o hormônio masculino. “A aplicação é transdérmica, por meio de adesivos no abdômen, géis ou pomadas intravaginais e implantes na região dos glúteos. Porém, este tratamento ainda não é tão regularmente usado”, contrasta Luciana Barros.

Mulheres que utilizam anticoncepcionais e antidepressivos também podem apresentar queda de libido e secura na vagina. Neste caso, a solução passa pela substituição da marca ou do tipo de contraceptivo e no uso de lubrificantes à base de água previamente ao sexo. Lubrificantes, a propósito, também ajudam a tratar a dor, potencializando a umidificação vaginal – a terapia sexual é a mais indicada em casos de fobia, pois irá trabalhar possíveis traumas.

Já a dificuldade em atingir o orgasmo (anorgasmia) pode ser driblada com exercícios como o pompoarismo. “Por meio da contração e relaxamento dos músculos do assoalho pélvico, a mulher aprende a sentir a si mesma e a descobrir suas zonas erógenas. E mais: estes exercícios de espasmo da musculatura são eficientes para tratar a dor”, orienta Luciana Barros.

O uso de vibradores e outros brinquedos sexuais também pode ser interessante para estimular o autoconhecimento e o prazer, além de, claro, o diálogo franco e transparente com o parceiro para trabalhar inibições, culpas ou o próprio jogo sexual. Vale lembrar que a mulher pode chegar ao orgasmo não apenas com a penetração, mas também com o estímulo do clitóris – sendo este o mais frequente entre as mulheres.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



O valor de um abraço

Livro de poesias nasce em homenagem aos milhões de abraços perdidos durante a pandemia de Covid-19.


4 situações para usar a imaginação como ferramenta de transformação

O cérebro não reconhece a diferença entre o pensamento e a realidade.

4 situações para usar a imaginação como ferramenta de transformação

Epidemia do coronavírus acelera epidemia de obesidade infantojuvenil

O ganho de peso entre crianças e adolescentes dá sinais de alerta global há algumas décadas.

Epidemia do coronavírus acelera epidemia de obesidade infantojuvenil

Troco Solidário Havan beneficia mais de 140 instituições

Somente no primeiro semestre de 2022, foram arrecadados mais de R$ 6 milhões nas lojas da rede.


O ego e outras drogas

Acho muito pouco elegante usar a si mesmo como referência ou um autor citar uma frase de sua própria autoria para exemplificar algo.

O ego e outras drogas

Pé chato em crianças a partir dos 7 anos deve ser avaliado por especialistas

Cerca de 4% das crianças não desenvolvem o arco plantar e podem ter problemas nos membros inferiores na vida adulta.

Pé chato em crianças a partir dos 7 anos deve ser avaliado por especialistas

O perigo de quedas e a prevenção de acidentes domésticos com idosos

O aumento da expectativa de vida nos últimos anos aumentou, e como consequência, tivemos um crescimento significativo de idosos.

O perigo de quedas e a prevenção de acidentes domésticos com idosos

Havan contempla mais 16 projetos sociais e culturais por meio de leis de incentivos

No segundo trimestre de 2022, varejista destinou mais de R$ 1,6 milhão aos projetos de lei federal.

Havan contempla mais 16 projetos sociais e culturais por meio de leis de incentivos

Atividades para acalmar crianças autistas

Lidar com as emoções nem sempre é fácil.

Atividades para acalmar crianças autistas

Por que se desconectar da internet?

É comum querermos proteger e privar crianças e adolescentes do uso constante do celular.

Por que se desconectar da internet?

Dia mundial dos avós

Neste domingo, 24 de julho de 2022, comemoramos o II Dia Mundial dos Avós.

Dia mundial dos avós

Joanete pode afetar até 30% das mulheres na fase adulta da vida

O hálux valgo, mais conhecido como “joanete” é uma das deformidades mais comuns dos pés.

Joanete pode afetar até 30% das mulheres na fase adulta da vida