Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Mais da metade das mulheres sexualmente ativas no Brasil têm dificuldade para atingir o orgasmo

Mais da metade das mulheres sexualmente ativas no Brasil têm dificuldade para atingir o orgasmo

04/02/2020 Divulgação

Esta e outras disfunções femininas possuem tratamento, como reposição hormonal, exercícios pélvicos e psicoterapia.

Mais da metade das mulheres sexualmente ativas no Brasil têm dificuldade para atingir o orgasmo

As disfunções sexuais também assombram as mulheres. Para se ter uma ideia, no Brasil, 55,6% da população feminina entre 18 e 70 anos não têm o costume de atingir o orgasmo durante o sexo, segundo estudo do Projeto de Sexualidade (ProSex), da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), feito com 3 mil participantes. E esta é apenas uma das queixas na alcova. Elas também reclamam de queda na libido, lubrificação insuficiente, dores e ardências vaginais e até mesmo fobia ao sexo.

Segundo a médica ginecologista Luciana Barros, especializada em ginecologia e estética íntima, estas e outras disfunções têm causas muito pessoais. Podem ser tanto de origem orgânica, relacionada a hormônios, uso de medicamentos como antidepressivos e anticoncepcionais, abuso de álcool e doenças como diabetes, hipertireoidismo e hipertensão arterial; quanto psicológica e emocional, provocada por estresse, traumas, culpas, falta de conhecimento do próprio corpo ou dificuldades com o parceiro. “Seja qual for a razão, é muito importante que a mulher deixe a vergonha e o medo de lado e procure ajuda profissional assim que detectar o problema”, diz a médica.

A boa notícia é que a disfunção sexual feminina tem tratamento. A falta de excitação e lubrificação vaginal, por exemplo, pode estar relacionada à baixa de estrogênio, o hormônio feminino, cuja produção é naturalmente reduzida com o início da menopausa. “A insuficiência de estrogênio afeta a relação sexual, deixando o toque vaginal muito doloroso. Mas o problema pode ser sanado com reposição hormonal”, informa Luciana Barros.

A terapia estrogênica é aplicada diretamente na vagina, em formato de creme, gel, tablete ou anel. “O tratamento intensifica o tônus, a elasticidade vaginal e o fluxo sanguíneo. Isso melhora a lubrificação e, consequentemente, aumenta o prazer sexual”, informa a médica. Com resposta e eficácia muito similares, o laser íntimo utiliza o calor terapêutico (termoterapia) para estimular a vascularização, de forma rápida e indolor.

Outro recurso disponível é a terapia androgênica, feita com testosterona, o hormônio masculino. “A aplicação é transdérmica, por meio de adesivos no abdômen, géis ou pomadas intravaginais e implantes na região dos glúteos. Porém, este tratamento ainda não é tão regularmente usado”, contrasta Luciana Barros.

Mulheres que utilizam anticoncepcionais e antidepressivos também podem apresentar queda de libido e secura na vagina. Neste caso, a solução passa pela substituição da marca ou do tipo de contraceptivo e no uso de lubrificantes à base de água previamente ao sexo. Lubrificantes, a propósito, também ajudam a tratar a dor, potencializando a umidificação vaginal – a terapia sexual é a mais indicada em casos de fobia, pois irá trabalhar possíveis traumas.

Já a dificuldade em atingir o orgasmo (anorgasmia) pode ser driblada com exercícios como o pompoarismo. “Por meio da contração e relaxamento dos músculos do assoalho pélvico, a mulher aprende a sentir a si mesma e a descobrir suas zonas erógenas. E mais: estes exercícios de espasmo da musculatura são eficientes para tratar a dor”, orienta Luciana Barros.

O uso de vibradores e outros brinquedos sexuais também pode ser interessante para estimular o autoconhecimento e o prazer, além de, claro, o diálogo franco e transparente com o parceiro para trabalhar inibições, culpas ou o próprio jogo sexual. Vale lembrar que a mulher pode chegar ao orgasmo não apenas com a penetração, mas também com o estímulo do clitóris – sendo este o mais frequente entre as mulheres.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Manter hábitos saudáveis pode melhorar a qualidade de vida

Como disse Jim Rohn, palestrante americano de sucesso, “Para ter o que nunca teve, faça o que nunca fez”.

Manter hábitos saudáveis pode melhorar a qualidade de vida

Startup oferece guia de exercícios para fazer em casa

Em meio ao momento de cuidados redobrados com a saúde, empresa amplia serviços para que usuários se mantenham saudáveis e ativo.

Startup oferece guia de exercícios para fazer em casa

Natação para bebês estreita relações afetivas

Eles podem desenvolver noções de relacionamento em grupo e respeito por meio do esporte.

Natação para bebês estreita relações afetivas

Idosos em quarentena: a rotina de autocuidados

Inchaço, rachaduras e micoses nos pés são muito comuns na terceira idade, veja como minimizar estes problemas sem precisar sair de casa.

Idosos em quarentena: a rotina de autocuidados

Quarentena – como controlar a vontade de comer?

Ficar em casa, sem saber ao certo quando retomaremos a rotina... o trabalho, a escola, a academia, o encontro com os amigos.

Quarentena – como controlar a vontade de comer?

Sabão, sabonete ou detergente: com qual devo lavar as mãos?

Para esclarecer essa dúvida, a doutora na área de biologia de microrganismos e parasitas explica o uso correto de cada um desses produtos.

Sabão, sabonete ou detergente: com qual devo lavar as mãos?

Escola do Barreiro produz máscaras para moradores de rua

Iniciativa conta com apoio da Arquidiocese de Belo Horizonte, em parceria com a Pastoral de Rua.

Escola do Barreiro produz máscaras para moradores de rua

Exclusivo: método revela como ter uma barba cheia e forte

Novidade no Brasil tem preocupado os donos de clínicas de estética que estão perdendo clientes masculinos, pois muitos estão descobrindo esse novo tratamento inédito no Brasil.

Exclusivo: método revela como ter uma barba cheia e forte

Tratamentos estéticos que contribuem para a autoestima durante a velhice

Radiofrequência e luz pulsada são alguns dos procedimentos indicados para cuidar da aparência a partir dos 50 anos.

Tratamentos estéticos que contribuem para a autoestima durante a velhice

Como aumentar a imunidade com uma alimentação balanceada

Uma dica é substituir os biscoitos industrializados por frutas, iogurtes, oleaginosas e chás.

Como aumentar a imunidade com uma alimentação balanceada

As artimanhas dos assaltos a condomínios

Todos os dias, somos surpreendidos por casos inusitados de invasão a condomínios.


Quando substituir o botox pela cirurgia plástica?

A toxina botulínica não ameniza muito o envelhecimento avançado e, em excesso, deixa a face enrijecida, perdendo a graça da naturalidade.

Quando substituir o botox pela cirurgia plástica?