Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Medo: qual o limite entre o normal e a doença?

Medo: qual o limite entre o normal e a doença?

07/11/2019 Elaine Ribeiro

O medo, quando intenso, pode levar-nos a uma avaliação extrema.

Medo: qual o limite entre o normal e a doença?

O medo é uma emoção que se caracteriza por um intenso sentimento, habitualmente desagradável, provocado pela percepção de um perigo, seja presente ou futuro, real ou suposto. É uma das emoções primárias que resultam da aversão natural à ameaça, presente tanto nos animais como em seres humanos. 

Essa herança primitiva protegeu o homem de ameaças como animais, preparando-os para luta ou fuga e nos protege em situações simples, como avaliar o risco ao atravessar uma rua, por exemplo. Porém, esse medo, quando intenso, pode levar-nos a uma avaliação extrema e pouco realista das coisas. 

É comum encontrarmos nos pronto-atendimentos de hospitais pessoas com queixas cardiológicas, sintomas como tontura, arritmia, uma sensação de morte, dor no peito, enfim, sintomas, que, quando avaliados, estão relacionados ao medo patológico que tornou-se ansiedade. Questionadas, após a crise inicial, essas pessoas relatam esse medo e desconforto extremo, que avaliados, não se baseiam em realidade. 

Em alguns casos, a situação extrema de medo pode fazer com que a pessoa não consiga participar de festas, viajar de avião, sair na rua, conviver, trabalhar, estudar. Nesse caso, estamos falando de um medo que virou doença. 

Geralmente, as doenças relacionadas ao medo têm caráter emocional, como transtorno do pânico, ansiedade generalizada, transtorno de estresse pós-traumático (que acontece depois de um assalto ou sequestro, por exemplo), ou seja, todos os transtornos de ansiedade têm relação direta com essas situações de medo desproporcional e paralisante.

Uma questão preocupante é que pessoas afetadas pela ansiedade, poderão também passar pela depressão, ou seja, sofrer com duas condições que são debilitantes e trazem prejuízos ao percurso normal da vida. Saúde e bem-estar efetivo são diretamente prejudicados naqueles que passam pelos transtornos ansiosos. 

Quanto mais negamos e evitamos as situações de medo, mais ansiosos ficamos, ou seja, apenas vamos superar se lidarmos com isto, ou seja, se ao invés de nossa inimiga ela passe a ser amiga e nossos sentimentos de angústia sejam minimizados. Emoções não são inimigas, mas são guias, sinalizam que algo vai bem ou não vai bem. Não tenha raiva delas, mas as compreenda para discernir aquilo que pode ser melhorado em sua vida. 

A virada se dará quando não mais dominado pelo medo, você consiga fazer uma avaliação mais realista e com menor sofrimento das situações, trazendo mais racionalidade e, com isso, maior controle sobre aquilo que sente. Será importante incluir doses de realismo, mas sem o negativismo que geralmente é uma lente bastante usada pelas pessoas ansiosas. 

Não temos o controle de tudo e nem tudo sairá de forma perfeita. É esta necessidade que vamos criando, que acaba por ser uma das causadoras da tal ansiedade. Permita-se ver as situações de uma forma diferente, e, acima de tudo, aceite a orientação médica e psicoterapêutica quando as situações de ansiedade se tornarem prejudiciais à sua saúde e ao andamento de sua rotina diária.

* Elaine Ribeiro é psicóloga clínica e organizacional da Fundação João Paulo II / Canção Nova. Twitter: @elaineribeirosp

Blog: http://temasempsicologia.wordpress.com

Fonte: Fundação João Paulo II / Canção Nova



Quer casar comigo?

Todo dia era a mesma coisa. Marieta sempre esperava o engenheiro chegar.

Autor: Beto Ribeiro

Quer casar comigo?

Prazer sexual e moralidade cristã

O prazer no casamento foi concedido por Deus ao ser humano e o pecado está no coração de quem não quer fazer a vontade do Senhor.

Autor: Osiel Gomes

Prazer sexual e moralidade cristã

Festa da Misericórdia tem sua 22ª edição neste fim de semana

Para o domingo (07/04), a Comunidade Católica, em Cachoeira Paulista (SP), espera cerca de 30 mil pessoas.

Autor: Divulgação

Festa da Misericórdia tem sua 22ª edição neste fim de semana

366 dias para estreitar o relacionamento com Deus

Pastor Michel Simplício lança devocional interativo para exercitar a fé e aliviar o estresse diário.

Autor: Divulgação


Semana Santa: caminho que nos conduz a glória da Ressurreição

O Tríduo Pascal e suas funções litúrgicas devem ser observadas por todos os fiéis com devoção e ação de graças a Deus.

Autor: Padre Ricardo Rodolfo Silva


Aceitação

Ouvi essa história na prédica de um monge budista brasileiro, Gustavo Pinto, na década de noventa. A vida parecia mais fácil nos anos noventa.

Autor: Marco Antonio Spinelli

Aceitação

O que é a beleza?

Há quem diga que somos geneticamente programados para uma determinada percepção de harmonia, certos códigos áureos que transcendem ditames sociais.

Autor: Leonardo de Moraes

O que é a beleza?

São José, o justo

O trecho do Evangelho que se refere a José como homem justo é precisamente o que, na sequência, relata sua magnanimidade.

Autor: Sandro Arquejada

São José, o justo

Sete motivos para rir mais todos os dias

O riso é uma habilidade humana inata que antecede até mesmo nossas primeiras palavras.

Autor: Ros Ben-Moshe

Sete motivos para rir mais todos os dias

Características da ansiedade infantil: o que fazer ao identificá-las?

Muitas famílias se deparam com a necessidade de compreender e tratar transtornos ansiosos ou um comportamento ansioso de seus filhos.

Autor: Elaine Ribeiro

Características da ansiedade infantil: o que fazer ao identificá-las?

Segurança infantil: evite brinquedos perigosos

Quando vamos presentear uma criança devemos avaliar sobre qual brinquedo comprar para garantir a segurança delas.

Autor: Divulgação

Segurança infantil: evite brinquedos perigosos

Importância de sair da “zona de conforto” e arriscar na vida

Viver uma vida tranquila, sem agitações de mudanças ou o enfrentamento de desafios, é o que muitas pessoas buscam para conseguir se desenvolver de maneira segura.

Autor: Andréa Ladislau

Importância de sair da “zona de conforto” e arriscar na vida