Portal O Debate
Grupo WhatsApp

“Não é falta de palmada, mas falta de presença”

“Não é falta de palmada, mas falta de presença”

21/02/2020 Divulgação

Especialista diz que a adolescência é consequência da infância e que os jovens estão sozinhos.

“Não é falta de palmada, mas falta de presença”

“Quebra crânio”, “desafio da rasteira”, “roleta humana”. Nem de longe isso deve ser chamado de brincadeira, mas sim de uma agressão  que está sendo retratada em vídeo e divulgada nas redes sociais por centenas de adolescentes.

A Dra. Denise Lellis, PHD em Pediatria pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), explica que é uma atitude que ultrapassa os limites do bullying e passa ser uma agressão física, que denota em uma total falta de empatia e de preocupação, tanto com o bem-estar emocional como com o bem-estar físico um do outro. E alerta que isso pode ser uma consequência do estilo tóxico de vida ao qual as crianças têm sido inseridas. “Não é falta de palmada, mas falta de presença”, alerta Dra. Denise.

Quando crianças e adolescentes assistem a esse tipo de vídeo e saem repetindo a atitude, é porque não tem um adulto para dividir e trocar ideia, e é aí que nasce e mora o perigo.

“No momento, o foco está nas vítimas, com os que são machucados fisicamente, mas é preciso olhar para os adolescentes que estão fazendo isso, pois o futuro deles está em jogo. Quem serão esses adultos que agridem sem se preocupar com o outro?  A adolescência é consequência da infância”, comenta a Doutora em Pediatria.

A Dra. Denise conta que há muitos comentários culpando a geração, que não é resiliente, que não tem desenvolvimento emocional. Mas, segundo ela, isso começa na infância e pelos pais. “Os pais têm a oportunidade de impedir que esse tipo de comportamento agressivo aconteça por meio da presença.  Pais que assistem a esse tipo de vídeo junto com seus filhos e trocam ideias com a criança e criticam esse tipo de atitude estão agindo de maneira preventiva”, explica a especialista.

Para famílias que já têm filhos adolescentes e que viram esses vídeos, o conselho é chamar para uma conversa e tentar ajudá-los a se colocar no lugar de quem pode se machucar. Os pais devem também orientar e alertar o filho, já que ele também pode ser a vítima. Nesse caso, é importante que se converse de forma clara e verdadeira para que não se crie um pânico em relação aos amigos.

“Essa geração não é culpada, mas sim vítima, porque está sozinha. A internet tem conversado muito mais com crianças e adolescentes porque estamos permitindo que isso aconteça. Porém, muita atenção, porque a internet também não é a vilã. O vilão é o estilo de vida. Estamos deixando os nossos filhos a mercê de quem quiser falar com eles. Um bom indicador é: se a criança não pode andar na rua sozinha, então ela também não pode ficar na internet sozinha”, enfatiza Dra. Denise.

Também é uma oportunidade para as escolas, a partir desses fatos, alertar e trabalhar o cuidado com o outro e a empatia, já que a criança que passou pela situação se machucou não só fisicamente, mas emocionalmente, podendo se sentir humilhada e constrangida. É uma violência infinita.

“Meu último recado é: pais, aproveitem essa oportunidade para dialogar com seus filhos. Não se deve procurar culpados, mas se abrir ao diálogo, independentemente da idade da criança. Coloque-a dos dois lados, do agressor e da vítima. Vamos trabalhar a empatia, que está em falta no mundo”, disse Dra. Denise Lellis.

Fonte: Dra. Denise Lellis – Doutora em Pediatria pela USP, é membro do departamento de Obesidade Infantil da ABESO (Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica), pediatra da Liga de Obesidade Infantil da FMUSP.



O Brasil precisa de mais sangue!

A doação não traz nenhum risco para o doador.

Autor: Guilheme Muzzi

O Brasil precisa de mais sangue!

Insegurança e espiritualidade

O Nosso Cérebro é uma máquina de detectar padrões. Nosso senso de orientação depende disso.

Autor: Marco Antonio Spinelli

Insegurança e espiritualidade

Entender os sentimentos pode ajudar no relacionamento entre pais e filhos

O reconhecimento das emoções é o primeiro passo para o entendimento no ciclo familiar e social.

Autor: Divulgação

Entender os sentimentos pode ajudar no relacionamento entre pais e filhos

A importância da comunicação humanizada

Dar vida às palavras, expressões e gestos que formam a substância da comunicação é fundamentalmente humano.

Autor: Reinaldo César


Saúde espiritual: cura que vem de dentro para fora

É fato que a medicina moderna avançou consideravelmente no tratamento das doenças físicas ao longo dos séculos.

Autor: Tatiana Capanema

Saúde espiritual: cura que vem de dentro para fora

Ascensão dos devocionais

No final dos anos 1990, algumas igrejas brasileiras utilizavam os devocionais para mobilizar seus membros a desenvolverem uma vida espiritual ativa e dinâmica

Autor: Magno Paganelli

Ascensão dos devocionais

Santuário do Pai das Misericórdias: lugar de encontro com Deus e renovação espiritual

O Santuário do Pai das Misericórdias é um importante centro de peregrinação e devoção católica, atraindo fiéis de diversas partes do país e do mundo.

Autor: Pe. João Gualberto


Brasileiros solidários

A Gol em parceria com a Avianca, empresas do grupo Abra, transportou doações em mais um voo humanitário.

Autor: Divulgação

Brasileiros solidários

Solidariedade permanente

Há alguém que dependa única e exclusivamente de si? "Ah, sim, 'eu sou o cara, faço e aconteço, sou uma pessoa independente'".

Autor: Padre Marcio Prado


Cemig envia equipes, geradores e veículos especiais para RGS

Equipamentos cedidos pela companhia podem atender até 2.500 mil residências afetadas pelas enchentes no estado.

Autor: Divulgação

Cemig envia equipes, geradores e veículos especiais para RGS

LBV lança campanha de combate à dengue com recado das crianças

O objetivo de promover hábitos saudáveis e eliminar criadouros do mosquito.

Autor: Divulgação


“Dias Perfeitos”: a incrível beleza das coisas simples

Talvez a maior perda de um mundo em que tudo acontece apenas dentro de uma tela é que as pessoas perdem o caminho de seu mundo interno.

Autor: Marco Antonio Spinelli