Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O que 62 cursos não me ensinaram sobre gestão

O que 62 cursos não me ensinaram sobre gestão

02/07/2019 Thaís Lima

Parece muito surreal o título desse artigo, certo?

Eu escrevo ele em absoluta abertura e vulnerabilidade sobre tudo que ando vivendo.

Mas principalmente escrevo este artigo como um alerta para mulheres que como eu acham que sempre precisam de mais um curso, de mais uma especialização, de mais um título para estarem aptas a ter o sucesso que lá no fundo sabem que merecem.

Não sei o quanto você acompanha do meu trabalho e da minha história, por isso, vou pedir licença para explicar rapidamente o que vem acontecendo.

Fui executiva na Bolsa de Valores por muitos anos e depois de ter uma reviravolta na minha vida decidi sair do mundo corporativo para ajudar mulheres a acreditarem em quão boas elas são e não viverem as coisas que eu vivi.

No último ano meu marido e eu decidimos mudar a nossa vida. Ele estava infeliz na carreira dele e decidiu que queria abrir um restaurante em Portugal.

Eu mais do que depressa disse sim e nos mudamos para Lisboa.

O restaurante abriu em fevereiro deste ano e desde então os aprendizados têm sido constantes.

No mês de maio, por uma conjuntura de fatores eu precisei largar todas as minhas atividades na minha empresa para ir ajudá-lo.

Foram feitas algumas contratações e entramos na fase de treinamento e reorganização da equipe.

Com todo o meu amor e toda a bagagem que havia adquirido nos últimos 3 anos eu comecei a aconselhá-lo e a orientar as pessoas.

E depois de 20 dias em uma sexta-feira tudo desmoronou. Uma funcionária da cozinha saiu andando no meio do turno do almoço e a outra teve uma discussão muito grande com o meu marido na cozinha e foi desligada no final do dia.

Nesta hora a minha vontade era simplesmente chorar. Sim, chorar! E hoje escrevo sobre essa vontade em paz porque estou absolutamente tranquila que isso não muda a profissional que eu sou e está totalmente relacionada com a pessoa que eu sou e usando todos os meus recursos.

Enquanto meu marido era atendido por uma pessoa muito querida por mim para reestabelecer as energias dele eu chorava e me questionava.

Que merda de líder eu sou? Como que eu com 62 cursos não consegui ajudar o meu marido a gerir duas pessoas em um restaurante? Onde foi que eu tinha errado?

E dias depois eu percebi onde eu errei.

Eu errei porque não respeitei os desejos dele, eu errei porque eu não consegui lidar com os meus traumas de mundo corporativo e permitir que ele cometesse os erros dele como gestor.

Eu errei em julgar as coisas e achar que o que eu fazia é que era o correto.

Eu errei em aceitar uma responsabilidade que eu não queria. Que o restaurante era meu e dele.

Não, o restaurante não é meu. É dele! Eu estou ajudando-o.

Isso não muda a importância, a seriedade e o comprometimento que eu tenho com o meu marido ou com o restaurante, muito pelo contrário. Me coloca no ponto onde eu devo estar e como eu devo agir.

E em meio a tudo isso eu quero compartilhar aqui três aprendizados importantes.

Aprendizado nº 01:

Se você é gestor, seja o exemplo daquilo que você quer que a sua equipe seja.

Isso não significa que será fácil, mas as pessoas estão se espelhando em você, por isso esteja atento aos ao que faz e ao que fala.

Aprendizado nº 02:

Roupa suja se lava em casa!

Se você não está satisfeita com as coisas que vem acontecendo é seu dever procurar uma hora e um local apropriado para conversar.

Não espere que o seu líder entenda o que se passa na sua cabeça.

Uma comunicação assertiva pode mudar o rumo da sua trajetória profissional.

Aprendizado nº 03:

Defina quais são os seus limites.

A verdade é que muito fácil abrir exceções, falar que é só uma fase.

Atender ao que a empresa está precisando e esquecer quem você é, mas qual é o preço disso?

Eu já cedi tanto que terminei com depressão e síndrome do pânico.

Só você sabe a delicinha e o desafio de ser quem você é, como dizia a minha coach.

* Thaís Lima - estrategista e desenvolvedora de carreiras

Fonte: Comuniquese



Campanha da GOL e Faber Castell incentiva a doação de materiais escolares nas aeronaves

A campanha é uma iniciativa do Instituto GOL, núcleo de responsabilidade social da empresa.

Campanha da GOL e Faber Castell incentiva a doação de materiais escolares nas aeronaves

Imagens de sofrimento deixam de ser foco em campanhas de doação no Brasil

Estratégias como a do aplicativo Ribon baniram qualquer foto de dor e miséria e passaram a ganhar cada vez mais adeptos

Imagens de sofrimento deixam de ser foco em campanhas de doação no Brasil

Como nasceu a Cesta de Natal

Com a proximidade do final do ano as empresas e as famílias começam a se preparar para as festas e comemorações do Natal e Réveillon.

Como nasceu a Cesta de Natal

O que é permitido nas festas de fim de ano em condomínios?

A vida em condomínio exige regras de convivência que valem para pessoas com hábitos diferentes, por dividirem o mesmo espaço comum.

O que é permitido nas festas de fim de ano em condomínios?

Expectativa de vida aumenta mais de três meses e chega a 76,3 anos

Dados são da Tábua Completa de Mortalidade para o Brasil do IBGE.

Expectativa de vida aumenta mais de três meses e chega a 76,3 anos

Impactos dos exercícios físicos durante e depois da gravidez

Treinos devem ser liberados pelo médico e acompanhados por um profissional de Educação Física

Impactos dos exercícios físicos durante e depois da gravidez

Não emagreça para o verão!

Confira dicas para manter o shape em forma o ano todo.

Não emagreça para o verão!

Como estimular as crianças à uma boa alimentação

Situações simples do dia a dia podem ser aproveitadas para a educação alimentar.

Como estimular as crianças à uma boa alimentação

Dormir mais no final de semana recupera as noites perdidas?

Mudar hábitos é mais eficaz do que ficar mais tempo na cama no sábado e domingo.

Dormir mais no final de semana recupera as noites perdidas?

O que as três cidades mais inteligentes do País têm em comum?

Entenda porque Campinas, São Paulo e Curitiba merecem esse título.

O que as três cidades mais inteligentes do País têm em comum?

3 razões para incluir a prática da Atenção Plena em seu trabalho

Não é novidade que temos que estar capacitados perante os avanços da tecnologia e a uma enxurrada constante de informação.


Cirurgia devolve audição aos surdos

No Brasil, cerca 10,7 milhões de pessoas sofrem com a doença.

Cirurgia devolve audição aos surdos