Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O valor da vida humana em tempos de pandemia

O valor da vida humana em tempos de pandemia

17/06/2020 Gilberto Aurélio Bordini

Todos ficamos estarrecidos com declarações em relação à pandemia, às mortes e ao descaso pela vida.

O valor da vida humana em tempos de pandemia

Alguns comentários e opiniões demonstram insensibilidade com a humanidade, tratada como se não tivesse valor. O “e daí” e o “tudo bem que a natureza criou...”, nos leva a consequências mais profundas como o individualismo arraigado nas culturas atuais e o secularismo, fruto de um relativismo religioso em que se acredita no que convém, ou mesmo, em preocupações efêmeras, colocando como prioridades a economia e a política, que sobrepõe os valores essenciais da vida humana.

Luc Ferry, em seu livro “Revolução do Amor”, ao analisar as características do tempo presente, nos alerta que, os únicos seres pelos quais agora estaríamos dispostos a arriscar nossa existência, são os seres humanos, não os ideais políticos e econômicos, junto com os processos de globalização. Declarações como estas não levam em conta o que está por trás da vida humana, a sua existência, história e sonhos, sepultados juntos com o “e daí”, ou “tudo bem”, sem o devido valor de suas identidades e seus rostos sofridos lutando com um inimigo desconhecido.

Como cristãos, não pensamos na vida somente com um valor humano, mas também divino, somos criados a imagem e semelhança de Deus e dotados de inteligência e liberdade que nos diferencia das outras criaturas.  No evangelho de João, 10,10, Jesus se intitula “Eu sou a vida” que estava com Deus e que agora está conosco e que oferece como plenitude de seu amor, de um modo total, definitiva e plena em sua autonomia, a verdadeira liberdade nos dada por Deus. A Igreja também em sua história se pronunciou muitas vezes sobre esta dignidade da vida humana, nos documentos papais e da congregação para a doutrina da fé, afirmando no documento “Dignitas Personae” que todo ser humano, desde a concepção até a morte natural, deve reconhecer a dignidade da pessoa, sua linhagem e não somente tratá-la com descaso, depreciação, já que a vida está muito acima dessas palavras vazias e sem sentido.

Mas o que nos enche de esperança são figuras como o Papa Francisco que em todos os  seus pronunciamentos não deixa de agradecer aos profissionais da saúde, médicos e enfermeiros, que correm riscos e são poucos valorizados, que lutam e valorizam esta vida muitas vezes descartada por quem tem a obrigação de fazer alguma coisa em prol das pessoas fragilizadas, vulneráveis, que lutam para sobreviver neste mundo de injustiças. Por isto, não é por palavras como ‘e daí’ e ‘tudo bem’ que deixaremos de valorizar o que nos foi dado como fruto do amor.

* Gilberto Aurélio Bordini é doutor em Teologia, padre da Arquidiocese de Curitiba (PR) e professor de Teologia Católica no Centro Universitário Internacional Uninter

Fonte: Página 1 Comunicação



Qual o mundo que quero criar (e deixar) para minha filha?

Sou pai de uma linda menina de 3 anos e todos os dias ela me faz ter um olhar diferente sobre o mundo.

Qual o mundo que quero criar (e deixar) para minha filha?

Campanha Agosto Dourado: mães com covid-19 devem continuar amamentando

Estudos indicam que leite humano não transmite a doença.

Campanha Agosto Dourado: mães com covid-19 devem continuar amamentando

Expressão “dor nas costas” bate recorde de buscas na internet

De cada dez pessoas, oito terão dores nas costas ao longo da vida.

Expressão “dor nas costas” bate recorde de buscas na internet

Redes sociais e solidão

As pessoas se refugiam nas bolhas digitais para manter contato com as pessoas ao seu redor.

Redes sociais e solidão

Estudo aponta que quarentena aumentou casos de dores musculoesqueléticas

Joelhos e coluna foram as regiões mais afetadas pelo confinamento.

Estudo aponta que quarentena aumentou casos de dores musculoesqueléticas

Solidão infantil: um mercado lucrativo

A indústria do consumo infantil, sem pudor nem piedade, constrói um exército de reféns mirins.

Solidão infantil: um mercado lucrativo

Como ajudar os avós no confinamento?

Que tal oferecer carinho através de uma massagem nos pés?

Como ajudar os avós no confinamento?

Quando não formos capazes de mudar uma situação, devemos mudar a nós mesmos

Estamos todos aprisionados,  vivendo um momento muito difícil, que nos paralisa.


Cinco dicas para evitar manchas na pele após a depilação

Alguns tipos de pele têm maior propensão ao surgimento delas, mas há alguns truques seguros para prevenir o aparecimento e desfilar com uma perna lisinha.

Cinco dicas para evitar manchas na pele após a depilação

O importante vínculo entre avós e netos

Relacionamento entre idosos e crianças é fundamental para criar sentimentos de pertencimento.

O importante vínculo entre avós e netos

É preciso crer e pensar!

Minha fé é extremamente racional e pouco sentimental...

É preciso crer e pensar!

33% dos brasileiros diminuíram a frequência das relações sexuais

Pesquisa Opiniões Covid-19 demonstra que o sexo tem influência direta no humor.

33% dos brasileiros diminuíram a frequência das relações sexuais