Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Os desafios das gestantes na pandemia

Os desafios das gestantes na pandemia

03/07/2020 Ângela Abdo

Estamos vivenciando algo inédito para a geração atual, mas não tão estranho para quem viveu outras doenças com poucos recursos.

Os desafios das gestantes na pandemia

Situação que expõe a humanidade a um cenário delicado e vulnerável, porque o inimigo é invisível. Neste contexto, falar de felicidade parece utópico ou no mínimo insensato. Entretanto, vejo a pandemia como um momento para treinarmos nossas virtudes, principalmente a paciência e a resiliência.

Pensando nas mulheres grávidas, volto à gestação dos meus filhos. A primeira aos 19 e a segunda aos 20 anos. Em ambas, no primeiro mês não sabia da gravidez e o nono não vivi, porque meus filhos nasceram de oito meses. Os demais meses passei imóvel na cama, com medo de perdê–los, pois na época não existiam exames adequados. O que afligia meu corpo também era invisível. Diziam apenas que era rejeição fetal do organismo. Nesses meses de angústia, quem me sustentou foi Deus, minha família e meus amigos.

No cenário atual, diante de uma nova vida que está para chegar, a incerteza coletiva também provoca angústia no coração das gestantes. O momento é de estreitar laços com Deus, que nos sustenta em toda a caminhada, e de mudar conceitos e hábitos. Para muitos o conceito de felicidade é a busca incessante do preenchimento de desejos. Nesse momento, Deus nos convida a analisar e separar o que é indispensável do dispensável.

Devido à pandemia, pode-se pensar num parto prematuro e na necessidade de ir para o hospital com doentes contaminados com o vírus. Também temos que levar em conta os medos naturais de uma gravidez, tais como, prejudicar a saúde do bebê, pois o corpo materno abriga o filho. Com a ansiedade vêm também os sentimentos negativos e a preocupação disso afetar o bebê. Vale lembrar que cuidados físicos, alimentares e o isolamento protegem a ambos.

Reconheça os medos e procure respostas reais para cada um deles. Acenda a luz interna que permite ver os problemas sem a deformação das sombras que provocam tantas angústias desnecessárias.

Mudar conceitos permite tirar escamas dos olhos e ver a realidade de forma diferente, exigindo também mudanças de hábitos para que possa acontecer uma transformação. O distanciamento social trouxe ansiedade para alguns, desorientação para outros e até a sensação de segurança. Obrigou todos a rever rotinas e fazer adaptações. O resultado positivo ou negativo depende de como cada pessoa consegue ajustar o tempo ocioso ou sobrecarga, o retorno ao lar como um local seguro e não uma prisão, e o equilíbrio do espaço entre o desejo de algo e a completude.

Use a pandemia não como algo extremamente ruim, mas como treinamento para as intempéries da vida. Esse momento pode ser usado para autoconhecimento da mãe e para o fortalecimento dos laços maternos com o filho. Em um mundo marcado pela falta de tempo, esse vírus conseguiu parar o “tempo” externo e obrigar as pessoas a se relacionarem mais consigo e com os outros.

Outra possibilidade é da grávida pensar que o que está acontecendo não é verdade, ou apenas deturpação da rede social, levando à atitude de quem prefere enterrar a cabeça no buraco e não aceitar a realidade. Negar ou não enfrentar a realidade é ausência de maturidade. Nessa situação, Deus, é a melhor bússola para trazer informações sobre o futuro e forças para se enfrentar o presente.

Algumas mamães precisam aprender a lidar com as incertezas e estabelecer metas para viver bem a gestação, o parto e o pós-parto. É preciso fechar os ciclos da pandemia e da gravidez e dar abertura ao novo. Cada bebê que nasce traz consigo o sentido da vida. Uma nova missão para esse mundo tão sofrido. Você carrega dentro de si a esperança! Sabemos que as expectativas da chegada de uma nova vida atingem as pessoas de formas diferentes, porque algumas gestantes estão preparadas para esse momento e outras não. Tanto a gravidez como a pandemia podem ser um momento de crescimento e de maior contato consigo mesma. Esse contato favorece o autoconhecimento e pode tirar as pessoas da superficialidade, das justificativas para a falta de decisão, de propósitos, de não se deixar levar pela realidade, mas a se propor a construir um mundo melhor. A oportunidade de buscar o equilíbrio emocional e assertividade diante dos problemas é transformá–los em bem-aventuranças.  “Bem-aventurados os que choram, porque Deus os consolará” (Mt 5,4).

* Ângela Abdo é coordenadora do grupo de mães que oram pelos filhos da Paróquia São Camilo de Léllis (ES) e assessora no Estudo das Diretrizes para a RCC Nacional. É articulista do canal “Formação” do Portal Canção Nova e autora do livro “Mães que oram pelos filhos” pela Editora Canção Nova.

Fonte: Canção Nova



Campanha Agosto Dourado: mães com covid-19 devem continuar amamentando

Estudos indicam que leite humano não transmite a doença.

Campanha Agosto Dourado: mães com covid-19 devem continuar amamentando

Expressão “dor nas costas” bate recorde de buscas na internet

De cada dez pessoas, oito terão dores nas costas ao longo da vida.

Expressão “dor nas costas” bate recorde de buscas na internet

Redes sociais e solidão

As pessoas se refugiam nas bolhas digitais para manter contato com as pessoas ao seu redor.

Redes sociais e solidão

Estudo aponta que quarentena aumentou casos de dores musculoesqueléticas

Joelhos e coluna foram as regiões mais afetadas pelo confinamento.

Estudo aponta que quarentena aumentou casos de dores musculoesqueléticas

Solidão infantil: um mercado lucrativo

A indústria do consumo infantil, sem pudor nem piedade, constrói um exército de reféns mirins.

Solidão infantil: um mercado lucrativo

Como ajudar os avós no confinamento?

Que tal oferecer carinho através de uma massagem nos pés?

Como ajudar os avós no confinamento?

Quando não formos capazes de mudar uma situação, devemos mudar a nós mesmos

Estamos todos aprisionados,  vivendo um momento muito difícil, que nos paralisa.


Cinco dicas para evitar manchas na pele após a depilação

Alguns tipos de pele têm maior propensão ao surgimento delas, mas há alguns truques seguros para prevenir o aparecimento e desfilar com uma perna lisinha.

Cinco dicas para evitar manchas na pele após a depilação

O importante vínculo entre avós e netos

Relacionamento entre idosos e crianças é fundamental para criar sentimentos de pertencimento.

O importante vínculo entre avós e netos

É preciso crer e pensar!

Minha fé é extremamente racional e pouco sentimental...

É preciso crer e pensar!

33% dos brasileiros diminuíram a frequência das relações sexuais

Pesquisa Opiniões Covid-19 demonstra que o sexo tem influência direta no humor.

33% dos brasileiros diminuíram a frequência das relações sexuais

Estamos cansados do distanciamento social?

Neurociência explica motivos que levam pessoas a se arriscarem durante a pandemia do coronavírus.

Estamos cansados do distanciamento social?