Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Pais e filhos – o poder das emoções

Pais e filhos – o poder das emoções

21/09/2020 Emanuel Menim

Outro dia li um post compartilhado por um jovem amigo que discursava sobre sua geração, o que me chamou a atenção.

Pais e filhos – o poder das emoções

Dizia que a alcunha de “Geração Nutella” – termo que, em linhas gerais, faz menção a uma geração mais fraca emocionalmente do que as anteriores – é uma injustiça. A comparação foi rebatida de forma magistral: a geração anterior (a dos pais e avós dos jovens e adolescentes de hoje) sofria com inúmeros problemas de ordem emocional e, consequentemente, física. Alcoolismo, violência doméstica, drogadição, desagregação familiar, abusos sexuais e suicídios são apenas algumas das grandes tragédias que acompanharam a geração, atualmente, adulta.

 A grande sacada do texto do jovem foi concluir, sabiamente, que a diferença entre as gerações é que a atual aprendeu a expressar seus sentimentos, falar sobre seus problemas e buscar soluções onde quer que elas possam ser encontradas, em vez de guardar para si e viver uma vida pressionada pelo peso das angústias e dos dessabores da vida. Achei genial! É uma excelente perspectiva sobre essa geração! Acredito que a grande beleza do ser humano é poder pensar sobre si e aprender com as experiências vividas. A nossa geração, mais velha, é do tempo em que a palavra bullying nem existia e resolvíamos – quando muito – nossos problemas na habilidade (de correr, por exemplo) ou na força. Mas já não é mais assim.

Há pouco começamos a compreender que só o conhecimento técnico apurado não é suficiente para fazer nossos negócios darem certo, nem nossas relações pessoais ou nossas famílias permanecerem saudáveis. O velho ideal iluminista de emancipação humana por meio da razão já estava decrépito, enferrujado. Na década de 1990, Daniel Goleman apareceu com o livro “Inteligência Emocional” e, então, descobrimos que somos bem mais do que “máquinas” preparadas nas instituições sociais para realizar cálculos frios. Somos gente, de carne e osso, com infindáveis variáveis que compõe a nossa complexa relação conosco mesmo e com o mundo. Lembramos daquilo que Pascal disse no século XVII: “o coração tem razões que a própria razão desconhece”.

Aquela velha história de que devemos separar nosso lado profissional do lado pessoal é ultrapassada e, depois de muito penar, temos compreendido juntos como sociedade que somos seres integrais e que, em nós, a razão e a emoção nem sempre são antagônicas e, muito menos, separáveis como água e óleo. São constatações que alcançaram muitos da nossa geração e que resultaram em algo salutar. Isso porque, de alguma forma, preparamos nossos filhos para se expressarem com mais liberdade do que pudemos fazer em nossas casas, escolas e igrejas.

Mas nem tudo são flores. Ainda convivemos com inúmeros problemas entre os jovens. As crises de ansiedade, para dar apenas um exemplo, cresceram assustadoramente nos últimos anos. E, em geral, a coisa começa bem pequena, quase imperceptível, mas cresce regularmente até virar um problema sério. Isso implica no papel do adulto. Não somos mais apenas formuladores e fiscalizadores de regras. Não funciona mais assim. Precisamos estar preparados para uma comunicação que trilha o sentido da empatia, da compaixão e do respeito aos sentimentos dos jovens. Quem quiser, de qualquer forma, atingi-los, precisa descer de seu pedestal de adulto experimentado e estar “entre” os jovens, não acima deles, e isso sem deixar a maturidade de lado. É uma nova lógica.

* Emanuel Menim é mestre em Sociologia, professor e assessor pedagógico de Formação Humana do Colégio Positivo.

Fonte: Central Press



Canal Angelini aborda as histórias das religiões

Nunca foi tão importante entender a história das religiões.

Canal Angelini aborda as histórias das religiões

Vulnerabilidade a seu favor: a verdadeira liderança

Vulnerabilidade: não podemos evitá-las e viver apenas em momentos seguros.

Vulnerabilidade a seu favor: a verdadeira liderança

Você controla seu celular ou é ele que te controla?

No ano de 2020, cada brasileiro que possui smartphone passou, em média, 4,8 horas por dia utilizando o seu aparelho, segundo o novo relatório anual da App Annie.

Você controla seu celular ou é ele que te controla?

O chá e seus efeitos benéficos

Quem nunca tomou algum medicamento medicamento sem receita médica?

O chá e seus efeitos benéficos

Direitos de crianças e adolescentes em meio à pandemia

As políticas públicas e a atuação das instituições que trabalham para garantir os direitos da criança e do adolescente, tema debatido há vários anos no meio público, ganharam um novo sentido durante a pandemia.

Direitos de crianças e adolescentes em meio à pandemia

Estamos mais intolerantes?

No Dia da Compreensão Mundial, psicóloga destaca que característica pode ser adquirida desde a infância.

Estamos mais intolerantes?

Como a chegada da primavera influencia na fertilidade masculina

Estudo mostra que durante a primavera os homens ficam mais férteis.

Como a chegada da primavera influencia na fertilidade masculina

O mistério da dor e da esperança de Maria

Quem não se impressiona com a manifestação do amor dedicado de uma mãe ao cuidar de um filho doente, acamado, necessitado de consolo e amparo?

O mistério da dor e da esperança de Maria

Oração aos insensatos

Começo dizendo que, na verdade, nem sei orar.

Oração aos insensatos

“Um Brasil que se alimenta e outro que não”

Famílias que nada tem e sofrem para sobreviver em meio à pandemia com o desemprego e a alta nos preços dos alimentos.


Métodos para estudar e entender a Bíblia

É necessário tratar de algumas questões ligadas à exegese e hermenêutica bíblicas.

Métodos para estudar e entender a Bíblia

Sete erros de postura cometidos nos serviços domésticos

Em tempos de pandemia, organizar, limpar e cozinhar tem sido atividades rotineiras para muitas pessoas.

Sete erros de postura cometidos nos serviços domésticos