Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Por que viver uma experiência religiosa?

Por que viver uma experiência religiosa?

11/11/2023 Denis Duarte

Como pesquisador na área das Ciências da Religião, comecei a me interessar pela seguinte questão: por que fazer uma experiência religiosa?

Por que viver uma experiência religiosa?

Começo do princípio de que há, basicamente, dois tipos de pessoas no mundo: de um lado, aquelas que regem a vida guiadas pelas suas experiências religiosas; e, de outro, aquelas que ignoram a religião ou não a consideram como parte da vida delas.

Mircea Eliade, importante historiador das religiões, acredita que existam essas duas modalidades de ser no mundo. Ele classifica essas duas realidades como sagrado e profano, respectivamente. Nesse caso, o sagrado diz respeito àquela pessoa que conduz sua vida a partir das hierofanias, ou seja, de realidades sagradas que se revelam. Já o termo profano está relacionado à pessoa que se propõe a viver num mundo dessacralizado, privando-se, por opção, das experiências religiosas.

Respeito, profundamente, as pessoas que escolhem essa segunda opção, mas não posso deixar de dizer que acho essa escolha um tanto quanto difícil, porque é da natureza humana essa busca pelo transcendente. 

Desde os primórdios, o homem vem procurando entender mais sobre a origem e o sentido da vida e da morte, relacionando-se com as divindades e poderes sobrenaturais. O Catecismo da Igreja Católica, no parágrafo 2566, afirma: “O homem está à procura de Deus, pois foi criado por Ele. Mesmo perdendo a proximidade com o criador, por causa do pecado, ainda sim, continua sendo imagem e semelhança d’Ele e, por isso, conserva esse desejo por Deus”. Segundo a mesma obra, todas as religiões testemunham essa procura essencial dos homens, porque nossas culturas, tanto a ocidental quanto a oriental, são permeadas, ainda hoje, pelas manifestações e interlocuções com a transcendência.

Peguemos, por exemplo, as manifestações artísticas: várias delas apresentam representações da religiosidade. Exemplos são os mais variados: na pintura, o holandês Rembrandt com o seu belíssimo quadro “O retorno do filho pródigo”; na escultura, o artista do barroco mineiro Aleijadinho com “Os doze profetas”; na literatura, o russo ortodoxo Fiódor Dostoiévski com “Crime e Castigo”, que relata a vida de um jovem e seu encontro com a Bíblia; no teatro, Ariano Suassuna com “O Auto da Compadecida”, obra baseada na literatura de cordel e na piedade do nordestino. Artistas conhecidos mundialmente refletiram a religiosidade em suas obras. Isso sem contar a presença desse reflexo nas outras áreas de conhecimento.

Se, desde os primórdios até hoje, o homem busca respostas para as questões relacionadas ao sentido da existência humana; se as pessoas buscam, mesmo que inconscientemente, Deus e todas as religiões testemunham essa procura; se a nossa cultura está permeada pela influência religiosa das mais variadas formas, termino o texto invertendo a pergunta inicial: diante dessas constatações, por que deixar de fazer uma experiência religiosa, por que não me tornar uma pessoa religiosa, ou seja, que passa a enxergar o mundo, as outras pessoas, a si mesmo e a vida de uma maneira diferente, de uma maneira mais sagrada? Que Deus nos abençoe!

* Denis Duarte é especialista em Bíblia e Cientista da Religião. Professor universitário, pesquisador e escritor. 

Para mais informações sobre religião clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Fundação João Paulo II / Canção Nova



Você é o seu melhor psiquiatra

Estava guiando numa manhã de domingo quando vi um casal correndo nas ruas ainda frescas do começo do dia.

Você é o seu melhor psiquiatra

A estrela maravilhosa

No Brasil, o regime escravocrata criou uma nação sem renda, além disso diziam que rico não entra no céu, mas esqueceram de dizer que no inferno também há muitos pobres.

A estrela maravilhosa

O músico

A música tem a capacidade de motivar, alegrar, emocionar, despertar sentimentos, abrir a caixa das lembranças. A música reúne, provoca risos, e acompanha o choro.

O músico

A trégua do Natal

Você sente o peso dos conflitos e desafios que marcaram este ano? Ucrânia, Israel, guerras políticas, nos nossos corações… Ufa!

A trégua do Natal

A cilada do palhaço

Estudos mostram que comediantes tem muito mais alterações de humor, depressões e risco de uso e abuso de drogas que a população em geral.

A cilada do palhaço

Tecnologia: o uso excessivo e os impactos na saúde mental

Quanto mais tempo na internet, menos tempo presencialmente teremos com as pessoas.

Tecnologia: o uso excessivo e os impactos na saúde mental

Rir pode transformar a sua saúde; saiba como!

Especialistas do CEJAM explicam como o ato pode colaborar com o bem-estar, reduzir o estresse, fortalecer conexões sociais e melhorar quadros cardiovasculares.

Rir pode transformar a sua saúde; saiba como!

O privilégio de ser casal

Casei-me e tornei-me mãe na década de 1990.

O privilégio de ser casal

A receita de Walt Disney para o sucesso

Padrões mudam com o tempo e devem ser desafiados, pois uma das poucas certezas que temos na vida é a de que a mudança vai ocorrer em algum momento.

A receita de Walt Disney para o sucesso

Voce sabe quem precisa?

Próteses de mãos serão doadas a pessoas de Maringá e outros municípios brasileiros.


Primeira etapa do Sínodo: a escuta e o diálogo com a Igreja

Com origem no grego, “synodos” significa “caminho feito em conjunto”.

Primeira etapa do Sínodo: a escuta e o diálogo com a Igreja

Ama ao próximo como a ti mesmo

É muito triste para nós brasileiros, tradicionalmente calmos e pacíficos, ver os trágicos acontecimentos iniciados de forma inesperada com ataques ao povo das cidades de Israel.

Ama ao próximo como a ti mesmo